A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Quero ser gestor o que faço? Ewaldo M. K. Russo. Minha experiência Médico formado em 1972 Residência em Clínica Médica 1972-1975 Convite para entrar no.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Quero ser gestor o que faço? Ewaldo M. K. Russo. Minha experiência Médico formado em 1972 Residência em Clínica Médica 1972-1975 Convite para entrar no."— Transcrição da apresentação:

1 Quero ser gestor o que faço? Ewaldo M. K. Russo

2 Minha experiência Médico formado em 1972 Residência em Clínica Médica Convite para entrar no Fleury 1975 Doutorado em Endocrinologia 1981 Professor na UNIFESP 1983 – 1996 Pós-Doutorado pela Harvard em Biologia Molecular MBA-E FIA 1992 e PGA FDC/INSEAD 1997 Diretor do Fleury 1990 – 1997, Presidente Sócio e Secretário do Conselho de Administração Ingresso no Terceiro Setor (Instituto Paradigma, Associação dos ex-alunos e Instituto GESC e Liga Solidária) Vice-Presidente da São Paulo Anjos Professor do Centro Paulista de Economia da Saúde (UNIFESP)

3 Objetivos desta apresentação Discutir os principais cenários na área de saúde Discutir as principais oportunidades de trabalho para os médicos Discutir as características de um bom administrador Mostrar quais as aptidões necessárias para que o médico seja um bom gestor

4 +

5 Porque as organizações de saúde precisam se reinventar (Na linha de frente a solução para a saúde – Richard M. J. Bohmer, HBR Abril 2010) Antes A natureza da medicina antes dos avanços científicos Causa de problemas de saúde era desconhecida. Não havia como prever ocorrência e evolução da doença. Resultado de tratamento era incerto Cada paciente era único e manifestava problemas de forma distinta. Depois A natureza da medicina depois de avanços científicos Diagnósticos mais precisos, opções de tratamento mais bem especificados e tratamentos mais confiáveis. Evolução da doença, complicações comuns e suas causas são melhor caracterizadas. Subpopulações de pacientes com a mesma doença foram definidas.

6 Porque as organizações de saúde precisam se reinventar (Na linha de frente a solução para a saúde – Richard M. J. Bohmer, HBR Abril 2010) Antes....e como isto influenciou a medicina Quem – Profissionais e instituições fragmentadas e independentes, dispersos pela comunidade; hospitais diversificados com recursos para tratar doenças complexas. Quando – Por solicitação do paciente. Onde – Em instalações de saúde especificamente configuradas, como o consultório médico, um hospital ou uma clínica. Como – Diagnóstico e tratamento customizados a critério de cada médico. Depois....e as implicações para um novo modelo de prática médica Quem – Profissionais que não necessariamente médicos. Quando – Antes de complicações ou agravamento do quadro. Onde – Nem sempre num cenário em que paciente e profissional da saúde esteja frente a frente; em lugares com a casa do doente, uma academia de ginástica ou um shopping. Como – Diagnóstico e tratamento com base em protocolos altamente detalhados e com regras de decisão; tratamento voltado a populações específicas de pacientes.

7 Salários x Gastos com saúde nos EUA (Towers Perrin)

8 10 maneiras de cortar os custos em saúde já (Businessweek Nov 2009) Diminua a fraude Desenvolva estilo de vida saudável nos trabalhadores Coordene os cuidados em saúde através de médicos da família Estimule toda a comunidade a ter hábitos saudáveis Pare com as infecções hospitalares Convença aos pacientes a ingerir seus medicamentos Reveja as opções de terapêutica no final da vida Utilize o seguro para estimular o tratamento de doenças crônicas Deixe os pacientes bem informados decidirem Peça desculpas para seus pacientes

9 Incentivos para se manter saudável nos EUA (Towers Perrin)

10 O setor de saúde no Brasil O setor de saúde no Brasil é responsável por, aproximadamente, 8% do PIB do País, movimenta R$100 bilhões por ano e gera 2 milhões de empregos diretos e 5 milhões indiretos.

11 Principais movimentações do setor de saúde Novembro de 2009 – Aquisição da Medial pela Amil Julho de 2010 – Carlyte Group adquire 100% da Qualicorp Agosto de 2010 – DASA anuncia incorporação da MD1 Diagnósticos (Principal controlador da Amil torna-se maior acionista de DASA) Rede DOr adquire a rede São Luiz de hospitais Grupo Fleury adquire toda a rede de diagnóstico do Grupo D Or

12 Consumo de saúde no Brasil (IBGE – 2007) A renda gerada pelas atividades econômicas ligadas à saúde cresceu 8,9% entre 2005 e A participação do setor no total da economia brasileira passou de 5,5% em 2005, para 6,0% (R$ 137,9 bilhões) em Desse total R$48 bilhões correspondem à saúde pública. O consumo de bens e serviços de saúde representou 8,4% do PIB. A despesa das famílias com bens e serviços de saúde chegou a R$ 128,9 bilhões (4,8% do PIB). As atividades de saúde responderam, em 2007, por 4,2 milhões de postos de trabalhos no país (4,4% do total da economia). Com um rendimento médio anual de R$ 20,5 mil.

13 13 Taxa de cobertura dos planos de assistência médica por Unidades da Federação (Brasil - junho/2009) Fontes: Sistema de Informações de Beneficiários - ANS/MS - 06/2009 e População - IBGE/DATASUS/2009

14 14 Fontes: Sistema de Informações de Beneficiários - ANS/MS - 06/2009 e População - IBGE/DATASUS/2009 Taxa de Cobertura de Beneficiários de planos de assistência médica para a Região Metropolitana de São Paulo São Caetano do sul (94,2%) São Paulo (57,8%) Barueri (55,9%) Santo André (57,4%) Rio Grande da Serra (36,7%) São Bernardo do Campo (52,0%)

15 Programa de Saúde da Família (milhões de domicílios)

16 Cenário base para o setor de saúde nos próximos 5 anos Órgãos Reguladores: 1.Aumento dos custos com adequações e regulamentações (+ exigências) 2.Maior pressão da sociedade frente aos órgãos públicos 3.Maior concentração e dependência de determinadas operadoras, devido à maior regulamentação 4.A regulamentação aumentará o rol de benefícios do usuário

17 Cenário base para o setor saúde nos próximos 5 anos Fornecedores 1.Maior pressão por qualidade dos produtos e serviços 2.Maior concentração 3.Não será um mercado que competirá por preços 4.Velocidade de substituição de equipamentos, insumos e tecnologias aumentará com o avanço tecnológico

18 Cenário base para o setor saúde nos próximos 5 anos Prestadores 1.Aumento do número de pessoas com acesso à saúde suplementar 2.O avanço tecnológico causará maior pressão por custos no setor 3.Aumento da concorrência entre os atuais participantes do mercado 4.Mudança constitucional poderá trazer investimento maciço no setor hospitalar

19 Cenário base para o setor saúde nos próximos 5 anos Operadoras 1.Fortalecimento/Concentração das grandes operadoras existentes 2.Maior eficiência operacional devido à padronização tecnológica 3.Competição internacional sem grande representatividade 4.Aumento de lançamento de produtos para atingir a classe C

20 Cenário base para o setor saúde nos próximos 5 anos Médicos e Empresas 1.Empresas tendem a assumir cada vez mais os benefícios de saúde de seus funcionários 2.Os médicos passam a atuar em grupos e passam a ser institucionalizados 3.Usuários continuarão a depender das empresas para ter acesso a benefícios da saúde 4.Empresas aumentarão o poder de influência sobre seus funcionários na escolha do prestador de saúde

21 Médicos em atividade no Estado de São Paulo – 2000 a 2009 (CREMESP) AnoMédicos Inscritos População do Estado Taxa de médicos por mil hab. Taxa de habitantes por médico , , , , , , , , , ,45410

22 Concentração de médicos em cidades de São Paulo (CREMESP) LocalNúmeroPopulaçãoTaxaTaxa/Médico Santos ,34158 Ribeirão Preto ,13163 Botucatu ,06165 Campinas ,11196 S. J. Rio Preto ,85206 Pres. Prudente ,36229 São Paulo ,31232 Jundiaí ,75267 Marília ,67273 Taubaté ,10323 Sorocaba ,07326 São José ,67374

23 Cenário base para o setor saúde nos próximos 5 ano s Pacientes 1.Mais dispostos a gastar com saúde 2.A adoção de novas tecnologias não reduzirá os custos do setor nos próximos 5 anos 3.Haverá uma maior diversidade de serviços 4.Demandarão alternativas de tratamento que tragam conveniência e facilitem adesão 5.Menor amplitude de escolha de prestadores em decorrência do aumento de concentração

24 O trabalho médico no Estado de São Paulo (CREMESP) A média da carga horária é de 52 horas semanais (1/3 mais de 60 horas) e trabalham em média em três diferentes empregos (30% mais de 4). O maior empregador é o SUS, 51% atuam em hospitais públicos, 44% em hospitais particulares e 40% em consultórios.

25 Locais onde o médico trabalha (CREMESP)

26 Empresas criam novo mercado para médicos gestores (Valor Econômico) Por Maurício Oliveira, para o Valor, Os médicos estão descobrindo que existem boas oportunidades de desenvolver a carreira fora dos consultórios e hospitais. Cada vez mais empresas relacionadas ao setor de saúde como seguradoras e laboratórios farmacêuticos vêm contratando os serviços desses profissionais, que passam a somar técnicas de gestão aos conhecimentos médicos.

27 Empresas criam novo mercado para médicos gestores (Valor Econômico) Segundo Laís Passarelli (headhunter), a dificuldade para encontrar no mercado profissionais que reúnam conhecimentos médicos e de gestão ainda é grande. As oportunidades para quem tem esse perfil, contudo, deverão se ampliar ainda mais nos próximos anos. "Há cargos para os quais as empresas na área de saúde dariam preferência a médicos, pois consideram importante ter alguém que fale de igual para igual com os clientes", afirma. Para seguir carreira como gestor, contudo, não é preciso pendurar o estetoscópio. O mais comum, pelo menos por enquanto, é que as duas atividades continuem sendo exercidas simultaneamente

28 O que é Administração? Administração é o ato de trabalhar com e através de pessoas para realizar os objetivos tanto da organização quanto de seus membros. Administração é o processo de planejar, organizar, dirigir e controlar o uso de recursos a fim de alcançar objetivos.

29 Característica de um bom administrador Ter boa capacidade de análise, raciocínio judicioso e abstrato e aptidão numérica. Capacidade de Liderança, ser bastante sociável e saber trabalhar em equipe. Autoconfiança, capacidade de adaptação a novas situações, de decisão, de negociação, de organização, de pensar e de agir sob pressão, de planejamento, dinamismo, espírito empreendedor, habilidade para mediar conflitos, iniciativa e ter noção de prioridades, objetividade, senso de oportunidade e de responsabilidade

30 Médico x Administrador Médico é Médico e Administrador é Administrador Formação excessivamente técnica Todo médico terá que administrar algo no futuro Médico Administrador como especialidade? Para se diferenciar do administrador o médico precisa ter uma boa formação médica

31 OS CONCEITOS DE EFICÁCIA E EFICIÊNCIA Capacidade de determinar objetivos apropriados: fazer as coisas certas. Eficácia: O que fazer? ? A resposta à pergunta: Capacidade de minimizar e otimizar recursos para alcançar os objetivos da organização: fazer as coisas da maneira certa. Eficiência : ? A resposta à pergunta: Como fazer? Que estratégias aplicar?

32 O que significa estar orientado ao cliente? Ter a sensibilidade de perceber e antecipar oportunidades que agregam valor aos clientes (internos e externos), seja nos produtos ou nos serviços prestados pela empresa.

33 Os 10 mandamentos da excelência em serviços 1.Conheça o seu produto 2.Conheça os seus concorrentes 3.Conheça os seus clientes 4.Preste atenção a detalhes 5.Treine, aprimore-se, treine novamente 6.Trate seu cliente como convidado na sua casa 7.Dê poderes a seus funcionários, apóie as suas decisões e recompense-os 8.Busque formas de mensurar o resultado de suas ações 9.Construa relacionamentos duradouros com os principais fornecedores e parceiros 10.Ouse correr riscos calculados para usufruir das idéias inovadoras

34 Competências necessárias para exercer a medicina com sucesso Voltado para o cliente Integridade (ética médica x profissional) Capacidade de Inovação Gestão de Pessoas Capacidade de Negociação Ter noções de matemática financeira Medicina Baseada em Evidência Avaliação de Tecnologia Ter noções de micro e macroeconomia

35 Competências necessárias para exercer a medicina com sucesso Aprender a planejar e ser menos imediatista Procurar valorizar o ato médico Buscar, também, se atualizar em outros setores para ampliar a sua visão Aprender a trabalhar em equipe Investir em autoconhecimento e empatia Ter uma boa rede de relacionamentos Buscar a realização profissional

36 The Washington Post 20/12 /10 O último balanço de 2010 acusa 250 mil mortos no mundo em consequência de desastres naturais (incluindo enchentes, terremotos, etc) mais que os 115 mil que perderam a vida em atos terroristas ao longo de 40 anos. E de US$222 bilhões de prejuízo.

37 Recomendações Para ser um bom gestor e ser respeitado pelos seus pares, o médico precisa ter uma boa formação. Para ser um bom gestor o médico precisa ter capacidade de liderar pessoas. Assim que o médico assume um cargo de gestão, ele deve buscar adquirir as ferramentas de gestão para ocupar o cargo (FIA/FEA, FGV, FDC, Insper, etc.)

38 Obrigado....


Carregar ppt "Quero ser gestor o que faço? Ewaldo M. K. Russo. Minha experiência Médico formado em 1972 Residência em Clínica Médica 1972-1975 Convite para entrar no."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google