A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

A GUERRA DO PARAGUAI. Causa: Havia no Uruguai 2 partidos, o Blanco (simpático à Argentina) e o Colorado (simpático ao Brasil), que vez por outra solicitavam.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "A GUERRA DO PARAGUAI. Causa: Havia no Uruguai 2 partidos, o Blanco (simpático à Argentina) e o Colorado (simpático ao Brasil), que vez por outra solicitavam."— Transcrição da apresentação:

1 A GUERRA DO PARAGUAI

2 Causa: Havia no Uruguai 2 partidos, o Blanco (simpático à Argentina) e o Colorado (simpático ao Brasil), que vez por outra solicitavam auxílios aos seus simpatizantes. Quando o Brasil apoiou Flores (colorado) em uma luta contra o governo de Aguirre (Uruguai), este sem encontrar em Buenos Aires o auxílio que necessitava, recorreu a Lopez (Paraguai). A recusa do Imperador (Brasil) à oferta de mediação do Paraguai levou a decisão de atacar o Brasil.

3 A Tríplice Aliança A Tríplice Aliança Brasil, Argentina e Uruguai Nesse tratado comandava o Exército Aliado o General residente no país do território das ações. Decorridos um ano e meio do início das hostilidades, os aliados invadem o Paraguai no Passo da Pátria.

4 Primeiras ações A iniciativa das ações coube a Osório, que invade o solo paraguaio. A Esquadra aliada não desembarcou no Passo da Pátria onde os paraguaios aguardavam, e sim na margem esquerda do Rio Paraguai, sem resistência. Diante das iniciativas das ações pelos aliados, Lopez terá uma atitude defensiva. Após o desembarque, quem comanda a tropa é o General Osório. A Esquadra tinha no Comando Tamandaré. O plano estratégico será seguir ao longo do Rio Paraguai enfrentando as fortalezas com a Esquadra acompanhando o Exército, que avançará por terra. Porém esta estratégia não decidiria a guerra.

5 Batalha do Tuiuti Sob o comando de Mitre os paraguaios foram vencidos. Foi a principal batalha do Exército e a maior batalha campal já travada na América do Sul (24/05/1866). Continua o avanço dos aliados para o norte onde encontrarão Curuzu, Curupaiti e Humaitá.

6 Os navios usados em Riachuelo já não serviam mais, tal o poderio das fortalezas. Mas chegaram navios novos, inclusive encouraçado (Barroso). Um Exército comandado pelo General Conde de Porto Alegre tomou Curuzu. Esta vitória levou Mitre a atacar Curupaiti com 2 corpos de exército, um argentino e um do Brasil. O Paraguai saiu vitorioso e houve uma perda de 5000 homens aliados.

7 Mitre culpa a Esquadra e Inhaúma reclama que Mitre não estava em uma posição frontal. A guerra fica estagnada. Os paraguaios não aproveitam esse momento. Surge então o General Luiz Alves de Lima e Silva, o Marquês de Caxias. Em fevereiro de 1867 Caxias resolve atacar Humaitá pelo flanco e não frontalmente. Porém isto não ocorre e Mitre reassume o comando. Volta então a estagnação.

8 Apesar das correntes que transpunham o rio (fixadas em flutuantes), a Esquadra atravessou Humaitá para se juntar ao Exército. Porém os paraguaios perceberam que seriam envolvidos e evacuaram a fortaleza, deixando os aliados no vazio (fev/1868). Com a conquista de Humaitá, Curupaiti também caiu e a 05/jan/1869 o Exército chega a Assunção.

9 Humaitá marca um ponto de inflexão uma vez que a partir daí o paraguaio deixa de ser o mais forte. Em Piquissiri, 2ª grande manobra, nossas forças já são maiores. Humaitá passa a ser a nova base de operações e a utilização da Esquadra no Rio Paraguai, para apoio da subida do Exército em direção ao norte, foi fundamental. Piquissiri – Excelente posição defensiva escolhida por Lopez, que represa o arroio e impõe dificuldades extras ao inimigo (alaga o terreno conseqüentemente).

10 Piquissiri, ao contrário de Humaitá e Curupaiti, não pode ser envolvida para ataque, uma vez que para tal, seria necessário o contorno da Lagoa Ipoá. As forças aliadas foram se concentrando em Palmas e houve nessa época várias incursões que Caxias (agora no comando) fazia para manter o inimigo ocupado (a bibliografia do Paraguai revela que nessas ocasiões seu exército debelava o inimigo). Dessa forma Caxias conheceu a manobra de envolvimento pela outra margem do rio. Isso torna essa manobra interessante, pois conjugadas Marinha e Exército, ela é anfíbia, e foi realizada com uma rapidez muito grande para a época.

11 A Esquadra embarca a artilharia e a infantaria e as transporta da margem direita do rio, em um ponto a norte de Angustura, e as desembarca no Porto Santo Antônio (norte de Piquissiri), à margem esquerda do rio. Enquanto isso, a cavalaria seguirá por terra até um ponto em frente a Santo Antônio, e depois seria transportada para a outra margem. Isso levou menos de 4 dias. O paraguaio teve uma surpresa estratégica, pois imaginara vir do sul o ataque, mas ele veio pelo norte em sua retaguarda.

12 No movimento de descida das tropas ocorre o combate de Itororó. Lopez envia 1000 homens sob o comando do General Cabalero mas o exército brasileiro (aliado) sob o comando de Caxias (19000 homens) acaba transpondo a ponte. Sigam-me os que forem brasileiros proferiu Caxias antes de sua 7ª investida contra a ponte.

13 Batalha de Avaí - Mais ao sul, ocorre a Batalha de Avaí, onde aliados lutam contra 6000 paraguaios. Foi uma carnificina. Batalha de Lomas Valentinas - Por último vem a Batalha de Lomas Valentinas, de maior duração, 6 dias. Lopez emprega toda sua força, mas foi inferior à do exército aliado.

14 Conseqüências da Guerra Para o Paraguai 1) o País teve o seu território mutilado e assaz devastado e grande parte de sua população, principalmente a masculina, morta; 2) queda da tirania de López; 3) definição das fronteiras paraguaias com o Brasil e a Argentina, e a livre navegação no rio Paraguai; 4) derrocada econômica do País.

15 Para a Argentina 1) foi o Aliado que obteve as maiores vantagens econômicas. Muitos comerciantes - fornecedores civis - tiveram excelentes lucros com a venda de produtos para os Exércitos (fardamentos, víveres, bois, cavalos, forragem, etc); 2) resolução de questões de limites com o Paraguai. 3) posse definitiva da ilha de Martin Garcia.

16 Para o Uruguai 1) apesar de ter sido o principal estopim da guerra, pouco se envolveu na campanha militar (suas perdas foram pequenas em pessoal e material); 2) o País permaneceu como um Estado- tampão entre Brasil e Argentina, mantida a sua independência.

17 Para o Brasil 1) resolução de questões de limites com o Paraguai; 2) resolução do problema da livre navegação dos rios da bacia do Prata, em especial quanto ao rio Paraguai; 3) consolidação de sua política externa, de não permitir a reconstituição do Vice-Reinado do Prata; 4) maior atenção dispensada às ligações com a província de Mato Grosso, asseguradas com a livre navegação pelo rio Paraguai e a então recente utilização dos navios a vapor;

18 5) expansão das idéias republicanas, em face da influência das repúblicas aliadas, e intensificação da campanha pela abolição da escravatura, motivada pela significativa participação na guerra, de ex-escravos alforriados; 6) grande endividamento externo, mercê de vultosos empréstimos feitos antes e durante o conflito; 7) as Forças Armadas adquirem considerável prestígio pela vitória obtida e têm o seu moral altamente robustecido, despontando as suas mais caras tradições e místicas, hoje refletidas, por exemplo, nas denominações históricas de várias Organizações Militares do Exército e da Marinha.


Carregar ppt "A GUERRA DO PARAGUAI. Causa: Havia no Uruguai 2 partidos, o Blanco (simpático à Argentina) e o Colorado (simpático ao Brasil), que vez por outra solicitavam."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google