A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO PROGRAMA DE PÓS – GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: EDUCAÇÃO, CULTURA E SOCIEDADE LINHA DE PESQUISA:

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO PROGRAMA DE PÓS – GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: EDUCAÇÃO, CULTURA E SOCIEDADE LINHA DE PESQUISA:"— Transcrição da apresentação:

1 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO PROGRAMA DE PÓS – GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: EDUCAÇÃO, CULTURA E SOCIEDADE LINHA DE PESQUISA: MOVIMENTOS SOCIAIS, POLITICA E EDUCAÇÃO POPULAR GRUPO DE PESQUISA EM MOVIMENTO SOCIAIS E EDUCAÇÃO (GPMSE) PROJETO DE PESQUISA OS SENTIDOS DO CONHECIMENTO E RECONHECIMENTO NA EDUCAÇÃO POPULAR: CASO IPESP/ABHP Mestranda: Edna Fernandes do Amaral Orientadora: Profª. Drª. Artemis Augusta Mota Torres Seminário de Pesquisa II Profª. Drª. Maria Aparecida Morgado Profª. Drª. Kátia Alonso Morosov Debatedoras: Maria dos Anjos L.Santos e Jamille O.Carvalho

2 OBJETO DE PESQUISA A pesquisa ocorre na ABHP - Associação Brasileira de Homeopatia Popular, formada a partir de um projeto de Educação em Saúde Popular iniciado na Igreja Nossa Senhora do Rosário e São Benedito aqui em Cuiabá, no ano de 1980, através da Pastoral da Saúde. Este projeto teve dois desdobramentos essenciais: a)A criação do IPESP – Instituto Pastoral de Educação em Saúde Popular, em Objetivo: acolher propostas, de grupos diferenciados, referentes à saúde, desde que tenham como premissa básica a cidadania e a responsabilidade individual e coletiva, de todos e de cada um(a), na implementação de direitos sociais, que permitam ultrapassar os limites desumanos e cruéis mantidos no atual modelo econômico e forma de organização político-social no Brasil(...); a luta pela Vida e Cidadania (IPESP: Texto-Base, 1996, p.5). b) A criação da ABHP, em Missão: proporcionar aos agentes(educadores) populares práticos e simpatizantes da homeopatia popular um espaço de articulação e formação em educação e saúde, visando um apoio mútuo a socialização do conhecimento técnico e do conhecimento produzido no meio popular, que venham implementar o estabelecimento de novas relações do homem e da mulher com eles mesmos; com seus semelhantes e com a natureza, gerando mudanças substanciais na sociedade ( Estatuto social da ABHP). RAZÃO PELA QUAL INTITULEI – IPESP/ABHP

3 O FOCO DA PESQUISA Considerando que a Associação desenvolve um programa amplo de educação e atividades diversas, elegemos o Curso de extensão, que vem sendo realizado numa parceria entre a ABHP / PROVIVAS / DTFE / UFMT ( ) como espaço privilegiado de minha investigação. Considerando este trabalho como um processo de educação popular, estabelecemos como foco de investigação os sentidos do conhecimento e reconhecimento produzidos e compartilhados, neste espaço, para esses sujeitos (educadores populares),ora matriculados no curso OBS: o estabelecimento do foco e do objeto desta pesquisa se deu a partir da pergunta: Que significados e sentidos são atribuídos pelos agentes populares, à educação realizada pelas organizações sociais, para a formação pessoal deles e do grupo do qual participam?

4 OS SUJEITOS Os sujeitos dessa pesquisa são os educadores populares matriculados e acompanhados no curso de extensão, que vem sendo realizado em Cuiabá, desde Março de 2006 em parceria com ABHP / PROVIVAS / DTFE / UFMT e alguns membros da Diretoria da Associação, totalizando um universo de aproximadamente 25 pessoas, que possuem no mínimo 5 anos de prática de Educação Popular em Saúde.

5 METODOLOGIA (o caminho proposto e perseguido...) A escolha de um método de pesquisa é também revelador da postura teórico-política do pesquisador; e, demonstra, portanto, sua opção de classe, apesar de não garantir que estamos no caminho certo, afirma Gadotti (2003): »(...) o que nos leva a definir o ponto de vista do caráter da ciência que produzimos é a opção de classe. Mesmo assim, essa opção não oferece nenhuma garantia de que estamos no caminho certo: o pesquisador deverá manter por isso uma crítica e uma autocrítica constante, uma dúvida levada a suspeita, e a humildade, de que tanto nos fala Paulo Freire, para reconhecer cotidianamente as limitações do pensamento e da teoria. (p ) Para a realização dessa pesquisa busco apoio na pesquisa qualitativa a partir da visão de Bogdan e Biklen(1994) uma escolha que também me ajudou na definição de alguns instrumentos necessários à pesquisa, tais como: Análise documental; Grupo focal; Depoimentos; Entrevistas; Observação participante.

6 ALGUMAS CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES Todas estas informações foram/estão sendo registradas e analisadas. Este processo individual e coletivo de busca de informações e de reflexões tem proporcionado grande amadurecimento, especialmente para mim, enquanto educadora popular. Em relação aos sujeitos pude perceber grande dificuldade de registro das experiências, talvez pela falta de costume e incentivo à prática do registro dos trabalhos; pelo imediatismo das ações; pela falta de uma visão crítica acerca de seus atos, apesar das mudanças já ocorridas no processo desde sua inserção nas atividades comunitárias e da Associação... A escolaridade se constitui em mais um fator de obstáculo e/ou justificativa para essa dificuldade de sistematização ( Dos 16 integrantes do curso 25% possuem o terceiro grau; 43,75% possuem o 2º grau completo e 31,25% não concluíram o 1º grau. Acresce a isto a idade dos integrantes, que muitas vezes tem servido, em seus discursos, como obstáculos ou justificativa para as suas dificuldades de leituras e sistematização. Daqueles que possuem o terceiro grau (04) a idade varia entre 40 e 65 anos; dos que possuem o 2º grau ( 07), a idade varia entre 25 e 80 anos e daqueles que possuem o 1º grau incompleto (05) a idade varia entre 40 e 60 anos. Os demais sujeitos integrantes do curso anterior ou da Diretoria da Associação também possuem idades variando entre 35 e 50 anos.

7 Há entre os educadores populares sujeitos dessa pesquisa, certo consenso sobre: a) o papel que exercem na comunidade..; b) o conceito de educação popular, Esse consenso demonstra maturidade do grupo, que parece ter superado a busca individual de aceitação do/no grupo, e estabelecido bases consolidadas entre eles de objetivos e crenças, conforme nos afirma Melucci (1999) os movimentos sociais não correspondem a uma unidade de objetivos a eles atribuídos, mas pautam-se pela construção coletiva de objetivos, crenças, decisões, que se articulam criando um campo sistêmico., O grupo, no entanto, apresenta importantes divergências na forma de compreensão e condução dos trabalhos, que podem ser observadas em afirmações como, Trabalho realizado em favor dos menos favorecidos; Tudo o que fazemos para o povo; e na condução ao atendimento individualizado, não comunitário, algumas vezes fazendo desse atendimento sua fonte de renda, contradizendo a grande maioria do grupo. Sobre os sentidos do conhecimento e reconhecimento, o que pude compreender até agora, é que o conhecimento significativo para esses educadores é aquele que serve para salvar vidas, dar melhor qualidade de vida às pessoas e a elas(eles) mesmos(as); e, para estabelecer novas relações Quem faz o reconhecimento do nosso trabalho não somos nós, é o povo que vai nos procurar. Temos bastante pessoas recomendadas pelos seus médicos. Sentimos que somos reconhecidos pelo valor do nosso trabalho. Aprendemos a trabalhar em comunidade. As pessoas que falam de nós se referem às curas que obtiveram. Para mim não é só o conhecimento que adquiri, mas sim as respostas do povo que nós acompanhamos e tratamos. Além do remédio procuramos orientar para a qualidade de vida. Nosso trabalho é bem familiar e nada formalizado.

8 ESQUEMA PROVISÓRIO PARA A DISSERTAÇÃO CONHECIMENTO E RECONHECIMENTO NA EDUCAÇÃO POPULAR: CASO IPESP/ABHP PARTE I – UM TEMPO PARA OLHAR CAPÍTULO I - Os Movimentos sociais como tempo e espaço do exercício de cidadania e construção de um projeto político. A) alguns aspectos do projeto da modernidade com ênfase no movimento que faz surgir a organização social civil, que dialeticamente, compõe o próprio movimento social; B) o papel da Educação popular como elemento motivador e propulsor do movimento social; C) conhecimento e reconhecimento, como categorias centrais de análise nessa investigação; D) implicações deste processo para a constituição de sujeitos individuais e coletivos do conhecimento popular e sua interface com o sujeito do conhecimento científico. PARTE II - UM TEMPO PARA COMPREENDER CAPÍTULO II – Um olhar contextualizado a partir dos sujeitos da pesquisa A) os sentidos que os atores sociais individuais e coletivos, pesquisados, atribuem aos conhecimentos próprios e coletivamente construídos no processo permanente de educação popular do qual participam; B) as formas metodológicas do aprender/ensinar que estes atores realizam; C) os impactos sociais de seu trabalho; D) o perfil dos sujeitos da pesquisa, destacando, demonstrativamente, a identificação contextualizada de (04) quatro desses sujeitos. SUJEITO A – IDENTIFICANDO SUJEITO E LOCAL DA AÇÃO SUJEITO B– IDENTIFICANDO SUJEITO E LOCAL DA AÇÃO SUJEITO C– IDENTIFICANDO SUJEITO E LOCAL DA AÇÃO SUJEITO D– IDENTIFICANDO SUJEITO E LOCAL DA AÇÃO CAPÍTULO III – Contribuições de uma metodologia de educação popular para a educação política (cidadã). A) a história e metodologia do grupo pesquisado, cotejando-as com as políticas públicas produzidas no setor de saúde pública; B) as contradições, as conquistas e enfrentamentos permanentes que perpassam a luta popular pelo direito irrestrito e universal à saúde. PARTE III – UM TEMPO PARA TRADUZIR CAPÍTULO IV : A metodologia da pesquisa: contribuições e dificuldades. CONSIDERAÇÕES FINAIS FONTES DE REFERÊNCIA

9 Fontes de referências BIKLEN, Sari; BOGDAN, Roberto. Investigação qualitativa em educação. Uma introdução à teoria e aos métodos. Portugal: Porto Editora, BRANDÃO, Carlos Estevão. Educação Popular. 3 ed., São Paulo: Brasiliense, [Primeiros vôos]. BRANDÃO, Carlos Estevão. O que é educação? 31 ed., São Paulo: Brasiliense, [Coleção Primeiros passos; 20]. BRANDÃO, Carlos Estevão. A pergunta a várias mãos. A experiência da pesquisa no trabalho do educador. São Paulo: Cortez, BUEY, Francisco Fernández. Redes que dan Liberdade: Introducción a los nuevos movimientos sociales. Barcelona: Ediciones Paidós Ibérica S/A, FLEURI, Reinaldo. A questão do conhecimento na Educação popular. FLEURI, Reinaldo Matias. Entre o oficial e o alternativo em propostas curriculares: olhares, conexões e problematização a partir da Educação Popular. 23ª Reunião Anual da ANPED. 26/09/00, Caxambu – MG. Acessado em 16 de janeiro de FREIRE, Paulo. Pedagogia da Esperança. São Paulo: Paz e Terra, FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, GONH, Maria da Glória. Teorias dos novos movimentos Sociais: paradigmas clássicos e contemporâneos. São Paulo: Edições Loyola, KENT, James Tyler. Filosofia Homeopática. Buenos Aires/Argentina: Editorial Albatroz, MELUCCI, Alberto. A invenção do presente: movimentos sociais nas sociedades complexas. Petrópolis: Vozes, SCHERER-WARREN, Ilse. Redes e movimentos sociais. 2ª ed. São Paulo: Loyola, SCHERER-WARREN, Ilse. Educação e Diálogo Intercultural. In Revista de Educação Pública. Cuiabá: UFMT, v. 11, n. 19, jan./jun p. 31 – 41. STRECK, Danilo R. Pedagogia no encontro de tempos: ensaios inspirados em Paulo Freire. 01. ed. Petrópolis: Vozes, STRECK, Danilo. A Educação Popular e a Reconstrução do público. Há fogo sobre as brasas? Revista Brasileira de Educação. Campinas, v. 11, n. 32, p , SUNG, Yung Mo. Sujeito e sociedades complexas. Petrópolis: Vozes, VALLA, Victor Vincent. Educação Popular e Saúde: a religiosidade popular como expressão do apoio social. In 20 Anos de Educação Ambiental pós-Tbilisi. Simpósio Brasileiro de Educação Ambiental. Hedy Silva Ramos de VASCONCELLOS e Speranza França da MATA (orgs.). Rio de Janeiro: PUC-RIO / UFRJ, s/d. VALLA,Victor Vincent (org). Saúde, Educação. Rio de Janeiro: PP&A Editora, VALLA,Victor Vincent. A crise de interpretação é nossa: procurando compreender a fala das classes subalternas. In Educação & Sociedade. Porto Alegre v. 21 n. 2; Jul./dez p VALLA,Victor Vincent. Movimentos Sociais, educação popular e intelectuais: entre algumas questões metodológicas. In Intercultura e Movimentos Sociais. Reinaldo Matias FLEURI (org.). Florianópolis: Mover, NUP, p VILELLA, Hugo. La educación popular bajo el orden neoliberal. Amerinda Estúdios Ediciones. Santiago-Chile, Ago/1993. Xerox DOCUMENTOS OFICIAIS DA ABHP Atas de reuniões; Relatórios de atividades; Boletins Informativos ( Dinamizando – O Semelhante); Relatos de experiências, Avaliações, Relatórios de pesquisa; Entrevistas; Fotos; Relatórios da 8ªe 9ª conferências de saúde. Estes últimos ganham relevância nesta pesquisa por se tratar de momentos políticos decisivos na construção da política de saúde nacional, onde diversos movimentos, organizações populares e atores sociais foram determinantes, tanto na proposição desta política, como na garantia da inserção da mesma na constituição brasileira de O Sistema Único de Saúde – SUS, foi uma grande conquista social, da qual educadores populares articulados ao IPESP/ABHP participaram efetivamente, através das conferências, municipais, estaduais e nacionais.


Carregar ppt "FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO PROGRAMA DE PÓS – GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: EDUCAÇÃO, CULTURA E SOCIEDADE LINHA DE PESQUISA:"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google