A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

ASSITÊNCIA a CLIENTES em TRATAMENTO CLÍNICO. ANGINA de PEITO A angina de peito é uma síndrome clínica comumente caracterizada por episódios de dor ou.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "ASSITÊNCIA a CLIENTES em TRATAMENTO CLÍNICO. ANGINA de PEITO A angina de peito é uma síndrome clínica comumente caracterizada por episódios de dor ou."— Transcrição da apresentação:

1 ASSITÊNCIA a CLIENTES em TRATAMENTO CLÍNICO

2 ANGINA de PEITO A angina de peito é uma síndrome clínica comumente caracterizada por episódios de dor ou pressão na parte anterior do tórax. A causa é, em geral, o fluxo sanguíneo coronariano insuficiente, resultando em um aporte diminuído de oxigênio para satisfazer a demanda miocárdica aumentada de oxigênio em resposta ao esforço físico ou estresse emocional. Em outras palavras, a necessidade de oxigênio supera o suprimento.

3 FISIOPATOLOGIA Em geral, a angina é causada por doença aterosclerótica. Estando associada a uma obstrução significante de uma artéria coronária importante.

4 FATORES ASSOCIADOS Esforço físico (aumenta as demandas miocárdicas). Exposição ao frio (ocorre vasoconstrição, eleva a P.A. e a demanda de oxigênio). Inqerir refeições pesadas (aumenta o fluxo sanguíneo na região mesentérica para a digestão, reduzindo o aporte sanguíneo disponível para o m. cardíaco). Estresse ou qualquer situação geradora de emoção (causando a liberação de adrenalina, aumentando a P.A.).

5 TIPOS de ANGINA ESTÁVEL: dor previsível que ocorre aos esforços e é aliviada pelo repouso. Instável: (também chamada de pré-infarto ou em crescendo). Os sintomas acontecem quando o paciente está em repouso, os sintomas têm maior frequência e duração. Prinzmetal ou variante: dor em repouso, ocorre por vasoespasmo da artéria coronária.

6 MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS A isquemia do músculo cardíaco pode produzir dor ou outros sintomas, variando em gravidade desde uma sensação de indigestão até sufocação ou peso na parte superior do tórax, indo desde o desconforto até a dor agonizante, acompanhada por apreensão intensa e uma sensação de morte iminente.

7 Com frequência, a dor é sentida profundamente no tórax, atrás do terço médio ou superior do esterno (retroesternal). Tipicamente a dor é mal localizada e pode irradiar-se para o pescoço, mandíbula, ombros e faces internas dos braços, usualmente o braço esquerdo. Pode também sentir uma sensação de opressão ou peso, sufocação ou estrangulamento, a qual apresenta uma quantidade insistente, duradoura.

8 O paciente com diabetes mellitos pode não apresentar dor intensa com a angina, porque a neuropatia que acompanha o diabetes pode interferir com os neurorreceptores,abafando a dor. Uma sensação de dormência ou fraqueza nos braços, pulsos e mãos, pode acompanhar a dor, da mesma forma que a falta de ar, palidez, vertigem ou tonteira, náuseas, vômitos e ansiedade.

9 UMA IMPORTANTE CARACTERÍSTICA DA DOR ANGINOSA É QUE ELA DIMINUI IMEDIATAMENTE COM O REPOUSO OU A NITROGLICERINA.

10 ACHADOS DIAGNÓSTICOS Manifestações clínicas da dor e história do paciente são avaliados. As alterações no ECG também são muito valiosas, mas a dor dificulta a realização do exame.

11 TRATAMENTO A nível clínico, os objetivos para tratamento da angina são diminuir as demandas de oxigênio do miocárdio e aumentar o aporte de oxigênio. Para isso é utilizado terapia farmacológica. Em casos mais graves, realiza-se procedimentos de revascularização que restaura o aporte sanguíneo para o miocárdio.

12 TRATAMENTO FARMACOLÓGIOCO NITROGLICERINA: é um agente vasoativo, administrado para reduzir o consumo de oxigênio pelo miocárdio, o que diminui a isquemia e alivia a dor. Dilata principalmente veias e também as artérias, ajuda a aumentar o fluxo sanguíneo coronariano por evitar vasoespasmo e aumentar a perfusão através dos vasos colaterais.

13 A dilatação das veias provoca o represamento venoso do sangue por todo o corpo. Em consequência disso, menos sangue retorna para o coração e a pressão de enchimento (pré-carga) é reduzida.

14 BLOQUEADORES dos CANAIS de CÁLCIO Por estarem bloqueados os canais de cálcio, resulta em uma frequência cardíaca mais lenta e em uma diminuição na força de contração do músculo cardíaco. Esses efeitos diminuem a carga de trabalho do coração. Ocorre relaxamento dos vasos sanguíneos, diminuindo a P.A. e aumento na perfusão arterial coronariana.

15 MEDICAMENTOS ANTIPLAQUETÁRIOS e ANTICOAGULANTES Esses medicamentos são administrados para evitar a agregação plaquetária, a qual compromete o fluxo sanguíneo. Com esse efeito, reduz a incidência de I.M. e morte com doença coronariana. (aspirina e ticlopidina).

16 Heparina: previne a formação de novos coágulos sanguíneos. Quando há um grande risco de problemas cardíacos como I.M., o paciente recebe um bolo (dose aplicada de uma só vez, rápida) intravenoso de heparina a 4 a 6h.

17 CUIDADOS com PACIENTES que RECEBERAM HEPARINA Deve-se fazer pressão sobre o sítio de qualquer punção por agulha por um tempo maior que o usual. Prevenção da lesão e escoriação teciduais a partir do trauma ou por uso de aparelhos constritivos (ex. uso contínuo de manguito automático de P.A.).

18 ADMINISTRAÇÃO de O 2 A terapia com O 2 é usualmente iniciada no começo da dor torácica, tentando aumentar a quantidade de oxigênio fornecida para o miocárdio e diminuir a dor. A eficácia terapêutica do O 2 é determinada ao se observar a frequência e ritmo da troca respiratória.

19 TRATAMENTO CIRÚRGICO A angina de peito pode persistir por muitos anos de forma estável, com breves crises. Entretanto, a angina instável é uma doença grave que pode progredir para o I.M. ou para morte cardíaca súbita. As medidas invasivas podem ser:

20 ACTP ( Angioplastia Coronariana Transluminal Percutânea): para aqueles com ateroma que oclui pelo menos 70% do lúmen arterial de uma coronária importante. Cateteres vazados, denominados bainhas, são inseridos, usualmente na veia e/ou artéria femoral, proporcionando um conduto para outros cateteres.

21 Depois que o ateroma é verificado, um cateter de dilatação com um balão na extremidade é introduzido através do cateter-guia e posicionado sobre a lesão. Quando o cateter está posicionado, o balão é inflado, a pressão esmaga e comprime o ateroma.

22 ATERECTOMIA É a retirada do ateroma, ou placa, a partir de uma artéria coronária. Um cateter com lascas de diamante na extremidade gira como uma broca de dentista pulverizando a lesão.

23 STENT de ARTÉRIA CORONÁRIA É uma rede de aço inoxidável trançada que proporciona o suporte estrutural para um vaso em risco de fechamento agudo. É colocado sobre um balão de angioplastia. Quando o balão é insuflado, a rede se expande e pressiona a parede vascular, mantendo a artéria aberta. O balão é retirado, mas o stent fica posicionado dentro da artéria.

24 PROCESSO de ENFERMAGEM do PACIENTE com ANGINA de PEITO A enfermeira com auxílio do técnico, obtém as informações sobre os sintomas e atividades do paciente, sobretudo aquelas que precedem e precipitam as crises de dor anginosa.

25 As perguntas apropriadas podem incluir: Onde a dor comumente se localiza? Ela ocorre em algum outro ponto? Como você descreveria a dor (pulsátil, compressiva, cortante, contínua, intermitente)? Que outros sintomas ocorrem com a dor?

26 O que geralmente deflagra a dor? O que geralmente a alivia? O que agrava? Geralmente, por quanto tempo dura a dor? Quantos minutos se passam, após tomar a nitroglicerina, para que a dor cesse?

27 CUIDADOS de ENFERMAGEM Quando o paciente queixa de dor, a enfermagem deve agir rápido. Nesse caso, o paciente deve ser orientado a parar com todas as atividades e sentar ou descansar no leito em uma posição semi-fowler para reduzir os requisitos de oxigênio do miocárdio isquêmico. A enfermagem avalia a dor do paciente, fazendo perguntas padronizadas (da instituição) para identificar se a dor é idêntica à quela já referida pelo paciente.

28 A diferença pode indicar uma agravamento na doença ou outra causa distinta. Sinais vitais são observados e a angústia respiratória também. No hospital, usualmente realiza-se o ECG que mostra alguma alteração na condução elétrica cardíaca.

29 EVITANDO a DOR A enfermagem verifica o nível de atividade que provoca a dor do paciente e a enfermeira planeja, junto com sua equipe, as atividades do paciente. Se há presença de dor ao mínimo esforço, alterna-se as atividades com repouso.

30 REDUZINDO a ANSIEDADE Os pacientes com angina, frequentemente temem perder suas funções no seio da sociedade e da família. Explorar as implicações que o diagnóstico tem para o paciente e fornecer as informações sobre a doença, seu tratamento e métodos para evitar a progressão da doença como cuidados com a alimentação, abolir o tabagismo e etilismo, prática de atividades físicas de acordo com o paciente.


Carregar ppt "ASSITÊNCIA a CLIENTES em TRATAMENTO CLÍNICO. ANGINA de PEITO A angina de peito é uma síndrome clínica comumente caracterizada por episódios de dor ou."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google