A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

GRUPO 4 Coordenadora: Hilda HildaParticipantes: Francisca Teresa- NOVAFAPI (Teresina-PI) Francisca Teresa- NOVAFAPI (Teresina-PI) Marina (Acadêmica da.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "GRUPO 4 Coordenadora: Hilda HildaParticipantes: Francisca Teresa- NOVAFAPI (Teresina-PI) Francisca Teresa- NOVAFAPI (Teresina-PI) Marina (Acadêmica da."— Transcrição da apresentação:

1 GRUPO 4 Coordenadora: Hilda HildaParticipantes: Francisca Teresa- NOVAFAPI (Teresina-PI) Francisca Teresa- NOVAFAPI (Teresina-PI) Marina (Acadêmica da UFRN) Marina (Acadêmica da UFRN) Regina (Universidade Federal do Piauí) Regina (Universidade Federal do Piauí) Renato (Faculdade de odontologia de Caruaru) Renato (Faculdade de odontologia de Caruaru) Renato Cabral (Faculdade de Odontologia de São Paulo-USP) Renato Cabral (Faculdade de Odontologia de São Paulo-USP) Rosa (Universidade Federal de Sergipe) Rosa (Universidade Federal de Sergipe) Rosana (Universidade Federal do Espírito Santo- UFES) Rosana (Universidade Federal do Espírito Santo- UFES) Sílvia (Faculdade de Odontologia de Bauru-USP) Sílvia (Faculdade de Odontologia de Bauru-USP) Sílvio - Universidade Estadual da Paraíba Sílvio - Universidade Estadual da Paraíba Susi (Universidade de Santa Cruz do Sul) Susi (Universidade de Santa Cruz do Sul) Teresa (Universidade Estadual de Campina Grande- PB) Teresa (Universidade Estadual de Campina Grande- PB)

2 QUESTÃO 1 Como organizar-se/ montar-se uma clínica em bases interdisciplinares? prioridade para seleção de professores com perfil generalista e olhar multidisciplinar; Desenvolver protocolo de atendimento integral do paciente (todos os docentes sejam capazes de orientar o atendimento geral e realizar plano de tratamento; casos mais complexos, encaminhar para clínicas avançadas); Realização coletiva do plano de tratamento; Realização coletiva do plano de tratamento; prioridade para seleção de professores com perfil generalista e olhar multidisciplinar; Desenvolver protocolo de atendimento integral do paciente (todos os docentes sejam capazes de orientar o atendimento geral e realizar plano de tratamento; casos mais complexos, encaminhar para clínicas avançadas); Realização coletiva do plano de tratamento; Realização coletiva do plano de tratamento;

3 QUESTÃO 1 Como organizar-se/ montar-se uma clínica em bases interdisciplinares? Alimentação constante da base de dados (manter e atualizar os prontuários - referenciar os pacientes de acordo com complexidade do caso); clínicas em grau crescente de complexidade; Alimentação constante da base de dados (manter e atualizar os prontuários - referenciar os pacientes de acordo com complexidade do caso); clínicas em grau crescente de complexidade;

4 QUESTÃO 1 Como organizar-se/ montar-se uma clínica em bases interdisciplinares? Realização de oficinas de conscientização da missão institucional; Realização de oficinas de conscientização da missão institucional; Promover curso de capacitação para professores para garantir uma atualização em todas as áreas do conhecimento. Promover curso de capacitação para professores para garantir uma atualização em todas as áreas do conhecimento.

5 Inserir o aluno como observador ativo nos períodos iniciais do curso; Inserir o aluno como observador ativo nos períodos iniciais do curso; Aluno atuante (respeitando complexidade crescente de conhecimento); Aluno atuante (respeitando complexidade crescente de conhecimento); interação entre os acadêmicos dos diferentes períodos; interação entre os acadêmicos dos diferentes períodos; QUESTÃO 2 Como viabilizar a antecipação das ações sociais e clínicas desde o início do curso de graduação?

6 aluno com carga horária disponível para realização de atividades complementares; aluno com carga horária disponível para realização de atividades complementares; Implantação de estágios voluntários (projetos de extensão, ações sociais, etc), como forma de diversificar as atividades; Implantação de estágios voluntários (projetos de extensão, ações sociais, etc), como forma de diversificar as atividades; Valorização e aumento das atividades de saúde coletiva, envolvendo maior número de docentes de diferentes áreas, enfatizando o caráter transversal do projeto pedagógico. Valorização e aumento das atividades de saúde coletiva, envolvendo maior número de docentes de diferentes áreas, enfatizando o caráter transversal do projeto pedagógico.

7 Questão 3 Na opinião do grupo, quais são os verdadeiros nós-críticos para implementação das DCNs? Questão 4 Como o grupo entende que essa implementação pode avançar? Quais estratégias podem ser sugeridas para superar os problemas apontados?

8 Nós críticos Estratégias para superar os problemas Formação Docente Programas de Pós-graduação com CH voltada para interdisciplinaridade, com visão humanista, social, didático-pedagógica, ética e legislação acadêmica e do serviço. Programas de Educação Permanente em Saúde Ausência de Assessoria Pedagógica Contratação de profissionais c/ formação em Pedagogia Capacitação dos Docentes Capacitação para compreensão das DCNs Capacitação sobre a legislação do CAPES

9 Nós críticos Estratégias para superar os problemas Resistência natural à mudança Mobilização estudantil - pressionar mudanças de postura Mudança gradual, para melhor assimilação das DCNs Realização de atividades de motivação e compreensão do processo Fortalecimento do sistema de avaliação do ensino superior, incluindo as CPAs Implantação de tutorias como forma de motivar os alunos à mudança Avaliação da implementação das DCNs e acompanhamento por facilitadores da ABENO Fortalecimento da ABENO dentro das IES

10 Falta de comprometimento e responsabilidade social dos atores Envolvimento/participação dos atores na construção, implantação e implementação das mudanças (gestão participativa) Pactuação do grupo em cumprir as metas estabelecidas Nós críticos Estratégias para superar os problemas Currículo Oculto

11 Nós críticos Estratégias para superar os problemas Parceria IES /Serviço Convênios com outras instituições, além do setor público (Ex: APAE; ONGs; Instituições asilares; entidades filantrópicas, etc) Valorizar e capacitar o profissional preceptor Falta de segurança em áreas extra- muros ???????????????????????????


Carregar ppt "GRUPO 4 Coordenadora: Hilda HildaParticipantes: Francisca Teresa- NOVAFAPI (Teresina-PI) Francisca Teresa- NOVAFAPI (Teresina-PI) Marina (Acadêmica da."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google