A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

L í ngua de escolariza ç ão: estudo comparativo. Programas Alemanha Austrália Brasil Canadá ­ Quebeque Espanha França Finlândia Inglaterra Países Baixos.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "L í ngua de escolariza ç ão: estudo comparativo. Programas Alemanha Austrália Brasil Canadá ­ Quebeque Espanha França Finlândia Inglaterra Países Baixos."— Transcrição da apresentação:

1 L í ngua de escolariza ç ão: estudo comparativo

2 Programas Alemanha Austrália Brasil Canadá ­ Quebeque Espanha França Finlândia Inglaterra Países Baixos (Portugal)

3 Selecção dos países do estudo Disciplinas Carga horária Tendências na definição e formato dos programas Desenvolvimento dos programas O cânone literário escolar Orientações metodológicas Avaliação das aprendizagens Publicação, divulgação e implementação Validade e avaliação dos programas Índice

4 Selecção dos países do estudo Critérios resultados nos estudos internacionais de literacia línguas românicas, características mediterrânicas língua comum Alemanha Austrália Canadá (Quebeque) Países Baixos Inglaterra Finlândia Espanha França Brasil Facilidade de acesso a documentação Critério suplementar

5 Disciplinas Designações diferenciação entre língua e literatura no Secundário uma única disciplina no Básico áreas separadas para gramática e literatura (caso de França) designação do país ou nacionalidade – tendência dominante mudança de designação do Básico para o Secundário (Língua Portuguesa / Português)

6 Carga horária Peso relativo da disciplina de língua de escolarização: Definição: fixada no programa enquadrada por mínimos (e.g. Finlândia) atribuída à escola (Inglaterra) + - autonomia OCDEPORTUGAL 9-11 anos23%15% anos15%11%

7 Definição e formato do programa - Tendências Definição: Programa muito especificado Definição de referenciais comuns – autoridades locais (p. ex. Alemanha) Maior intervenção das escolas na programação (Inglaterra e Finlândia) + - autonomia Formato: Documentos sintéticos completados com informação de apoio – tendência dominante. Documentos extensos, densos e muito especificados – alguns casos (como o Brasil)

8 Desenvolvimento dos programas A generalidade dos programas divide-se em ciclos e níveis de ensino. Para cada ciclo define-se um perfil de saída, em termos de competências e níveis de desempenho esperados.

9 Itens programáticos Os programas são baseados na definição de competências (embora os termos usados e as fórmulas de redacção variem) Domínios de competências a leitura a escrita a comunicação oral funcionamento da língua – competência transversal às outras três e explícita como domínio (em alguns países). estas competências aparecem como itens programáticos que se pretendem integrados na prática pedagógica.

10 Itens programáticos Designações e categorizações ler e interagir com os media e com os textos (Alemanha) competência de interacção (Finlândia) leitura e observação (Austrália) relação com a literatura como uma categoria distinta da leitura (Quebeque) autonomização da gramática (França) Orientações subjacentes Valorização das dimensões: comunicativa; interactiva; funcional Transversalidade Competências linguísticas e comunicativas são definidas como comuns a todas as disciplinas Exemplo: França especifica o trabalho da língua a ser feito em cada área disciplinar (no ensino primário)

11 Competências / contéudos / objectivos Não há coincidência de terminologia na utilização destes conceitos. Encontram-se três tendências: organização por competências estruturação por conteúdos desenvolvimento de competências com base em conteúdos

12 O cânone literário escolar Grau de especificação da leitura literária no programa: listas de obras do património literário do país e/ou da língua listas de autores do património literário da língua listas do património literário universal ausência de listas de obras ou de autores (adequação à idade, diversificação de géneros, entre outros) + - abertura

13 Orientações metodológicas Nem sempre são assumidas orientações metodológicas explícitas Quando não estão explícitas, resultam da formulação de competências e conteúdos Há programas cujo enunciado está mais centrado no ensino e no professor (Inglaterra) e outros na aprendizagem e no aluno (Finlândia)

14 Avaliação das aprendizagens Exames nacionais (no secundário) Provas de aferição (no básico) Os níveis ou descritores de desempenho assim como a própria descrição de competências oferecem ao professor referenciais para efeitos de avaliação e classificação. No início da escolaridade, a avaliação é essencialmente descritiva; nos níveis mais avançados do básico e do secundário, torna-se também frequente o recurso a avaliação quantitativa. Avaliação externa

15 Publicação, divulgação e implementação Publicação em diferentes suportes: Internet Brochuras Outros Adaptação a vários públicos encarregados de educação professores autoridades educativas escolas alunos Medidas de implementação Formação de professores centrada na escola instituições especializadas Criação de recursos – especialmente na Internet

16 Validade e avaliação dos programas Período de vigência Prazos em alguns países (5 anos/ Países Baixos) Possibilidade de revisão a qualquer momento, noutros países (Inglaterra) Revisão decorrente de acordos internacionais (tendência actual) testes nacionais de aferição Avaliação dos programas monitorização da aplicação investigação educacional exames nacionais


Carregar ppt "L í ngua de escolariza ç ão: estudo comparativo. Programas Alemanha Austrália Brasil Canadá ­ Quebeque Espanha França Finlândia Inglaterra Países Baixos."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google