A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

O perfil cognitivo do leitor imersivo Curso: Publicidade e Propaganda FACHA – Faculdades Hélio Alonso Março 2012 LUIZ AGNER COMUNICAÇÃO IMPRESSA E DIGITAL.

Cópias: 1
O perfil cognitivo do leitor imersivo Curso: Publicidade e Propaganda FACHA – Faculdades Hélio Alonso Março 2012 LUIZ AGNER.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "O perfil cognitivo do leitor imersivo Curso: Publicidade e Propaganda FACHA – Faculdades Hélio Alonso Março 2012 LUIZ AGNER COMUNICAÇÃO IMPRESSA E DIGITAL."— Transcrição da apresentação:

1 O perfil cognitivo do leitor imersivo Curso: Publicidade e Propaganda FACHA – Faculdades Hélio Alonso Março 2012 LUIZ AGNER COMUNICAÇÃO IMPRESSA E DIGITAL

2 Os 3 diferentes tipos de leitores Os novos modos de leitura As operações mentais do leitor virtual Os 3 estilos de navegação Plano de aula

3 Conceito de leitura Conceito de leitura expandido Conceito de leitura expandido Inclui o leitor de cidades, de vídeos e de tvs, de imagens, formas hídridas de signos e processos de linguagem. Inclui o leitor de cidades, de vídeos e de tvs, de imagens, formas hídridas de signos e processos de linguagem.

4 Conceito de leitura

5 Chartier e a leitura Autores não escrevem livros, escrevem textos que se tornam objetos diversificados. Autores não escrevem livros, escrevem textos que se tornam objetos diversificados. O efeito que o texto produz em seus receptores não é independente das formas materiais que o texto suporta. O efeito que o texto produz em seus receptores não é independente das formas materiais que o texto suporta. As formas materiais modelam o tipo de legibilidade do texto. As formas materiais modelam o tipo de legibilidade do texto.

6 Formas materiais da leitura O pergaminho O códice medieval O livro O jornal O computador O tablet

7 1. 1. O leitor contemplativo O leitor fragmentado O leitor imersivo Os tipos de leitores

8 1. Leitor contemplativo Contemplativo Medidativo Leitura silenciosa Local da leitura Biblioteca Individual Privada Leitor do livro

9 Dominante a partir do século 16 Dominante a partir do século 16 Leitura individual, silenciosa, de foro privado, relação de intimidade. Leitura individual, silenciosa, de foro privado, relação de intimidade. Retiro voluntário, espaço privado. Retiro voluntário, espaço privado. Leitura emancipada de celebrações familiares, religiosas ou eclesiásticas Leitura emancipada de celebrações familiares, religiosas ou eclesiásticas Imobilidade: é plena de energia mental Imobilidade: é plena de energia mental Local: biblioteca. Local: biblioteca. 1. Leitor contemplativo

10 Esse leitor não sofre Esse leitor não sofre Não é acossado por urgências do tempo Não é acossado por urgências do tempo Diante de si: signos duráveis, imóveis, localizáveis, revisitáveis. Diante de si: signos duráveis, imóveis, localizáveis, revisitáveis. Contempla e medita. Contempla e medita. O sentido soberano é a visão O sentido soberano é a visão Imaginação. Imaginação. 1. Leitor contemplativo

11 2. Leitor fragmentado Se move Recebe fragmentos Publicidade Jornais, TV Telégrafo Cidades Consumo Multidões Estações Ferrovias Leitura de fragmentos de notícias

12 2. Leitor fragmentado Revolução Industrial Revolução Industrial Século XIX: o capitalismo traz transformações urbanas nas cidades Século XIX: o capitalismo traz transformações urbanas nas cidades Mudanças profundas no modo de viver das pessoas Mudanças profundas no modo de viver das pessoas Locomotivas, estações ferroviárias Locomotivas, estações ferroviárias Comunicações: telégrafos, telefones, jornais com notícias rápidas Comunicações: telégrafos, telefones, jornais com notícias rápidas

13 Crescimento da população dos centros urbanos Crescimento da população dos centros urbanos Redes elétricas iluminam as cidades Redes elétricas iluminam as cidades Cidade-vitrine: boulevards, galerias, parques, teatros, cafés Cidade-vitrine: boulevards, galerias, parques, teatros, cafés Espaço urbano em movimento contínuo, cenário volátil Espaço urbano em movimento contínuo, cenário volátil Publicidade: manter a ilusão de que há mudanças Publicidade: manter a ilusão de que há mudanças 2. Leitor fragmentado

14 Cidade: superpovoada de imagens Cidade: superpovoada de imagens Fragmentação sob o efeito do transitório e do excessivo. Fragmentação sob o efeito do transitório e do excessivo. Velocidade, superficialismo, efemeridade, hiperestesia. Velocidade, superficialismo, efemeridade, hiperestesia. Leitor do jornal: fatias da realidade Leitor do jornal: fatias da realidade Leitor fugaz, novidadeiro, memória curta. Leitor fugaz, novidadeiro, memória curta. 2. Leitor fragmentado

15 Linguagens efêmeras, híbridas, misturadas – o jornal. Linguagens efêmeras, híbridas, misturadas – o jornal. Intermediário entre o leitor do livro e o leitor imersivo do ciberespaço. Intermediário entre o leitor do livro e o leitor imersivo do ciberespaço. Preparou a sensibilidade perceptiva humana para o leitor imersivo. Preparou a sensibilidade perceptiva humana para o leitor imersivo. 2. Leitor fragmentado

16 3. Leitor imersivo Leitor virtual Hipertexto Hipermídia Ciberespaço Interage Internauta, navegador, usuário

17 A revolução do livro eletrônico está na alteração dos suportes materiais e na maneira de ler A revolução do livro eletrônico está na alteração dos suportes materiais e na maneira de ler As características cognitivas deste tipo de leitor foram ainda pouco exploradas. As características cognitivas deste tipo de leitor foram ainda pouco exploradas. Grandes transformações sensórias, perceptivas e cognitivas; de sensibilidade Grandes transformações sensórias, perceptivas e cognitivas; de sensibilidade 3. Leitor imersivo

18 Transformações sensórias baseadas: Transformações sensórias baseadas: Decodificação ágil de sinais e rotas semióticas Decodificação ágil de sinais e rotas semióticas Operações inferenciais, métodos de busca e solução de problemas Operações inferenciais, métodos de busca e solução de problemas 3. Leitor imersivo

19 O errante O errante O detetive O detetive O previdente O previdente 3. Leitor imersivo

20 O internauta errante O raciocínio humano é de 3 tipos: abdução, indução e dedução O raciocínio humano é de 3 tipos: abdução, indução e dedução Raciocínios mistos são + comuns Raciocínios mistos são + comuns O internauta errante emprega o poder humano de abdução (adivinhação) O internauta errante emprega o poder humano de abdução (adivinhação) Isto é: elaborar uma regra a título de experiência (hipóteses) Isto é: elaborar uma regra a título de experiência (hipóteses) Parte de um efeito e remete-o a uma causa hipoteticamente Parte de um efeito e remete-o a uma causa hipoteticamente

21 O internauta errante A abdução é instintiva e racional ao mesmo tempo A abdução é instintiva e racional ao mesmo tempo É por meio desse tipo de raciocínio que a criatividade se manifesta É por meio desse tipo de raciocínio que a criatividade se manifesta O número de hipóteses corretas geradas é alto O número de hipóteses corretas geradas é alto O ser humano emprega um insight natural O ser humano emprega um insight natural O novo: apreendido por adivinhação O novo: apreendido por adivinhação

22 O internauta errante O usuário vai presumindo, adivinhando onde deve clicar por ensaio e erro O usuário vai presumindo, adivinhando onde deve clicar por ensaio e erro A capacidade de navegar não se assemelha às habilidades de ler ou escrever A capacidade de navegar não se assemelha às habilidades de ler ou escrever Implica outro tipo de alfabetização, semióticamente mais complexo: Implica outro tipo de alfabetização, semióticamente mais complexo: uma compreensão geral do modo de operação do computador. uma compreensão geral do modo de operação do computador.

23 O navegador detetive Recorre aos ensinamentos da indução e o poder da experiência Recorre aos ensinamentos da indução e o poder da experiência A indução é um modo de raciocínio que adota uma conclusão aproximada. A indução é um modo de raciocínio que adota uma conclusão aproximada. Utiliza o argumento estatístico Utiliza o argumento estatístico Trabalho de detetive: segue pistas, escolhendo as que são mais prováveis Trabalho de detetive: segue pistas, escolhendo as que são mais prováveis

24 O navegador detetive Perguntas: Onde estou? Para onde quero ir? Perguntas: Onde estou? Para onde quero ir? O navegador detetive é aquele que aprende com a experiência O navegador detetive é aquele que aprende com a experiência

25 O infonauta previdente Internalizou as regras do jogo da navegação Internalizou as regras do jogo da navegação Sua mente está sob o domínio de hábitos e associações que levam a procedimentos navegacionais condizentes Sua mente está sob o domínio de hábitos e associações que levam a procedimentos navegacionais condizentes O processo de entendimento consiste no reconhecimento de uma classe de situação O processo de entendimento consiste no reconhecimento de uma classe de situação Navegação de rotina Navegação de rotina

26 O infonauta previdente Os experientes conhecem grande número de esquemas de navegação Os experientes conhecem grande número de esquemas de navegação É uma operação dedutiva de raciocínio É uma operação dedutiva de raciocínio A dedução é a construção de uma imagem ou diagrama A dedução é a construção de uma imagem ou diagrama O esquema mental é disparado e guia a execução dos procedimentos O esquema mental é disparado e guia a execução dos procedimentos Rapidez da performance dos experts Rapidez da performance dos experts

27 O infonauta previdente Dispõe de memória de longa duração, sedimentada pela prática Dispõe de memória de longa duração, sedimentada pela prática Execução maquinal de procedimentos Execução maquinal de procedimentos Navegar é um ato de cumplicidade com os programas, cujos segredos já estão decifrados Navegar é um ato de cumplicidade com os programas, cujos segredos já estão decifrados

28 Concluindo Há vários modos de ler Há vários modos de ler Ler livros é somente um deles Ler livros é somente um deles O hipertexto/hipermídia cria um novo modo de ler O hipertexto/hipermídia cria um novo modo de ler Leitura imersiva – é atividade nômade de perambulação, juntando fragmentos, segundo uma lógica associativa e de mapas mentais, pessoais e intransferíveis. Leitura imersiva – é atividade nômade de perambulação, juntando fragmentos, segundo uma lógica associativa e de mapas mentais, pessoais e intransferíveis.

29 O que vimos Há vários modos de leitura Há vários modos de leitura 3 tipos de leitores: 3 tipos de leitores: 3 operações mentais: 3 operações mentais: 3 perfis de leitores imersivos: 3 perfis de leitores imersivos:

30 O que vimos Há vários modos de leitura Há vários modos de leitura 3 tipos de leitores: 3 tipos de leitores: O contemplativo, o fragmentado, o imersivo O contemplativo, o fragmentado, o imersivo 3 operações mentais: 3 operações mentais: Abdutivo, indutivo e dedutivo Abdutivo, indutivo e dedutivo 3 perfis de leitores imersivos: 3 perfis de leitores imersivos: O errante, o detetive e o previdente O errante, o detetive e o previdente

31 Para saber mais... Lucia Santaella Navegar no Ciberespaço: o perfil cognitivo do leitor imersivo

32 Baixar esta aula Apresentação de hoje: Apresentação de hoje: Inscrever-se no Grupo no Facebook: Inscrever-se no Grupo no Facebook: –FACHA – Comunicação Impressa Digital Textos na pasta na xerox. Textos na pasta na xerox.


Carregar ppt "O perfil cognitivo do leitor imersivo Curso: Publicidade e Propaganda FACHA – Faculdades Hélio Alonso Março 2012 LUIZ AGNER COMUNICAÇÃO IMPRESSA E DIGITAL."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google