A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

TEORIA DA COMUNICAÇÃO A importância da comunicação é tal que se pode considerar que é o sangue que dá vida à organização.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "TEORIA DA COMUNICAÇÃO A importância da comunicação é tal que se pode considerar que é o sangue que dá vida à organização."— Transcrição da apresentação:

1

2 TEORIA DA COMUNICAÇÃO A importância da comunicação é tal que se pode considerar que é o sangue que dá vida à organização.

3

4 TEORIA DA COMUNICAÇÃO ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO

5 TEORIA DA COMUNICAÇÃO Dado que os indivíduos gastam 70% do seu tempo comunicando – escrevendo, lendo,falando,ouvindo – parece razoável concluir que uma das forças mais inibidoras do desempenho bem sucedido dos grupos é a ausência de comunicação eficaz. Robbins (1991: 316)

6 TEORIA DA COMUNICAÇÃO Ao longo da história, o homem foi aperfeiçoando, ou refinando símbolos, linguagens, códigos, tecendo uma complexa teia comunicacional, reflexo das diferentes vivências e culturas que formam a essência da civilização.

7 TEORIA DA COMUNICAÇÃO

8 TEORIA DA COMUNICAÇÃO ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO A mensagem constitui o núcleo da comunicação, que é transmitida por um canal adequado… A tecnologia permite hoje uma variedade de alternativas, que no entanto, se desadequadas, nem sempre cumprem o fim ou o contexto pretendidos.

9 TEORIA DA COMUNICAÇÃO: MITOS E REALIDADES DA COMUNICAÇÃO Que controlamos a nossa comunicação!!!!!! Que as palavras têm o mesmo significado para nós e os nossos ouvintes!!!!!!

10 TEORIA DA COMUNICAÇÃO: MITOS E REALIDADES DA COMUNICAÇÃO Comunicamos, principalmente, através de palavras! A Comunicação é uma actividade de sentido único!

11 TEORIA DA COMUNICAÇÃO: MITOS E REALIDADES DA COMUNICAÇÃO A Mensagem que enviamos é idêntica à mensagem recebida pelo ouvinte!!!!!! A Informação que proporcionamos às pessoas nunca é excessiva!!!!!!

12 TEORIA DA COMUNICAÇÃO: A COMUNICAÇÃO COMO ACTIVO CRIATIVO As palavras são a droga mais poderosa usada pelo Homem R. Kiplling

13 TEORIA DA COMUNICAÇÃO: A COMUNICAÇÃO COMO ACTIVO CRIATIVO

14 TEORIA DA COMUNICAÇÃO: ÁREAS DA INFORMAÇÃO QUE INFLUENCIAM A COMUNICAÇÃO A comunicação flui de pessoa para pessoa, frente a frente ou em grupo… Donnelly,Gibson,Ivancevich

15 TEORIA DA COMUNICAÇÃO: ÁREAS DA INFORMAÇÃO QUE INFLUENCIAM A COMUNICAÇÃO

16 Comunicações interpessoais ARENA É a expressão que se atribui a área da compreensão mútua. TEORIA DA COMUNICAÇÃO: ÁREAS DA INFORMAÇÃO QUE INFLUENCIAM A COMUNICAÇÃO

17 Comunicações interpessoais PONTO CEGO É o ponto em que os outros conhecem a informação relevante mas não o próprio.

18 TEORIA DA COMUNICAÇÃO: ÁREAS DA INFORMAÇÃO QUE INFLUENCIAM A COMUNICAÇÃO Comunicações interpessoais FACHADA É o inverso do ponto cego, aqui a informação é conhecida pelo próprio, (um emissor) mas desconhecida dos outros.

19 TEORIA DA COMUNICAÇÃO: ÁREAS DA INFORMAÇÃO QUE INFLUENCIAM A COMUNICAÇÃO Comunicações interpessoais D ESCONHECIDA É a área em que ambos os emissores e igualmente os receptores não conhecem a informação relevante para o relacionamento.

20 TEORIA DA COMUNICAÇÃO: ÁREAS DA INFORMAÇÃO QUE INFLUENCIAM A COMUNICAÇÃO Comunicações interpessoais : Uma pessoa pode melhorar as suas comunicações interpessoais, utilizando duas estratégias – exposição e retroinformação Donnelly, Gibson, Ivancevich

21 TEORIA DA COMUNICAÇÃO: ÁREAS DA INFORMAÇÃO QUE INFLUENCIAM A COMUNICAÇÃO EXPOSIÇÃO: Quando uma pessoa é honesta consigo mesma e com os outros (tira a capa/fachada) expõe-se, tornando-se vulnerável se necessário, com vista a obter uma comunicação autêntica e válida.

22 TEORIA DA COMUNICAÇÃO: ÁREAS DA INFORMAÇÃO QUE INFLUENCIAM A COMUNICAÇÃO RETROINFORMAÇÃO: Se o interlocutor desconhece ou não entende o que lhe transmitiram, pode ser desenvolvida uma comunicação eficaz através da retroinformação dos que possuem conhecimentos.

23 TEORIA DA COMUNICAÇÃO LEIS DA COMUNICAÇÃO Lei do Emissor A mesma mensagem, com o mesmo conteúdo e o mesmo meio, terá diversos efeitos que dependem do modo como o emissor a emite.

24 TEORIA DA COMUNICAÇÃO LEIS DA COMUNICAÇÃO Lei da Congruência O emissor deve ter sempre em atenção a mensagem que pretende transmitir e o canal/meio a usar para abeirar-se do que pretende atingir.

25 TEORIA DA COMUNICAÇÃO LEIS DA COMUNICAÇÃO Lei do Receptor Quanto maior o número de receptores e a sua diversidade, maior a dificuldade de comunicação.

26 TEORIA DA COMUNICAÇÃO LEIS DA COMUNICAÇÃO Lei da Repetição Quanto mais se repetir uma mensagem, maior a possibilidade de ser compreendida e memorizada.

27 TEORIA DA COMUNICAÇÃO LEIS DA COMUNICAÇÃO Lei da Distorção Alguém conta algo a alguém que conta a outro e assim sucessivamente, o que leva a mensagem original se vá perdendo pelo caminho entre os vários emissores/receptores.

28 TEORIA DA COMUNICAÇÃO LEIS DA COMUNICAÇÃO Efeito Boomerang Uma mensagem que não seja bem recebida pelos receptores pode causar um efeito de recusa.

29 TEORIA DA COMUNICAÇÃO LEIS DA COMUNICAÇÃO Efeitos Diferenciais da Ordem da Mensagem Dois efeitos, contraditórios aparentemente, comportam diferentes comportamentos. Efeito X e Efeito Y :

30 TEORIA DA COMUNICAÇÃO EFEITO X O efeito demonstra o desinteresse dos receptores em relação ao assunto e acabam por recordar apenas a mensagem mais recente.

31 TEORIA DA COMUNICAÇÃO EFEITO Y O efeito demonstra o inverso, pois logo no início a mensagem desperta o interesse dos receptores, o tema estimula a sua atenção.

32 TEORIA DA COMUNICAÇÃO LEIS DA COMUNICAÇÃO Lei do Diferencial de Percepções. Um bom comunicador é o que sabe falar, mas também, é sobretudo, o que sabe ouvir. Anónimo O receptor tem relativamente ao emissor um alcance de percepção cinco vezes superior.

33 TEORIA DA COMUNICAÇÃO LEIS DA COMUNICAÇÃO O Feedback A comunicação só tem um sentido quando o receptor não remete informação de retorno ao emissor Arménio Rego

34 TEORIA DA COMUNICAÇÃO BARREIRAS DA COMUNICAÇÃO: Comunicar não é, simplesmente, dizer o que se pretende transmitir. O modo como se dizem as coisas é crucial, e difere de uma pessoa para outra, pois a linguagem usada é um comportamento social apreendido: o que dizemos e ouvimos é profundamente influenciado pela experiência cultural de cada um Tannen (1995: 138)

35 TEORIA DA COMUNICAÇÃO BARREIRAS À COMUNICAÇÃO: Compreender os modos através dos quais a comunicação se processa, assim como os obstáculos que podem ocorrer. Ouvir o que esperamos ouvir Desta vez, você fez um bom trabalho As experiências vividas no passado influenciam as percepções que das pessoas têm. Arménio R.

36 TEORIA DA COMUNICAÇÃO BARREIRAS DA COMUNICAÇÃO: Desconsideração das informações que entram em conflito com o que sabemos. Percepção selectiva: Uma informação Que entra em conflito Com uma convicção, nossa, Mesmo verdadeira, tentamos desvalorizá-la.

37 TEORIA DA COMUNICAÇÃO BARREIRAS DA COMUNICAÇÃO: Avaliação da Fonte Quando alguém comunica algo a interpretação que fazemos da mensagem é influenciada pela avaliação que fazemos dessa pessoa Arménio Rego

38 TEORIA DA COMUNICAÇÃO BARREIRAS DA COMUNICAÇÃO: Pressões Sociais Qualquer percepção das coisas, tem para nós o peso do ambiente social em que estamos inseridos.

39 TEORIA DA COMUNICAÇÃO BARREIRAS DA COMUNICAÇÃO: Efeito emoções Qualquer que seja a emoção que nos domina quando comunicamos, acaba sempre por influenciar no modo como o fazemos.

40 TEORIA DA COMUNICAÇÃO BARREIRAS DA COMUNICAÇÃO: Problemas semânticos Uma palavra, como por exemplo aluguer pode ter diferentes interpretações que depende da pessoa que as ouve.

41 TEORIA DA COMUNICAÇÃO BARREIRAS DA COMUNICAÇÃO: Ruído É tudo que aquilo que interfere na transmissão ou recepção de uma mensagem. Arménio Rego

42 TEORIA DA COMUNICAÇÃO BARREIRAS DA COMUNICAÇÃO: Excesso de informação - Quando se fala demasiado depressa. - Quando depende de um tempo excessivo a discursar, causando cansaço.

43 TEORIA DA COMUNICAÇÃO BARREIRAS DA COMUNICAÇÃO: Diferenças inter-culturais De: - Regiões diferentes - Raças diferentes - Religiões diferentes - Sexo diferente - Nível sócio-económico diferente

44 TEORIA DA COMUNICAÇÃO BARREIRAS DA COMUNICAÇÃO: Distância física A distância física tem um efeito óbvio na comunicação Arménio Rego A comunicação frente-a-frente dá maior oportunidade de feedback.

45 TEORIA DA COMUNICAÇÃO BARREIRAS DA COMUNICAÇÃO: O timing Existe um timing certo para emitir uma mensagem, por vezes tarde de mais ou cedo demais, pode incorrer no mesmo erro e perde o efeito pretendido.

46 TEORIA DA COMUNICAÇÃO BARREIRAS DA COMUNICAÇÕES: … os contactos internacionais das empresas são cada vez mais intensos e numerosos. Se não estivermos preparados para compreender as diferenças, incorremos no risco de interpretar erradamente as palavras e comportamentos dos nossos interlocutores; e de, nós próprios, sermos erradamente interpretados! Comunicações nas Organizações, pág. 63

47 A Comunicação nas Organizações Um conhecimento de bordo tem tanta individualidade, E uma assinatura de comandante de navio é tão bela e moderna! Rigor comercial do principio e do fim das cartas: Dear Sirs – Messieurs – Amigos e Srs., Yours faithfully - … nos salutation empressées... Tudo isto não é só humano e limpo, mas também belo, E tem ao fim um destino marítimo, um vapor onde embarquem As mercadorias de que as cartas e as facturas tratam. Álvaro de Campos, in Ode Maritima

48 A Comunicação nas Organizações A comunicação torna possível a existência de sociedades humanas em todos os seus aspectos: sociais, políticos, económicos. Como tal, as organizações e as empresas não existem sem comunicar.

49 A Comunicação nas Organizações Um ambiente humano caracterizado por pessoas com elevados níveis de especialização e de acesso à informação, traduz-se em necessárias adaptações nos métodos de direcção que passam por considerar o trabalhador como sujeito empresarial, em detrimento da sua tradicional consideração como factor de produção em sentido estrito.

50 A Comunicação nas Organizações

51

52 O processo administrativo é constituído na maior parte por comunicação. As actividades de planeamento, organização, gestão de grupos e delegação de tarefas, treino, liderança, motivação, controlo, são efectuadas por várias formas de comunicar.

53 A Comunicação nas Organizações A gestão da informação, os processos de comunicação e a partilha do que é comum são, na actualidade, preocupações centrais no processo de gestão e ferramentas valiosas cujos elementos devem ser considerados no planeamento, na organização, na direcção e controlo das organizações.

54 A Comunicação nas Organizações A comunicação interna é um factor relevante para mobilizar os colaboradores de uma organização no sentido do reforço da sua identidade organizacional.

55 A Comunicação nas Organizações FLUXOS DE COMUNICAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES As várias funções da comunicação interna podem-se agrupar em duas áreas: A comunicação operacional essencial ao desempenho da função e funcionamento da empresa A comunicação informativa e motivadora relacionada com o sistema de produção, a empresa e os seus objectivos, o meio onde se insere e a organização interna.

56 A Comunicação nas Organizações FLUXOS DE COMUNICAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES A configuração de uma organização deve permitir a comunicação em quatro direcções distintas.

57 A Comunicação nas Organizações FLUXOS DE COMUNICAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES Comunicação descendente flui hierarquicamente do topo para a base, principalmente para transmitir instruções de trabalho, descrição das funções, politicas de organização, procedimentos e práticas, retroinformação dos desempenhos, objectivos e doutrinação.

58 A Comunicação nas Organizações FLUXOS DE COMUNICAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES A comunicação ascendente, da base para o topo, permite feedback da comunicação descendente, permitindo avaliar a sua efectividade, é um auxílio para a direcção conhecer todos os assuntos e problemas da organização e assim poder corrigir, resolver situações de entropia e definir objectivos mais adequados à realidade.

59 A Comunicação nas Organizações FLUXOS DE COMUNICAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES A comunicação horizontal ou lateral, ocorre informalmente entre pares, pessoas consideradas iguais na hierarquia, é essencial para facilitar a coordenação de tarefas, a cooperação e proporcionar um bom ambiente de trabalho e entreajuda.

60 A Comunicação nas Organizações FLUXOS DE COMUNICAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES A comunicação diagonal ocorre entre diferentes departamentos, de uma forma que permita aceder a determinada informação de uma forma breve e fácil, auxiliando assim a coordenação e cooperação entre diferentes equipas, departamentos ou secções.

61 A Comunicação nas Organizações A COMUNICAÇÃO EXTERNA Comunicação Verbal Comunicação Não Verbal

62 A Comunicação nas Organizações A COMUNICAÇÃO ORAL Face a Face Telefone Discurso Reuniões Seminários Encontros Apresentações Formais Hotlines

63 A Comunicação nas Organizações A COMUNICAÇÃO ESCRITA Duradoura Permite Registo Mensagens Longas (Relatórios e Análises) Ausência do Receptor

64 A Comunicação nas Organizações A LINGUAGEM CORPORAL Ambiente Posição do Corpo Postura Gestos das Mãos Expressões e Movimentos Faciais Vestuário, Adorno e Aparência Reflexão

65 A Comunicação nas Organizações FORMALIDADES DA COMUNICAÇÃO

66 A Comunicação nas Organizações COMUNICAÇÃO FORMAL Comunicação em Roda Rede Y Comunicação em Cadeia Comunicação em Círculo Interligação Total

67 A Comunicação nas Organizações COMUNICAÇÃO INFORMAL

68 A Comunicação nas Organizações MEIOS DE ENVIAR MENSAGENS Boletins Jornais Reuniões Memorandos Escritos Correio Electrónico Quadros de Aviso

69 A Comunicação nas Organizações ELEMENTOS DE TRANSMISSÃO DA MENSAGEM EFICIENTE Comunicação Assertiva Canal Múltiplo Comunicação Bidireccional Diferenças Culturais Diferenças de Género

70 A Comunicação nas Organizações ELEMENTOS DE TRANSMISSÃO DA MENSAGEM EFICIENTE Controlo Motivação Informação Expressão Emocional

71 PUBLICIDADE E MARKETING Ser copywriter é uma actividade engraçada pelo lado da invenção de slogans, por exemplo. Só é chata quando o cliente não percebe as intenções e acha que tudo está mal. O jeito para o jogo de palavras, trocadilhos, etc., vive comigo há muito tempo e tem-me prejudicado razoavelmente na poesia, embora agora esteja melhorzinho. Eu descobri a publicidade através do cinema publicitário. Propus uma vez a alguém (por brincadeira, claro) que oferecesse um slogan ao Metropolitano de Lisboa. O slogan era: Vá de metro, Satanás! Esta brincadeira ia-me custando o emprego. Mas também fiz um a sério, que foi muito conhecido e ainda hoje é usado (que pena não o ter registado!): Há mar e mar!/ Há ir e voltar. Alexandre O'Neill, Entrevista a Laurinda Bom, Passo tudo pela refinadora, Notícias Editorial, 2003

72 PUBLICIDADE E MARKETING A História da Gelatina O principal problema residia no facto de os consumidores não entenderem o produto ou o que podiam fazer com ele Revista Executiv Digest, Dezembro 2009, artigo escrito por Chris Anderson

73 A Comunicação Externa: PUBLICIDADE E MARKETING Com a evolução da economia a partir do século XIX potenciada pela Revolução Industrial, a propagando cresceu.

74 A Comunicação Externa: PUBLICIDADE E MARKETING Hoje, a publicidade, uma das armas do marketing, sedutora e indutora do consumo, utiliza todos os canais possíveis para chegar junto do público.

75 A Comunicação Externa: OS VÁRIOS CANAIS DE TRANSMISSÃO DA MENSAGEM Os Media tornaram-se canais privilegiados de transmissão da mensagem através dos meios audiovisuais ao seu dispor, com sintonia perfeita entre grafismo, audio-scripto-visual, som, imagem, escrita.

76 A Comunicação Externa: OS VÁRIOS CANAIS DE TRANSMISSÃO DA MENSAGEM Rádio Meio íntimo e personalizado

77 A Comunicação Externa: OS VÁRIOS CANAIS DE TRANSMISSÃO DA MENSAGEM Imprensa Carácter nacional, regional e local

78 A Comunicação Externa: OS VÁRIOS CANAIS DE TRANSMISSÃO DA MENSAGEM Televisão Meio audiovisual por excelência

79 A Comunicação Externa: OS VÁRIOS CANAIS DE TRANSMISSÃO DA MENSAGEM Cinema meio de comunicação massivo

80 A Comunicação Externa: OS VÁRIOS CANAIS DE TRANSMISSÃO DA MENSAGEM Web Marketing e Publicidade Online instrumento que possibilita tornar um site conhecido, porque permite criar e executar uma tarefa que faça chegar a mensagem às pessoas certas.

81 A Comunicação Externa: MARKETING, O QUE É? Os empresários não podem ficar à espera que os clientes lhes entrem pela porta dentro.

82 A Comunicação Externa: MARKETING, O QUE É? O marketing deve ser encarado como uma tarefa de alta prioridade, tanto por grandes como por pequenas empresas.

83 A Comunicação Externa: MARKETING, O QUE É? Qualquer empregado da empresa, se não estiver a pensar no cliente, não está a pensar.

84 A Comunicação Externa: MARKETING, O QUE É? O sucesso ou insucesso de uma empresa não depende dela própria mas sim do seu público.

85 A Comunicação Externa: MARKETING, O QUE É? As empresas devem incorporar nas suas práticas de gestão alguns objectivos.

86 A Comunicação Externa: MARKETING, O QUE É? «1º - Identificar o alvo de mercado – tipo de clientes para os quais entende canalizar preferencialmente os seus produtos;

87 A Comunicação Externa: MARKETING, O QUE É? 2º - Garantir uma oferta permanente de produtos ou serviços que correspondam, em termos de qualidade e preço, ao interesse dos clientes-alvo;

88 A Comunicação Externa: MARKETING, O QUE É? 3º - Identificar as potenciais alterações no mercado que possam afectar o negócio;

89 A Comunicação Externa: MARKETING, O QUE É? 4º - Coordenar todas as funções e actividades, de forma integrada, de modo a responder atempadamente aos requisitos de mercado.» Revista DIRIGIR, nº 101, Jan. Fev. Mar. 2008, pág. 9

90 A Comunicação Externa: MARKETING, O QUE É? O técnico de publicidade deve apostar na comunicação interactiva e participativa em todas as áreas e criar estratégias para activar a necessidade de compra pelo público.

91 A Comunicação Externa: MARKETING, O QUE É? com a consciência de que os recursos financeiros por parte dos clientes não são ilimitados e que toda a escolha efectuada implica a renúncia de outra compra qualquer.

92 A Comunicação Externa: MARKETING ESTRATÉGICO O Marketing Estratégico consiste na formação de uma visão sistémica da entidade no mercado onde esta actua; o delineamento da segmentação e do posicionamento da entidade são peças-chave no sucesso deste processo. Simões, Maria Manuel; Antunes, Marisa; Cunha, João; Marques, Acílio; Lopes, Carlos; Beirão, Inácio; Marketing e Comunicação Política, Edições Sílabo, 1ª Edição, 2009

93 A Comunicação Externa: MARKETING ESTRATÉGICO Os mercados não perdoam e a capacidade de mudar transformou-se numa vantagem, face à concorrência.

94 A Comunicação Externa: MARKETING ESTRATÉGICO O desenvolvimento do negócio é o principal objectivo de uma estratégia de marketing

95 A Comunicação Externa: MARKETING ESTRATÉGICO É necessário analisar o meio envolvente, para fundamentar as opções de marketing.

96 A Comunicação Externa: MARKETING ESTRATÉGICO O Plano de Marketing estrutura os objectivos que devem ser atingidos pela empresa.

97 A Comunicação Externa: MARKETING MIX Podemos definir o Marketing Mix como um conjunto de interesses das organizações composto por:

98 A Comunicação Externa: MARKETING MIX Do Marketing Mix faz parte a publicidade. Orientada essencialmente para a promoção e venda do produto, adequa permanentemente os novos meios de comunicar às exigências do mercado.

99 A Comunicação Externa: MARKETING MIX O Branding é uma estratégia fundamentada desde a definição da missão.

100 A Comunicação Externa: AS NOVAS TENDÊNCIAS DO MARKETING O mercado não é estático e o tempo dos fornecedores certos e dos clientes habituais já não existe neste mundo global.

101 A Comunicação Externa: AS NOVAS TENDÊNCIAS DO MARKETING A evolução dos consumidores, mais bem informados e mais cultos, com expectativas cada vez mais elevadas, leva as empresas a explorarem todas as facetas dos mercados.

102 A Comunicação Externa: AS NOVAS TENDÊNCIAS DO MARKETING Apesar dos contributos em matéria de inovação por parte dos consumidores, grande parte das empresas continua a ignorar e a prestar pouca atenção à criatividade amadora e consideram-na um fenómeno marginal a que resistem.

103 A Comunicação Externa: AS NOVAS TENDÊNCIAS DO MARKETING No entanto, o facto de os consumidores utilizarem a Rede, tornando-os em prosumidores (termo que descreve o modo como a distancia entre produtores e consumidores se está a desvanecer), faz desta actividade uma realidade cada vez menos marginal.

104 A Comunicação Externa: AS NOVAS TENDÊNCIAS DO MARKETING O faça você mesmo, entusiasma e motiva os prosumidores a participarem no nascimento de um produto, a modificá-lo, a fazer algo único; a recompensa é o reconhecimento e o prestígio social que isso representa.

105 A Comunicação Externa: MARKETING RELACIONAL O Marketing Relacional centra-se na construção de relações estáveis e duradouras com os clientes

106 A Comunicação Externa: MARKETING RELACIONAL O cliente ficará satisfeito quando recebe do seu fornecedor o que esperava, e ficará insatisfeito quando aquilo que recebe é inferior às suas expectativas.

107 A Comunicação Externa: MARKETING RELACIONAL O feedback do cliente, além de permitir às empresas saber sobre as suas exigências e necessidades, assegura que estas sejam satisfeitas: existe compromisso entre as partes.

108 A Comunicação Externa: MARKETING SOCIAL O marketing social, utilizando técnicas de marketing, tem como objectivo a mudança de comportamentos da sociedade para o bem social.

109 A Comunicação Externa: MARKETING SOCIAL Esta forma de projectar a imagem utilizando técnicas de marketing cria uma mais-valia entre a empresa e a sociedade, até porque cada vez mais os consumidores estão atentos aos comportamentos das organizações e à forma como estes influenciam a vida de todos quantos dela dependem ou nela têm interesse.

110 A Comunicação Externa: MARKETING SOCIAL «Desta forma, no mundo actual as marcas deverão ser utilizadas como modelos referenciais de um papel social pró-activo…

111 A Comunicação Externa: MARKETING SOCIAL …Uma empresa não poderá comprometer a confiança que a sociedade lhe depositou, comprando os seus produtos e serviços, e esperar sair ilesa.»

112 A Comunicação Externa: MARKETING AMBIENTAL O Marketing Ambiental é uma ferramenta que possibilita às empresas uma nova abordagem apostada na diferenciação.

113 A Comunicação Externa: MARKETING AMBIENTAL «A necessidade de encontrar uma estratégia para a preservação ambiental passa, a pouco e pouco, a integrar a gestão de empresas.» htm

114 A Comunicação Externa: MARKETING AMBIENTAL As boas práticas ambientais tornaram-se símbolo de qualidade: os selos verdes ou eco-selos, que muitos países já introduziram, atestam a qualidade dos produtos e as preocupações ambientais tidas no decorrer dos processos e representam para os consumidores uma possibilidade esclarecida de escolha.

115 A Comunicação Externa: MARKETING DIGITAL O Marketing Digital é, acima de tudo, um desafio diferente potenciador de oportunidades de negócio a nível global, com tácticas que possibilitam alcançar objectivos através de um canal diferente: a WEB

116 A Comunicação Externa: MARKETING DIGITAL As vantagens da internet no contacto directo com os consumidores são muitas.

117 A Comunicação Externa: MARKETING DIGITAL O é um meio privilegiado de contacto das empresas com os seus públicos, proporcionando um relacionamento estável one-to- one.

118 A Comunicação Externa: MARKETING DIGITAL «Quando usado de forma correcta, o marketing por pode tornar-se no seu mais valioso e rentável trunfo para construir uma relação não só para o momento, mas para o futuro»

119 A Comunicação Externa: MARKETING DIGITAL Em 2001, surgiu uma nova técnica chamada Marketing Viral, que utiliza este meio na expectativa de quem recebe os s os reenvie para os seus contactos e assim sucessivamente.

120 A Comunicação Externa: MARKETING DIGITAL Com a internet assiste-se à virtualização das actividades humanas através da implementação crescente dos sistemas de informação…

121 A Comunicação Externa: MARKETING DIGITAL … porque proporciona um nível de interactividade que os consumidores exigem e que nenhum outro meio consegue proporcionar.

122 A Comunicação Externa: MARKETING DIGITAL As empresas percebem que o recurso às novas ferramentas que facilitam a comunicação e permitem um contacto rápido e directo com os seus públicos é factor chave no seu desenvolvimento.

123 Desenvolvimento Social Promoção da Cultura Desporto Lazer Linhas de orientação

124 Atitude Positiva Ser a Brincar Cine Fórum Teatro na Cidade Literatura Desporto Indoor ( Xadrez, Magic ) Desporto Outdoor ( BTT, Orientação, Passeios Pedestres, etc. ) Actividades

125

126

127


Carregar ppt "TEORIA DA COMUNICAÇÃO A importância da comunicação é tal que se pode considerar que é o sangue que dá vida à organização."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google