A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Prof. Edson-20121 DISCIPLINA SISTEMAS DE GERENCIAMENTO I EEA102 Prof. Edson.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Prof. Edson-20121 DISCIPLINA SISTEMAS DE GERENCIAMENTO I EEA102 Prof. Edson."— Transcrição da apresentação:

1 Prof. Edson-20121 DISCIPLINA SISTEMAS DE GERENCIAMENTO I EEA102 Prof. Edson

2 Prof. Edson-20122 Objetivos Específicos da Aula: - Efeito Hall (Honeywell Handbook, Cap. 2, Bosch 25 ed. Pág. 114-116) - Circuitos eletrônicos de condicionamento (Honeywell Handbook, Cap. 2 ) - Sensores Hall (Honeywell Handbook, Cap. 5 ) - LM1815 (Datasheet) - NCV 1124 (Datasheet) - Os alunos devem ler o capítulo 25 do Bosch para a prova P1 - Sistemas Mistura Ar-Combustível (Bosch 25 ed. Pag. 607 – 613) - Tipos de Injeções e Bicos Injetores (Bosch 25 ed. Pág. 614 - 617 ) - Tecnologia de Controle de Bico Injetor (Dissertação do Milhor ) - Circuitos eletrônicos para Acionamento

3 ECK-20123 Todd Rachel Automotive Electronic Fuel Injection 1974 Ler artigo do Rachel pág. 25-27

4 ECK-20124 Edwin Hall 1855 - 1938 Efeito Hall Fenômeno físico descoberto por Hall em 1879 durante o seu doutorado. Sabia-se que um feixe de elétrons no vácuo poderia ser desviado por um campo magnético. O que dizer sobre uma corrente elétrica circulando por um condutor sólido?

5 ECK-20125 Efeito Hall O fenômeno baseia-se na interação entre corrente elétrica e campo magnético. O princípio fundamental é o efeito de Lorentz. Hall effect sensing and adaptation, Honeywell

6 Prof. Edson - 20126 Sensor de Efeito Hall Carlos Eduardo Milhor, Sistema de desenvolvimento para controle eletrônico dos motores de combustão interna ciclo Otto, 2002

7 ECK-20127 Efeito Hall Na presença de um campo magnético uma corrente transversal começa a aparecer e é proporcional ao produto vetorial entre a corrente I e a intensidade de campo H. Hall effect sensing and adaptation, Honeywell

8 ECK-20128 Vantagens dos Sensores Hall -Totalmente em estado sólido - Vida longa, acima de 30 bilhões de operações - Alta velocidade de resposta (> 100KHz) - Opera com velocidade zero - Sem partes móveis - Lógica TTL ou CMOS - Grande faixa de operação em temperatura - Alta repetibilidade

9 ECK-20129 Aplicação dos Sensores Hall

10 Prof. Edson - 201210 Sistema de Distribuidor com Sensor Hall

11 Prof. Edson - 201211 Circuito de Saída Convencional de um Sistema Hall Carlos Eduardo Milhor, Sistema de desenvolvimento para controle eletrônico dos motores de combustão interna ciclo Otto, 2002 A saída do dispositivo de efeito Hall é amplificada e depois quadrado por um Schmitt trigger. Neste caso, quando a lâmina passa na frente do sensor, ele corta o sinal Hall e a saída vai para nível lógico 1. Quando aparece a janela, o sinal Hall reaparece e a saída indica 0.

12 Prof. Edson - 201212 Circuito de Condicionador de Entrada Hall Carlos Eduardo Milhor, Sistema de desenvolvimento para controle eletrônico dos motores de combustão interna ciclo Otto, 2002

13 ECK-201213 Aplicação dos Sensores Hall

14 Prof. Edson - 201214

15 Prof. Edson - 201215

16 Prof. Edson - 201216 Montagem feita pelos alunos Albino, Bruno e Marcelo (1ª semestre 2012)

17 Prof. Edson - 201217

18 Prof. Edson - 201218 Freqüência pelo Sensor Hall CMD Árvore RPMF(Hz) 30010 90030 150050 3000100 6000200

19 Prof. Edson - 201219 Hall com circuito de rampa para determinar o ponto de carga da bobina. O ponto S1 pode ser programado internamente nas unidades de ignição.

20 Prof. Edson – 201220 Carburador Eletrônico com Regulação Eletrônica

21 Prof. Edson – 201221 Injeção Monoponto no Corpo de Borboleta

22 Prof. Edson – 201222 Injeção Monoponto no Corpo de Borboleta

23 Prof. Edson-201223 Tecnologia de Injeção EFI (Electromagnetic Fuel Injector ) Passarini, L.C. JBSM 2003 vol. XXV no.4

24 Prof. Edson-201224 Curva da relação quase linear entre tempo de injeção e volume. Passarini, L.C. JBSM 2003 vol. XXV no.4 Região não linear, que limita a faixa de operação em altas rotações Pulsos menores que o tempo do offset não tem energia suficiente

25 Prof. Edson-201225 Passarini, L.C. JBSM 2003 vol. XXV no.4

26 Prof. Edson-201226 Bico Injetor Bosch

27 Prof. Edson-201227 Bico Injetor Bosch Convencional

28 Prof. Edson-201228 Bico Injetor Bosch

29 Prof. Edson-201229 Válvulas de Admissão e Exaustão Processo de combustão e os 4 ciclos http://sistemasautomotivos.blogspot.com/2009/01/bico-injetor.html

30 Prof. Edson-201230 Bico Injetor Bosch de Alta Pressão – Injeção Direta

31 Prof. Edson-201231 Bosch

32 Prof. Edson-201232 Tabela Bosch de Bicos Injetores

33 Prof. Edson-201233 Transitório de carga e descarga Eletromagnética em uma solenóide

34 Prof. Edson-201234 Considerações elétricas em uma saída transistorizada

35 Prof. Edson-201235 FUEL INJECTION DRIVER LM1949

36 Prof. Edson-201236 Em um sistema veicular típico a frequência é proporcional à rotação do motor e a largura de pulso é proporcional à carga.

37 Prof. Edson-201237 Formas de Onda da Saída

38 Prof. Edson-201238 FUEL INJECTION DRIVER Com Chaveamento de Saída Permite o chaveamento da saída

39 Prof. Edson-201239 Para Chavear a Saída

40 Prof. Edson-201240 Para Chavear a Saída

41 Prof. Edson-201241 A = Estado cortado B = Corrente aumentando C = VCEM no desligamento Ciclo de chaveamento Ampliado Bico Injetor no Gol

42 Prof. Edson-201242 Arquitetura Típica de uma ECU

43 Prof. Edson-201243 Driver TPIC 46L02 para Multiponto

44 Prof. Edson-201244 Driver TPIC 46L02 para Multiponto

45 Prof. Edson-201245 ECU - GM


Carregar ppt "Prof. Edson-20121 DISCIPLINA SISTEMAS DE GERENCIAMENTO I EEA102 Prof. Edson."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google