A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Diabetes Mellitus Monitora: Libina Edriana.  O diabetes é um grupo de doenças metabólicas caracterizadas por hiperglicemia e associadas a complicações,

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Diabetes Mellitus Monitora: Libina Edriana.  O diabetes é um grupo de doenças metabólicas caracterizadas por hiperglicemia e associadas a complicações,"— Transcrição da apresentação:

1 Diabetes Mellitus Monitora: Libina Edriana

2  O diabetes é um grupo de doenças metabólicas caracterizadas por hiperglicemia e associadas a complicações, disfunções e insuficiência de vários órgãos, especialmente olhos, rins, nervos, cérebro, coração e vasos sangüíneos.

3  Destruição das células beta do pâncreas (produtoras de insulina)  Diminuição na produção das células beta  Resistência à ação da insulina  Distúrbios da secreção da insulina  Defeitos genéticos da função das células beta

4  Urinar excessivamente (Poliúria)  Acordar varias vezes a noite para urinar(Noctúria)  Sede excessiva  Aumento do apetite (Polifagia)  Perda de peso – Em pessoas obesas a perda de peso ocorre mesmo estando comendo de maneira excessiva.  Cansaço (Fadiga)  Vista embaçada ou turvação visual  Infecções freqüentes, sendo as mais comuns, as infecções de pele.

5  No Brasil, aproximadamente 6,2 milhões de pessoas acima de 18 anos têm diabetes  O Ministério da Saúde faz um alerta: a doença é considerada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) uma epidemia mundial; e, junto com a hipertensão, é a doença que mais mata no Brasil.

6  Diabetes tipo 1  O termo tipo 1 indica destruição da célula beta que eventualmente leva ao estágio de deficiência absoluta de insulina, quando a administração de insulina é necessária para prevenir cetoacidose, coma e morte.

7  É usado para designar uma deficiência relativa de insulina. A administração de insulina nesses casos, quando efetuada, não visa evitar cetoacidose, mas alcançar controle do quadro hiperglicêmico

8  Idade >45 anos.  Sobrepeso (Índice de Massa Corporal IMC >25).  Obesidade central (cintura abdominal >102 cm para homens e >88 cm para mulheres, medida na altura das cristas ilíacas).  Antecedente familiar (mãe ou pai) de diabetes.  Hipertensão arterial (> 140/90 mmHg).  Colesterol HDL d”35 mg/dL e/ou triglicerídeos e”150 mg/dL.  História de macrossomia ou diabetes gestacional.  Diagnóstico prévio de síndrome de ovários policísticos.  Doença cardiovascular, cerebrovascular ou vascular periférica definida.

9  É a hiperglicemia diagnosticada na gravidez, de intensidade variada, geralmente se resolvendo no período pós- parto, mas retornando anos depois em grande parte dos casos.

10  A insulina é um hormônio sintetizado no pâncreas, que promove a entrada de glicose nas células e também desempenha papel importante no metabolismo de lipídeos e proteínas.  As necessidades diárias de insulina variam de acordo com a idade, rotina diária, padrão alimentar e sobretudo, a presença ou não de alguma secreção residual de insulina pelas células ß pancreáticas.

11  Regular  Também chamada de insulina de ação rápida. Seu início de ação leva de 30 minutos a uma hora, o pico máximo de atividade ocorre de 2 a 3 horas depois e a duração da ação vai de 4 a 6 horas

12  É a insulina de ação intermediária. Inicia sua ação em 30 minutos a uma hora e meia, com pico máximo de ação em 4 a 7 horas, podendo a duração alcançar 14 a 18 horas após a aplicação.

13  Adultos e Crianças  Insulina Regular (terapia de bolus)  0,5 a 1 unidade/kg/dia, por via subcutânea, em doses divididas, 30 minutos, antes das refeições e ao deitar. As doses diárias podem ser acrescidas em 2 a 4 unidades/dia a cada 3 dias, de acordo com a resposta obtida.   Insulina Regular (tratamento de cetoacidose)  0,1 unidade/kg, em injeção intravenosa, seguida de 0,1 unidade/kg/hora, em infusão intravenosa contínua. A redução ideal da glicemia é de 80 a 100 mg/dL/hora. 

14  Insulina Regular (em bomba de infusão contínua)  Fornecem uma taxa basal de insulina durante todo o dia e doses suplementares (bolus) pré-prandiais.   Insulina NPH (tratamento de manutenção)  0,3 a 1,5 U/kg/dia, por via subcutânea, 1 a 2 vezes ao dia, pela manhã e à noite. Ajustes de 2 a 4 U por dia podem ser feitos, após 2 a 3 dias de observação. Ao alcançar dose de 40 U/dia, é prudente dividi-la em duas injeções diárias. 

15

16  Glicemia de jejum: nível de glicose sangüínea após um jejum de 8 a 12 horas;  Teste oral de tolerância à glicose (TTG-75g): O paciente recebe uma carga de 75 g de glicose, em jejum, e a glicemia é medida antes e 120 minutos após a ingestão;  Glicemia casual: tomada sem padronização do tempo desde a última refeição.

17  Cadernos de Atenção Básica - n.º 16 Série A. Normas e Manuais Técnicos do ano de 2006  MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica.

18 “O que se opõe ao descuido e ao descaso é o cuidado”. Cuidar é mais que um ato; é uma atitude. Portanto abrange mais que um momento de atenção, de zelo e desvelo. “Representa uma atitude de ocupação, preocupação de responsabilização e envolvimento afetivo com o outro.” Leonardo Boff Obrigado !!!


Carregar ppt "Diabetes Mellitus Monitora: Libina Edriana.  O diabetes é um grupo de doenças metabólicas caracterizadas por hiperglicemia e associadas a complicações,"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google