A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

OFICINA 1 – PARTE A CURRÍCULO DE CIÊNCIAS, MATRIZ DE CNT.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "OFICINA 1 – PARTE A CURRÍCULO DE CIÊNCIAS, MATRIZ DE CNT."— Transcrição da apresentação:

1 OFICINA 1 – PARTE A CURRÍCULO DE CIÊNCIAS, MATRIZ DE CNT

2 Relacionar as atividades propostas no caderno do Professor/Aluno como necessárias para desenvolver as habilidades/competências avaliadas nos itens SARESP. Reconhecer o papel da mediação do professor para desenvolver as habilidades e competências dos alunos; OBJETIVOS:

3 LISTAR OS CONTEÚDOS E AS HABILIDADES CONTEMPLADOS NA QUESTÃO A SEGUIR.

4

5  OS CONTEÚDOS E AS HABILIDADES CONTEMPLADOS NA QUESTÃO ESTÃO PRESENTES NO CURRÍCULO PRESCRITO? (ANÁLISE DO MATERIAL FOTOCOPIADO) CURRÍCULO OFICIAL DO ESTADO DE SÃO PAULO

6

7

8

9  PAUTANDO-SE NA RELAÇÃO DE CONTEÚDOS E HABILIDADES APRESENTADA NO CURRÍCULO, COMO O PROFESSOR IRÁ GARANTIR A APRENDIZAGEM DO ALUNO? CURRÍCULO OFICIAL DO ESTADO DE SÃO PAULO

10 O professor não é o detentor absoluto do conhecimento ou a fonte oficial de saberes, como porque não interessa que os alunos absorvam passivamente os ensinamentos. A pedagogia de “depositar conhecimentos”, como se o aluno fosse folha em branco ou recipiente vazio deve dar lugar a uma educação fundada na ação de quem aprende, levando-se em consideração que: Informação disponível em várias categorias e fontes Aumento da quantidade de conhecimento produzido Incentivar o pensar e o expressar do estudante METODOLOGIA DO CURRÍCULO PAPEL DO PROFESSOR

11 METODOLOGIA DO CURRÍCULO No que se relaciona às diferentes linguagens desenvolvidas e utilizadas, no 6º ano e no 7º ano os conteúdos são especialmente informativos e descritivos, as representações são mais próximas do real, os gráficos cartesianos, assim como os histogramas, são mais simples e os códigos são os de uso cotidiano.

12 Já no 8º ano e no 9º ano, os conteúdos podem ser também explicativos e analíticos, as representações podem ser mais simbólicas, os gráficos cartesianos e histogramas podem ser mais complexos e os códigos científicos podem ser menos usuais. Currículo do Estado de São Paulo – CNT pág 34 a 36 METODOLOGIA DO CURRÍCULO

13

14

15  ESSES CONTEÚDOS E HABILIDADES APARECEM TRANSPOSTOS EM UMA SITUAÇÃO DE AVALIAÇÃO EXTERNA (AMOSTRA).  AS PRINCIPAIS HABILIDADES DESENVOLVIDAS POR MEIO DESTA SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM, SE RELACIONAM AOS GRUPOS DE COMPETÊNCIA- GI, GII, GIII. CURRÍCULO OFICIAL x MATERIAL DE APOIO (CADERNO DO PROFESSOR) x MATRIZ DO SARESP

16

17 Levantamento das concepções da S.A. Quais as etapas na construção da S.A. Organização das etapas obedecem as propostas de construção do conhecimento? (tempo para estudo/análise da SA)

18  COMO ESSES CONTEÚDOS E HABILIDADES APARECEM TRANSPOSTOS PARA UMA SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM? (ESTUDO DA ESTRUTURA DA S.A.)  É POSSÍVEL COMPREENDER E APROPRIAR-SE DA METODOLOGIA PROPOSTA NO CURRÍCULO OFICIAL FAZENDO USO DO MATERIAL DE APOIO (CADERNOS)? POR QUÊ?  ESTUDADA A SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM, É POSSÍVEL PERCEBER A PREOCUPAÇÃO COM O DESENVOLVIMENTO DE CONTEÚDOS E HABILIDADES? APONTE PARTES DA SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM EM QUE ISTO SE EVIDENCIA? (VOLTAR À S.A. E IDENTIFICAR AS EVIDÊNCIAS) CURRÍCULO OFICIAL x MATERIAL DE APOIO (CADERNO DO PROFESSOR)

19 ESTRUTURA DA SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM: PARTES RECORRENTES PARTE 1: SENSIBILIZAÇÃO E LEVANTAMENTO 1.DIAGNÓSTICO/SONDAGEM DAS REPRESENTAÇÕES DOS ALUNOS/LEVANTAMENTO DE CONHECIMENTOS PRÉVIOS. 1.1 PROBLEMATIZAÇÃO 1.2 CONTEXTUALIZAÇÃO 1.3 SISTEMATIZAÇÃO ORGANIZAÇÃO DOS CONHECIMENTOS EM TABELA: USO DA ELETRICIDADE NO COTIDIANO E APARELHOS ELÉTRICOS MAIS UTILIZADOS EM NOSSO DIA A DIA 1.4 CONTEXTUALIZAÇÃO: RELAÇÃO COM A REALIDADE DO ALUNO

20 ESTRUTURA DA SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM: PARTES RECORRENTES PARTE 1: SENSIBILIZAÇÃO E LEVANTAMENTO 1. 5 SISTEMATIZAÇÃO: CLASSIFICAÇÃO A PARTIR DE SEMELHANÇAS E DIFERENÇAS PROBLEMATIZAÇÃO PARA EXEMPLIFICAÇÃO E DEFINIÇÃO DE CRITÉRIOS CONSTRUÇÃO DE CRITÉRIOS PELOS ALUNOS CLASSIFICAR/AGRUPAR POR CATEGORIAS ORGANIZAÇÃO DOS DADOS EM TABELA (CLASSIFICAÇÃO DOS APARELHOS ELÉTRICOS CONFORME SEUS USOS/ DE ACORDO COM O QUE PRODUZEM, QUANDO EM FUNCIONAMENTO)

21 ESTRUTURA DA SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM: PARTES RECORRENTES PARTE 1: SENSIBILIZAÇÃO E LEVANTAMENTO 1.6 SUGESTÃO DE ATIVIDADE EXTRA AUXILIAR NO DESENVOLVIMENTO DA HABILIDADE DE CLASSIFICAR/ORGANIZAR DE ACORDO COM CRITÉRIOS PROPOSTA DE APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS: EXPLANAÇÃO SOBRE A CLASSIFICAÇÃO REALIZADA E CRITÉRIOS UTILIZADOS (GIII) 1.7 PROBLEMATIZAÇÃO 1.8 DIAGNÓSTICO/LEVANTAMENTO DE CONHECIMENTOS PARA APROFUNDAMENTO E EVOLUÇÃO CONCEITUAL 1.9 AVALIAÇÃO DAS HIPÓTESES DOS ALUNOS PARA CONTINUIDADE DO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM

22 ESTRUTURA DA SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM: PARTES RECORRENTES PARTE 2: CONSUMO DE ENERGIA POTÊNCIA ELÉTRICA E RELÓGIO DE LUZ 2. INTRODUÇÃO DE NOVOS CONCEITOS (POTÊNCIA/UNIDADE DE MEDIDA DE ENERGIA) 2.1 CONTEXTUALIZAÇÃO: EXEMPLIFICAÇÃO DE DADOS TÉCNICOS TABELA RETIRADA DE MANUAL DE INSTRUÇÃO : IDENTIFICAÇÃO DE DADOS RELATIVOS AO CONCEITO DE POTÊNCIA, EM MEIO A OUTRAS INFORMAÇÕES RELATIVAS A OUTROS CONCEITOS (EX.: TENSÃO ELÉTRICA, FREQUÊNCIA, CAPACIDADE, ETC) - GI OBSERVAÇÃO E IDENTIFICAÇÃO DOS DADOS REFERENTES AO CONCEITO DE POTÊNCIA EM CHAPINHAS OU ETIQUETAS AFIXADAS NOS PRÓPRIOS APARELHOS ELÉTRICOS, EMBALAGENS OU MANUAIS DE INSTRUÇÃO (GI) POSSIBILIDADE DE AMPLIAÇÃO DO CONHECIMENTO POSSIBILIDADE DE OBSERVAÇÃO DE OUTROS DADOS (EM ETIQUETAS, EMBALAGENS E MANUAIS), REFERENTES A OUTROS CONCEITOS (GI) POSSIBILIDADE DE COMPARAÇÃO ENTRE OS DADOS TÉCNICOS DE UM DETERMINADO APARELHO ELÉTRICO (EX.: MICRO-ONDAS) E OUTROS (EX.: FERRO DE PASSAR, GELADEIRA, ETC)

23 ESTRUTURA DA SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM: PARTES RECORRENTES PARTE 2: CONSUMO DE ENERGIA POTÊNCIA ELÉTRICA E RELÓGIO DE LUZ 2.2 PROBLEMATIZAÇÃO E SONDAGEM: COMO É MEDIDO O CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA 2.3 CONTEXTUALIZAÇÃO: OBSERVAÇÃO DO RELÓGIO DE LUZ 2.4 EVOLUÇÃO CONCEITUAL: RELAÇÃO ENTRE POTÊNCIA DOS EQUIPAMENTOS E CONSUMO DE ENERGIA 2.5 PROPOSTA DE ROTEIRO PARA EXECUÇÃO DE ATIVIDADE EM CASA: EXPERIMENTAÇÃO/LEITURA DE TEXTO INSTRUCIONAL E APLICAÇÃO DE CONCEITOS ESTUDADOS EM SITUAÇÕES REAIS OBSERVAR/REALIZAR (GI, GII): PASSOS 1, 2, 3 e 4 / PASSO 5: SISTEMATIZAÇÃO DOS DADOS OBSERVADOS (GII), ORDENANDO OS APARELHOS EM ORDEM CRESCENTE DE CONSUMO. TRANSIÇÃO PARA GIII (COMPREENDER) APROFUNDAMENTO DO TEMA UTILIZAÇÃO DOS CONHECIMENTOS EM OUTRAS CIRCUNSTÂNCIAS LEITURA DE DADOS EM DIFERENTES MATERIAIS/GÊNEROS TEXTUAIS E PORTADORES

24 ESTRUTURA DA SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM: PARTES RECORRENTES PARTE 2: CONSUMO DE ENERGIA POTÊNCIA ELÉTRICA E RELÓGIO DE LUZ CONSTATAÇÃO DE RELAÇÃO ENTRE A POTÊNCIA DOS APARELHOS E MOVIMENTO DO GIRO DO RELÓGIO DE LUZ (GII- POSSIBILIDADE DE TRANSIÇÃO PARA GIII) POSSIBILIDADE DE CONSTATAÇÃO DE RELAÇÃO ENTRE A POTÊNCIA DOS APARELHOS E GASTO DE ENERGIA (GII- POSSIBILIDADE DE TRANSIÇÃO PARA GIII) 2.6 EVOLUÇÃO CONCEITUAL: “POTÊNCIA MÉDIA” SISTEMATIZAÇÃO OBSERVAÇÃO DE DADOS EM TABELA COMPARAÇÃO DAS INFORMAÇÕES DA TABELA COM OS DADOS OBSERVADOS PELO GRUPO DE ALUNOS: EX. MÉDIA DA POTÊNCIA DOS SECADORES DE CABELO OBSERVADOS PELOS ALUNOS; MÉDIA DA POTÊNCIA DOS LIQUIFICADORES, ETC. COMPLEMENTAÇÃO DA TABELA COM DADOS TRAZIDOS PELOS ALUNOS.

25 ESTRUTURA DA SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM: PARTES RECORRENTES PARTE 2: CONSUMO DE ENERGIA POTÊNCIA ELÉTRICA E RELÓGIO DE LUZ 2.7 CONCLUSÃO/CONSIDERAÇÕES PESSOAIS E COLETIVAS: GIII (CAPACIDADE DE ANALISAR, EXPLICAR, TIRAR CONCLUSÕES SOBRE O PERCURSO ESTUDADO) CONCLUSÕES ESPERADAS: A RAPIDEZ DO GIRO DO RELÓGIO DE LUZ ESTÁ ASSOCIADA AO CONSUMO DE ENERGIA – QUANTO MAIS RÁPIDO O MOVIMENTO MAIOR O GASTO -; A MAIOR OU MENOR POTÊNCIA DO APARELHO DETERMINA O MOVIMENTO DO GIRO; OS APARELHOS ELÉTRICOS CONSOMEM MAIS OU MENOS ENERGIA CONFORME SUAS FUNÇÕES, DADA TRÊS CATEGORIAS – UTILIZADOS PARA AQUECER; MOVIMENTAR E COMUNICAR. -OS APARELHOS ELÉTRICOS ORDENADOS POR POTÊNCIA MÉDIA PODERÃO LEVÁ-LOS A ESSA CONCLUSÃO; É POSSÍVEL SOLICITAR, AINDA, QUE, DIANTE DE CADA APARELHO, SEJA POSTA SUA FUNÇÃO: AQUECER, RESFRIAR, PRODUZIR MOVIMENTO, COMUNICAR, ETC. 2.8 PROGRESSÃO DA APRENDIZAGEM/EVOLUÇÃO CONCEITUAL: OUTROS ASPECTOS QUE INFLUENCIAM O CONSUMO DE ENERGIA: O TEMPO APROFUNDAMENTO DO TEMA UTILIZAÇÃO DOS CONHECIMENTOS EM OUTRAS CIRCUNSTÂNCIAS LEITURA DE DADOS EM DIFERENTES MATERIAIS/GÊNEROS TEXTUAIS E PORTADORES

26 ESTRUTURA DA SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM: PARTES RECORRENTES PARTE 2: CONSUMO DE ENERGIA POTÊNCIA ELÉTRICA E RELÓGIO DE LUZ 2.8 PROBLEMATIZAÇÃO PARA PROGRESSÃO DA APRENDIZAGEM/EVOLUÇÃO CONCEITUAL: QUAIS OUTROS ASPECTOS PODEM INFLUENCIAR O CONSUMO DE ENERGIA? POSSIBILIDADES: O TEMPO DE USO DOS APARELHOS (VERIFICAR NOVAMENTE MANUAIS E OBSERVAR CONSUMO POR HORA, MÊS, ETC; CALCULAR O GASTO). LÂMPADAS INCANDESCENTES/FLUORESCENTES SURGIMENTO DE QUESTÕES REFERENTES A CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA E IMPACTO AMBIENTAL 2.9 SÍNTESE E FECHAMENTO (GIII): RECONSTRUÇÃO DO ITINERÁRIO DE APRENDIZAGEM SONDAGEM DO QUE FOI APRENDIDO E DAS DÚVIDAS RESTANTES, REDIRECIONAMENTO DO PROCESSO.

27 OFICINA 1 – PARTE B MOMENTOS E INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO PREVISTOS E POSSÍVEIS

28 QUAIS OS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO CONTEMPLADOS E QUAIS OS MOMENTOS?

29 PARTE B: MOMENTOS E INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO PREVISTOS E POSSÍVEIS PARTE 1: AVALIAÇÃO OCORRERÁ DE FORMA CONTÍNUA. 1. PARTICIPAÇÃO EFETIVA DOS ALUNOS NAS ATIVIDADES EM GRUPO 2. INTERAÇÃO NOS MOMENTOS DE PROBLEMATIZAÇÃO E SONDAGEM 3. ELABORAÇÃO DE TABELAS EM GRUPOS: TABELA 1: USO DA ELETRICIDADE NO COTIDIANO TABELA 2: LISTA DE APARELHOS ELÉTRICOS UTILIZADOS EM NOSSO COTIDIANO TABELA 3: CLASSIFICAÇÃO DE APARELHOS ELÉTRICOS CONFORME SUAS FUNÇÕES/USOS CONSTRUÇÃO DE CRITÉRIOS CLASSIFICAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DA TABELA 4. APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS: EXPLANAÇÃO ORAL DA CLASSIFICAÇÃO FEITA E ARGUMENTAÇÃO SOBRE OS CRITÉRIOS CONSTRUÍDOS PARA CATEGORIZAÇÃO DOS APARELHOS ELÉTRICOS 5. AVALIAÇÃO DAS HIPÓTESES DOS ALUNOS SOBRE “COMO É FEITO O CÁLCULO DE CONSUMO DE ENERGIA” DOS APARELHOS ELÉTRICOS (GRANDEZAS E METODOLOGIAS)

30 PARTE B: MOMENTOS E INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO PREVISTOS E POSSÍVEIS PARTE 2: AVALIAÇÃO OCORRERÁ DE FORMA CONTÍNUA. 1. PARTICIPAÇÃO EFETIVA DOS ALUNOS NAS ATIVIDADES EM GRUPO 2. INTERAÇÃO NOS MOMENTOS DE PROBLEMATIZAÇÃO, SONDAGEM E EXPERIMENTAÇÃO 3. ATIVIDADE PARA CASA: RELÓGIO DE LUZ (P.13) REGISTRO DAS OBSERVAÇÕES FEITAS DURANTE O EXPERIMENTO (INDIVIDUAL) AMPLIAÇÃO DO REGISTRO E CONSIDERAÇÕES (INDIVIDUAL) TABELA 1: ORDENAÇÃO DOS APARELHOS TESTADOS EM ORDEM CRESCENTE DE CONSUMO DE ENERGIA (INDIVIDUAL) 4. APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS DAS OBSERVAÇÕES: (EM GRUPOS): COMPARAÇÃO TABELA 2: SISTEMATIZAÇÃO DOS RESULTADOS DAS OBSERVAÇÕES DO GRUPO, APÓS COMPARAÇÃO (APARELHOS TESTADOS/POTÊNCIA/ORDENAÇÃO CRESCENTE OU DECRESCENTE)- COMPREENSÃO DO CONCEITO DE POTÊNCIA MÉDIA.

31 PARTE B: MOMENTOS E INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO PREVISTOS E POSSÍVEIS 5.CONCLUSÕES DO GRUPO (POR ESCRITO) SOBRE AS CARACTERÍSTICAS COMUNS DOS APARELHOS QUE MAIS CONSOMEM ENERGIA E DOS QUE MENOS A CONSOMEM. 6. APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS: EXPLANAÇÃO ORAL DAS CONCLUSÕES E JUSTIFICATIVAS PARA AS CONCLUSÕES POSTAS OU HIPÓTESES LEVANTADAS. 7. PROBLEMATIZAÇÃO (FINAL P. 14), SEGUIDA PRODUÇÃO DE TEXTO (HQ, PANFLETO INFORMATIVO, VÍDEO – CAMPANHA, ETC): VERIFICAÇÃO DOS CONTEÚDOS CONCEITUAIS, FACTUAIS, PROCEDIMENTAIS E, AGORA, ATITUDINAIS APREENDIDOS MEDIANTE O DESENVOLVIMENTO DA SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM EM QUESTÃO. 8. SÍNTESE: RECONSTRUÇÃO DO PROCESSO DE APRENDIZAGEM PERCORRIDO - OBSERVAÇÕES, APLICAÇÃO DE CONCEITOS E TÉCNICAS, CONCLUSÕES, ENTRE OUTROS ASPECTOS (PRODUÇÃO DE SÍNTESE EM GRUPOS)


Carregar ppt "OFICINA 1 – PARTE A CURRÍCULO DE CIÊNCIAS, MATRIZ DE CNT."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google