A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Mitos e verdades no tratamento da asma na infância Dr. Fabrício P.Monteiro Hospital Regional da Asa Sul/SES/DF 18/1/2010

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Mitos e verdades no tratamento da asma na infância Dr. Fabrício P.Monteiro Hospital Regional da Asa Sul/SES/DF 18/1/2010"— Transcrição da apresentação:

1 Mitos e verdades no tratamento da asma na infância Dr. Fabrício P.Monteiro Hospital Regional da Asa Sul/SES/DF 18/1/2010

2 DEFINIÇÃO 2006 a.C – A asma foi descrita no livro medico A teoria do Interior do Corpo, conhecido como Nei Ching, considerado o livro mais antigo da Medicina Interna, escrito por Huang-Ti. como Nei Ching, considerado o livro mais antigo da Medicina Interna, escrito por Huang-Ti. Henry Hyde Salter (1823 – 1871), introduziu a Asma como uma entidade distinta, pois até essa época, o termo asma era utilizado por varias patologias em que a dispnéia era o componente principal. Descreveu a asma como uma dispnéia paroxística, de característica peculiar, geralmente periódica, com intervalo de respirações normais entre os ataques. On Asthma: Its Pathology and Treatment

3

4 IMS/PMB – MAT Jan/06; IMS/INTE – MAT Jun/05 Classes Terapêuticas Prescritas para o Tratamento da Asma na Criança Unidades oral 50% 2 curta inal 23% Anticolinérgico inal 7% CI 6% Associação LABA+CI 4% Antileucotrieno 3% Antinflamatório não especificado 6%

5 IMS/PMB – MAT Jan/06; IMS/INTE – MAT Jun/05 Classes Terapêuticas Prescritas para o Tratamento da Asma na Criança Unidades oral 50% 2 curta inal 23% Anticolinérgico inal 7% CI 6% Associação LABA+CI 4% Antileucotrieno 3% Antinflamatório não especificado 6% 80% alívio

6 IMS/PMB – MAT Jan/06; IMS/INTE – MAT Jun/05 Classes Terapêuticas Prescritas para o Tratamento da Asma na Criança Unidades oral 50% 2 curta inal 23% Anticolinérgico inal 7% CI 6% Associação LABA+CI 4% Antileucotrieno 3% Antinflamatório não especificado 6% 13% Manutenção

7 Mitos e verdades Dificuldade do diagnóstico em lactentes Efeitos sobre o crescimento Escolha dos dispositivos inalatórios Doses de corticosteróides inalados Uso de beta agonistas de longa ação

8 Como definir asma em crianças menores de 3 anos? Critérios maiores: 1.História familiar asma (pais) 2.Eczema Critérios menores: 1.Rinite alérgica 2.Sibilância na ausência de IVAS 3.Eosinofilia ( 4%) Castro Rodriguez, AJRCCM, 2000; 162:

9 Não fumantes Não asmáticos VEF1 ajustado para altura Lange P. NEJM 1998;339:1194 Asmáticos Perda de função pulmonar em indivíduos asmáticos

10 Agertoft L. Resp Med 1994;88: < >5 N=216 crianças Asma leve moderada Seguimento por 7 anos Budesonida inalatória Tempo de duração da asma no início do tratamento Média anual da mudança do VEF1 % previsto Efeito da intervenção precoce na função pulmonar

11 The Childhood Asthma Management Program Research Group (CAMP study) NEJM 2000 Anos Centímetros / ano Velocidade de crescimento n=302 n=303 n=406 Corticosteróides inalatórios: segurança Efeitos sobre o crescimento

12 Agertoft & Pedersen. NEJM 2000 Budesonida 412 mcg ( ) t=9,2 anos (3-13) Estatura final x Estatura estimada Corticosteróides inalatórios: segurança Efeitos sobre o crescimento

13 Escolha dos dispositivos inalatórios segundo a faixa etária INALADOR Nebulizador Aerossol dosimetrado + espaçador Pó seco FAIXAS ETÁRIAS 8ANOS

14 Monteiro FP, Guimarães FATM, Segundo GRS, Salazar MCM. Atendimento do paciente com sibilos. Rev. Bras. Alergia e Imunopatologia. Vol 29 – N 3 – Maio / Junho 2006.

15

16 Monteiro FP, Guimarães FATM, Segundo GRS, Salazar MCM. Atendimento do paciente com sibilos. Rev. Bras. Alergia e Imunopatologia. Vol 29 – N 3 – Maio / Junho 2006.

17 Monteiro FP, Guimarães FATM, Segundo GRS, Salazar MCM. Atendimento do paciente com sibilos. Rev. Bras. Alergia e Imunopatologia. Vol 29 – N 3 – Maio / Junho 2006.

18 Monteiro FP, Guimarães FATM, Segundo GRS, Salazar MCM. Atendimento do paciente com sibilos. Rev. Bras. Alergia e Imunopatologia. Vol 29 – N 3 – Maio / Junho 2006.

19 De Boeck JACI 1999;103:763 Inaladores de pó seco x idade

20 Verona E. Arch Dis Child 2003; 88: Bons resultados com doses baixas Fluticasona 200 mcg/dia Fluticasona 400mcg/dia Sem2 Sem8Sem16 Sem52 PFE aumento média em relação ao basal (l/min) *p=0,019 *p=0,015 *p=0,02 *p<0, crianças (4-11anos) Resultados: 50% dos pacientes sem exacerbação

21 Relação dose-resposta Revisão sistemática: 7 estudos 1733 crianças Efeitos benéficos : platô entre 100 e 200 mcg/dia Eficácia adicional com 400 mcg/dia apenas em asmáticos graves Masoli M. Arch Dis Child 2004;89:

22 Estudos de associação CI + beta de longa em crianças 177 pacientes Duplo cego Grupos paralelos: o Beclo 400+salm Beclo 800 Beclo 400 Verberne AJRCCM 1998;158:213-9

23 Estudos de associação CI + beta de longa em crianças 267 pacientes, duplo cego, 12 semanas, grupos paralelos: formoterol 4,5mcg, formoterol 9mcg e placebo Zimmerman Pediatr Pulmonol 2004;37: VEF1 %basal VEF1 %basal Sintomas, medicação regaste, QOL: evolução semelhante nos 3 grupos

24 Revisão sistemática da literatura Walters EH. Cochrane review 2005: Beta agonistas de longa ação são eficazes para controle da asma e as evidências suportam sua utilização em adição aos CE inalados. Pesquisas futuras são necessárias sobre o uso em menores de 12 anos e asmáticos leves que não usam CE inalados


Carregar ppt "Mitos e verdades no tratamento da asma na infância Dr. Fabrício P.Monteiro Hospital Regional da Asa Sul/SES/DF 18/1/2010"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google