A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Fernanda Medeiros Gonçalves Méd. Vet., Drª em Produção Animal Profª Gestão Ambiental/UFPel.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Fernanda Medeiros Gonçalves Méd. Vet., Drª em Produção Animal Profª Gestão Ambiental/UFPel."— Transcrição da apresentação:

1 Fernanda Medeiros Gonçalves Méd. Vet., Drª em Produção Animal Profª Gestão Ambiental/UFPel

2 Mercado do frango verde

3 França: mercado de frango colonial já consolidado (40 anos) Semi-intensivo Rastreabilidade 30% do mercado de frangos

4 Quem é quem? (DOI/DIPOA 007/1999) Frango caipira/colonial – exploração comercial extensiva após 25 dias de idade, 3m² pasto/ave, alimentos de origem vegetal, proibido aditivos, linhagens específicas, idade mín abate 85 dias. Frango orgânico – exploração intensiva ou extensiva, alimentos e pintos orgânicos, instalações devem garantir o bem-estar, 10 aves/m² (aviário) e de 5 aves/m² (pastejo). Frango alternativo – intensiva, 30Kg/m², pode aditivos, vacinas, atender ao PNSA (qualidade certificada).

5 Quem é quem? (DOI/DIPOA 007/1999) Caipirão da ESALQ 7p Label Rouge (Brasil) Paraíso Pedrês EMBRAPA 041

6

7 Universidade Federal de Pelotas Conjunto Agrotécnico Visconde da Graça O mais rápido possível Pintinho suporta 48 horas Recomendável: <6 horas Cuidar ventilação Evitar frio Probiótico/Ração na caixa

8 Universidade Federal de Pelotas Conjunto Agrotécnico Visconde da Graça

9 Universidade Federal de Pelotas Conjunto Agrotécnico Visconde da Graça Ensinar a beber Não despejar, retirar um por um! Verificar temperatura Comportamento (frio, corrente de ar) Ambiente bem fechado

10 Práticas adequadas de manejo é a principal ferramenta para fazer a máquina funcionar

11 Manipulação no incubatório Oscilações térmicas Intervalo nascimento - alojamento Transporte Ambiente do aviário Adaptação a fonte hídrica e alimentar Condição imune Termorregulação Capacidade digestória Manipulação no incubatório Oscilações térmicas Intervalo nascimento - alojamento Transporte Ambiente do aviário Adaptação a fonte hídrica e alimentar Condição imune Termorregulação Capacidade digestória

12 Limpeza e desinfecção do aviário Respeitar período de vazio sanitário Manejo adequado de camas reutilizadas Número suficiente de comedouros e bebedouros Cama de boa procedência Boa altura de cama Sistema de aquecimento Dieta adequada

13 Organizando o galinheiro... Círculos de proteção

14 Aviário bem quentinho nos três primeiros dias Temperatura recomendada Sistemas de aquecimento Hora de ligar campânulas Posicionamento das campânulas Sistema termorregulatório pintinho

15 Recomendações...não é cartilha! Idade (semana)Temperatura (°C)UR (%) Silva, 2007.

16 Temperaturas constantes de 20, 25 e 35°C na 1ª semana (1-7 dias) Aves criadas a 20°C ganharam menos peso e consumiram menos ração Estresse por frio (20°C) reduziu o crescimento ósseo

17 De olho no pinto!

18 Universidade Federal de Pelotas Conjunto Agrotécnico Visconde da Graça FRIOQUENTENORMAL PiandoBico e asas abertos Silenciosos AglomeraçãoFuga do calorBem espalhados Problemas respiratórios DiarréiaAlimentação normal Empenamento fraco DesidrataçãoEmpenamento normal Alta mortalidade Mortalidade normal

19 Universidade Federal de Pelotas Conjunto Agrotécnico Visconde da Graça

20 Universidade Federal de Pelotas Conjunto Agrotécnico Visconde da Graça

21

22 Universidade Federal de Pelotas Conjunto Agrotécnico Visconde da Graça Casquinha de café Casquinha de arroz Maravalha

23 Ciênc. agrotec., Lavras, Maravalha, casca de café, casca de soja e sabugo de milho triturado Material da cama não interferiu no desempenho de frangos de corte

24 O importante é... Boa absorção; Material livre de contaminação; Espessura de cama; Preço; Fácil aquisição; Relação custo/benefício.

25 Fonte hídrica e alimentar acessíveis Tipos de comedouros/bebedouros Disposição dos equipamentos Manejo dos papéis na cama Estímulo ao consumo Ensinar onde está água e alimento Programa de luz

26 Cardápio Ração pré-inicial vs inicial Primeira semana representa 3% do total de consumo de ração 24 horas sem comer, 1 dia a mais para receber! Alimentação muda de lipoproteica para rica em carboidratos 3-4 dias para adaptação (carboidrases) Avaliação do lote

27 Fornecimento de ração balanceada (80%);

28 Dietas peletizadas ou fareladas 5 níveis de energia (2.800 a kcal/Kg) Peletizadas: melhor conversão alimentar Porém, maior mortalidade Arch. Latinoam. Prod. Anim (1): 6-11

29 Fornecidos 2 vezes/dia;

30 Apartir dos 29 dias de idade dos frangos; Engorda pode ir até 91 dias de idade Criados no galpão e com livre acesso ao piquete (bom senso); Poedeiras: luz natural até 10 semanas Após: luz natural no verão; luz natural+ artificial (13-14h)

31 10 aves/m² 3-5 m²/ave

32 Piquete cercado e com uma boa cobertura vegetal; Piquetes com disponibilidade de sombra; Áreas de pomares cercadas; Rodízio de piquetes;

33 Boa cobertura vegetal

34 Pesagens/mortalidade; Programa de luz; Consumo de ração; Vacinação; Visitas técnicas; Comercialização;

35 8-10h de jejum (calcular transporte e espera). Não exceder 12h! Consequências do tempo prolongado: Ingestão de cama Perda de peso Proliferação de Salmonella e Campylobacter Insensibilização inadequada Universidade Federal de Pelotas Conjunto Agrotécnico Visconde da Graça

36 Universidade Federal de Pelotas Conjunto Agrotécnico Visconde da Graça

37 Brasil: 1°exportador e signatário da OIE Animais não devem sofrer no período pré abate e no abate Universidade Federal de Pelotas Conjunto Agrotécnico Visconde da Graça

38 Priorizar o bem estar para evitar condenações! Universidade Federal de Pelotas Conjunto Agrotécnico Visconde da Graça

39

40 Baixa densidade de aves/caixa em dias quentes Início da manhã e fim de tarde Trajeto... Universidade Federal de Pelotas Conjunto Agrotécnico Visconde da Graça

41 Não mais do que 2h! Cobertura para espera Temperatura e ventilação Baixa iluminação Universidade Federal de Pelotas Conjunto Agrotécnico Visconde da Graça

42 Utilizar as duas patas Apoio para peito Redução da iluminação tempo entre pendura e insensibilização = 12s a 1min Eletronarcose em cubas de imersão (insensibilização em 15 milésimos de segundos) Universidade Federal de Pelotas Conjunto Agrotécnico Visconde da Graça

43 Tempo entre insensibilização e sangria não deve exceder 10s Universidade Federal de Pelotas Conjunto Agrotécnico Visconde da Graça

44 Recepção Atordoamento (insensibilização) Sangria Escaldagem Remoção de penas Corte da cabeça e pés Evisceração Resfriamento Gotejamento Classificação e embalagem Resfriamento/Congelamento/Armaz enamento Expedição

45 Universidade Federal de Pelotas Conjunto Agrotécnico Visconde da Graça


Carregar ppt "Fernanda Medeiros Gonçalves Méd. Vet., Drª em Produção Animal Profª Gestão Ambiental/UFPel."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google