A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Mecanismos de regulação da ingestão de alimentos Prof. Jerri Zanusso.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Mecanismos de regulação da ingestão de alimentos Prof. Jerri Zanusso."— Transcrição da apresentação:

1 Mecanismos de regulação da ingestão de alimentos Prof. Jerri Zanusso

2 ObjetivosObjetivos Conhecer fatores que afetam o consumo voluntário Relacionar com outras áreas: bioclimatologia, etologia e fisiologia. Corrigir problemas que afetam o comportamento ingestivo (manejo alimentar, formulações, ambiente).

3 IntroduçãoIntrodução Regulação da ingestão: Fisiologicamente => homeostase nutricional Outros fatores também são determinantes: ambiente, aprendizado, palatabilidade.

4 Controle do consumo Hipotálamo => centros da fome e da saciedade Receptores químicos e térmicos Inicio ingestão: centro da fome Término ingestão: centro da saciedade

5 Controle do consumo Mecanismos hipotalâmicos de controle: C.F. C.S. C.F. Fome Saciedade

6 Controle do consumo Fatores intrínsecos: teorias glicostática, aminostática, gorduras, íons e temperatura. Fatores extrínsecos: controle sensorial (visual, gustativo e olfatório).

7 Controle do consumo Teoria glicostática Glicose: metabolismo energético, glicorreceptores. Depende de outros receptores para glucagon, insulina, glicose plásmática (hipotálamo e fígado).

8 Controle do consumo Teoria aminostática Quantidade e qualidade da proteína ( relato de experimentos ) Desbalanceamento severo: decresc. consumo. Desbalanceamento pequeno e baixa PB%: decresc. consumo. Aves: tirosina (estimula), triptofano (inibe): são precursores de catecolaminas e serotonina, respectiv. => neurotransmissores.

9 Controle do consumo Teoria lipostática Tecido adiposo => setpoint, determina ponto de controle conforme o teor de gordura do animal. Controversa: seleção genética (animais magros)

10 Controle do consumo Teoria ionostática Ca, P, Na => em aves, mas poucas evidências. Mobilização dos ossos, mas pouco efeito no cons. Número de Mongin: Na + + K + - Cl - : determinam balanço eletrolítico Nº Mongin aves: 250 mEq/kg Excesso: cálculo renal em felinos Balanço catiônico-aniônico vacas leiteiras

11 Controle do consumo Teoria ionostática Borges et al. (2003)

12 Controle do consumo Teoria ionostática Cálculo nº Mongin: mEq = nível inclusão (%) x / peso atômico Ex.: 0,35% Na +, 0,68% K + e 0,3% Cl - : Na + : 0,35 x / 23 = 152 mEq/kg K + : 0,68 x / 39,1 = 174 mEq/kg Cl - : 0,3 x / 35,5 = 84 mEq/kg NM = – 84 NM = 242 mEq/kg

13 Controle do consumo Teoria ionostática Diferença cátion-ânion da Dieta (DCAD) – vacas leiteiras: Cátions (+): Ca, K, Mg, S. Ânions (-): Cl, S, P.

14 Controle do consumo Teoria ionostática Cavalieri e Santos( ): Atingir -10 a -15 mEq/100g. Adicionar sais ânionicos.

15 Controle do consumo Teoria termostática NRC (1981): todos animais homeotérmicos apresentam um consumo inversamente proporcional à temperatura do meio ambiente. Alteração do consumo => mecanismo de homeotermia. Calor reduz atividade de hormônios T3 e T4. Curva de consumo e temperatura ambiente.

16 Controle do consumo Teoria termostática Suínos: 21ºC x 31ºC: estresse reduz tempo no comedouro e aumenta tempo no bebedouro. (Kiefer et al. 2009). Conhecer Zona de termoneutralidade e limites críticos

17 Controle do consumo Teoria termostática (suínos) CategoriaFaixa temperatura (°C) ConfortoFrioCalor Recém-nascidos Lactantes Desmamados Crescimento Terminação Fêmeas prenhes Fêmeas lactação Fêmeas vazias

18 Controle do consumo Teoria termostática Aves: frio => aumento no consumo; calor => redução do consumo. Frangos de corte: sensíveis na 1ª e 6ª semana. Vacas leiteiras: calor => maior tempo de ócio, menor tempo em ruminação.

19 Controle do consumo Teoria da distenção do trato gastrointestinal Válido para ruminantes e não-ruminantes Relação E/PB, teor de volumo/conc. Fermentação Inibe centro da fome.

20 Controle do consumo Teoria da distenção do trato gastrointestinal Ex. com humanos: Balão Intragástrico: É uma técnica de combate à obesidade que consiste na introdução de um balão inflável de silicone dentro do estômago por via endoscópica, associado a uma leve sedação. Logo após a sua introdução, o balão é inflado com cerca de 500 a 700ml de soro fisiológico, corado com tintura de azul de metileno, com a finalidade de reduzir a capacidade do estômago e a ingestão de alimentos

21 Controle do consumo Fatores extrínsecos: Visuais: Efeito de grupo, hierarquia, tamanho de partícula (farelada ou peletizada), cor de comedouro e bebedouro. Gustativo: salgado e amargo (rejeição). Olfatório: aves => odor de manteiga/óleo.

22 Aspectos práticos - Efeito do ambiente: amenizar estresse, utilizar estratégias alimentares, rever formulações. - Formulação de dietas em proteína ideal e AA s limitantes. -Teoria termostática mais presente no dia-a-dia Teorias aparecem separadas... e o metabolismo é o resultado conjunto de vários fatores

23 Como obter este produto? Esteatose hepática: via nutricional, enfermidade ou intoxicação Foie gras = fígado gordo, fígado gorduroso NÃO chamar de patê de fígado, pois é o próprio órgão! Aspectos práticos

24 Como obter este produto? Magret de canard = Peitoral (Pectoralis major) de pato Aspectos práticos

25 Como obter este produto? GAVAGE = Forcefeeding = alimentação forçada, à moda tradicional Aspectos práticos

26 Como obter este produto? GAVAGE = Forcefeeding = alimentação forçada, escala industrial Aspectos práticos


Carregar ppt "Mecanismos de regulação da ingestão de alimentos Prof. Jerri Zanusso."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google