A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

1º Ten Med Cristiana Sydrião Hiperglicemias. -As hiperglicemias que podem evoluir para CAD e CHNC são complicações freqüentes do DM e apresentam mau prognóstico.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "1º Ten Med Cristiana Sydrião Hiperglicemias. -As hiperglicemias que podem evoluir para CAD e CHNC são complicações freqüentes do DM e apresentam mau prognóstico."— Transcrição da apresentação:

1 1º Ten Med Cristiana Sydrião Hiperglicemias

2 -As hiperglicemias que podem evoluir para CAD e CHNC são complicações freqüentes do DM e apresentam mau prognóstico se não forem tratadas rápida e adequadamente. - Achados laboratoriais: glicemia , glicemia , Na e K – VCT sempre baixo Na e K – VCT sempre baixo Cetonúria positiva Cetonúria positiva Leucocitose até (mesmo sem infecção. Leucocitose até (mesmo sem infecção.

3 1º Ten Med Cristiana Sydrião Tratamento -Principais objetivos: Combater fator precipitante Combater fator precipitante Corrigir as alterações hidroeletrolíticas Corrigir as alterações hidroeletrolíticas Melhorar a perfusão tissular Melhorar a perfusão tissular Reduzir a glicemia, reverter a acidose e a acetonemia Reduzir a glicemia, reverter a acidose e a acetonemia -O paciente deve ser monitorizado continuamente (laboratorialmente, grau de hidratação, status CV, R e N)

4 1º Ten Med Cristiana Sydrião Terapia de apoio e medidas gerais -Pesquisar causa precipitante (HX, EF, Rx tórax, EAS, ECG, culturas) -Avaliar a volemia (estimar o grau da desidratação, débito urinário, cálculo da osmolaridade plasmática)

5 1º Ten Med Cristiana Sydrião Terapia de apoio e medidas gerais -Avaliação laboratorial Glicemia capilar e cetonúria (1/1h) Glicemia capilar e cetonúria (1/1h) Glicemia plasmática Glicemia plasmática Hemograma Hemograma Gasometria, eletrólitos (2/2h) Gasometria, eletrólitos (2/2h) Cetonas urinárias, fç renal e hepática Cetonas urinárias, fç renal e hepática

6 1º Ten Med Cristiana Sydrião Medidas Terapêuticas -Corrigir fator precipitante -SNG em pacientes inconscientes e torporosos -Heparinização profilática (5000 ui SC 8/8h) em pacientes idosos e com fatores de risco para trombose

7 1º Ten Med Cristiana Sydrião Medidas Terapêuticas -Antibióticos se infecção -Correção da desidratação  1 litro em infusão rápida  1 litro em 1h, 1 litro em 2h, 1 litro em 4h, 1 litro em 8h – totalizando 5 litros em 15h

8 1º Ten Med Cristiana Sydrião Medidas Terapêuticas -Correção dos distúrbios eletrolíticos  Como a queda do potássio é muito rápida em virtude do tto da hiperglicemia, é necessário uma cuidadosa monitorização desse eletrólito, pois a maior ameaça é a hipopotassemia  Potássio <3mEq/l3-4mEq/l4-5mEq/l>5mEq/l  Infusão 40mEq/l30mEq/l20mEq/l não fazer  NaHCO 3 quase nunca necessário (só se PH <6.9)

9 1º Ten Med Cristiana Sydrião Insulinoterapia -Inicialmente insulina regular 0.3ui/kg EV em bolus -A seguir 0.1ui/kg/h -Após 2h de tto, se a glicemia não cair 75 ou 100mg/dl, duplicar a dose

10 1º Ten Med Cristiana Sydrião Insulinoterapia -Qdo o Ph sg normalizar passar a fazer IR por via SC, de 4/4h, de acordo com glicemia capilar mantendo-se em torno de por 12/24h  Até 200 0ui  ui  ui  >300 12ui

11 1º Ten Med Cristiana Sydrião Insulinoterapia -Qdo a glicemia<250 - introduzir SG a 5% -Reintroduzir NPH quando o quadro se estabilizar.

12 1º Ten Med Cristiana Sydrião FIM


Carregar ppt "1º Ten Med Cristiana Sydrião Hiperglicemias. -As hiperglicemias que podem evoluir para CAD e CHNC são complicações freqüentes do DM e apresentam mau prognóstico."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google