A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

MOTIVAÇÃO. Conjunto de forças que sustentam, regulam e orientam as ações de um organismo para determinados fins. MOTIVAÇÃO Desejos, necessidades e interesses.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "MOTIVAÇÃO. Conjunto de forças que sustentam, regulam e orientam as ações de um organismo para determinados fins. MOTIVAÇÃO Desejos, necessidades e interesses."— Transcrição da apresentação:

1 MOTIVAÇÃO

2 Conjunto de forças que sustentam, regulam e orientam as ações de um organismo para determinados fins. MOTIVAÇÃO Desejos, necessidades e interesses que o comportamento orientado para um fim procura satisfazer. MOTIVO

3 Toda necessidade cria um estado de tensão e uma predisposição à ação. A motivação leva o indivíduo ao comportamento visando satisfazer suas necessidades. Havendo a satisfação da necessidade, o indivíduo chega ao seu equilíbrio (temporário). Caso um comportamento ou ação não leve à satisfação da necessidade (barreira), há a frustração. Esta, podendo levar a reações emocionais diversas: agressividade, inércia, omissão, aceitação ou alienação. Com isso, cria-se o ciclo motivacional.

4 Ciclo Motivacional Barreira

5 TEORIAS DA MOTIVAÇÃO Maslow Teoria das Necessidades Maslow Teoria das Necessidades Herzberg Teoria Bilateral Herzberg Teoria Bilateral Alderfer ECR Alderfer ECR Vroom Avaliação Cognitiva Vroom Avaliação Cognitiva

6 Abraham Harold Maslow ( ) Organizou a hierarquia das necessidades humanas, em 05 (cinco) níveis, baseadas em dois grupos: Necessidades Básicas Necessidades de Crescimento Maslow via o homem como uma criatura que expande as suas necessidades no decorrer da vida. À medida que o homem satisfaz suas necessidades básicas, outras mais elevadas tomam o predomínio do comportamento. TEORIAS DAS NECESSIDADES

7 Desafios mais complexos, trabalho criativo, autonomia, participação nas decisões. Reconhecimento, promoções, responsabilidade por resultados, comprometimento, etc. Bom clima, respeito, aceitação, interação com os colegas, superiores e clientes, etc. Segurança no trabalho e pessoal, amparo legal, estabilidade, etc. Alimentação, moradia, conforto físico, sexo, descanso, lazer, etc. Necessidades Básicas Necessidades de Crescimento Fisiológicas Segurança Afetivo-social Auto-estima Auto Realização

8 Alimento Repouso Abrigo Sexo Relaciona- mento Amizade Aceitação Afeição Compreensão Consideração Proteção contra: Perigo Desemprego Discriminação profissional Política adm. imprevisível Satisfação do ego Orgulho Status e pres- tígio Auto-respeito Reconheci- mento Confiança Progresso Apreciação Admiração dos colegas Desafios Desenvolvi- mento Excelência pessoal e profissional Competência Autonomia Decisões Fisiológicas Segurança Auto-Realização Estima Sociais Hierarquia das necessidades de Maslow

9 1 – Necessidades Fisiológicas São as que respondem pela manutenção da vida e conservação da espécie, como as de alimentação, de moradia e de sexo.

10 2 – Necessidades de Segurança Este grupo de necessidades compreende o desejo do indivíduo de proporcionar para si e para os seus um ambiente físico e emocional seguro e livre de ameaças. 3- Necessidades Sociais Vinculam-se à vontade da pessoa de ser aceita por outras de seu convívio, bem como de desenvolver com as mesmas, um relacionamento amistoso.

11 4 – Necessidades de auto-estima Correspondem ao desejo da pessoa de desenvolver uma auto-imagem positiva e de receber atenção e reconhecimento dos outros, desde que tenham sido satisfeitas as necessidades sociais, a satisfação das necessidades provoca, por sua vez, sentimentos de auto-confiança, de prestigio, de poder e de ser útil e necessário.

12 Após terem sido satisfeitas as necessidades de estima, surgem as de auto-realização, que correspondem a categoria mais alta na escala, que se referem à realização máxima do potencial individual e, segundo Maslow, resumem-se na idéia de que O que um homem é capaz de ser, deve ser. A essa necessidade podemos dar o nome de auto- realização. 5 – Necessidades de Auto-Realização

13 Teoria dos dois Fatores de Herzberg Frederick Herzberg, americano, identificou dois fatores que orientam o comportamento humano em situação de trabalho: Fatores Motivacionais e Fatores Higiênicos. Fatores MotivacionaisFatores Higiênicos Conteúdo do cargo (como a pessoa se sente em relação ao seu cargo) Contexto do cargo (como a pessoa se sente em relação a sua empresa) 1. Trabalho em si1. Condições de trabalho 2. Realização2. Administração da empresa 3. Reconhecimento3. Salário 4. Progresso profissional4. Relações com o supervisor 5. Responsabilidade5. Benefícios e serviços sociais

14 Fatores que afetam a Motivação NÃO SATISFAÇÃOSATISFAÇÃO FATORES HIGIÊNICOS Extrínsecos. SATISFAÇÃO Intrínsecos. Política da Empresa; Supervisão; Salários; Condições de Trabalho; Relacionamentos com colegas. Realização; Reconhecimento a atividade; Responsabilidade; Crescimento.

15 Fatores Higiênicos Estes fatores referem-se às condições que rodeiam o funcionário enquanto trabalha, as condições físicas e ambientais de trabalho, o salário, os benefícios sociais, as políticas da empresa, os tipo de supervisão recebido, o clima de relações entre a direção e os funcionários, os regulamentos internos, as oportunidades existentes, etc. Herzberg, contudo, considera esse Fatores Higiênicos muitos limitados na sua capacidade de influenciar poderosamente o comportamento dos empregados. Quando esses fatores do ambiente de trabalho são ótimos, simplesmente evitam a insatisfação.

16 Fatores Motivacionais Estes fatores referem ao conteúdo do cargo, às tarefas e aos deveres relacionados com a função em si. São os Fatores Motivacionais que produzem algum efeito duradouro de satisfação e de aumento de produtividade em níveis de excelência. O termo motivação, para Herzberg, envolve sentimentos de realização, de crescimento e de reconhecimento profissional. Quando os Fatores Motivacionais são ótimos, elevam substancialmente a satisfação, quando são precários, provocam ausência de satisfação.

17 Modelo ERC - Alderfer Clayton Alderfer Paul (nascido em 01 de setembro de 1940), americano, psicólogo. Em sua teoria ERG (Relatedness Existência e Crescimento) em inglês e ERC (Existência, Relacionamento e Crescimento). Alderfer redefiniu e expandiu ainda mais a hierarquia de Necessidades de Maslow agrupando-a em três classes: Existência (E) – Que inclui as necessidades de bem- estar fisiológico e de segurança; Relacionamento (R) – Que reúne as necessidades sociais e de estima; e Crescimento (C) – Que equivale à necessidade de auto- realização, desejo de crescimento e desenvolvimento pessoal.

18 Teoria ERC – Clayton Alderfer Crescimento Relacionamento Existência Auto Realização Auto-estima Estima de Terceiros Afetivo-social Segurança Fisiológicas

19 Avaliação Cognitiva Victor H. Vroom, nasceu em1932 em Montreal, Canadá, é professor universitário. Nas suas pesquisas sobre a Teoria da Expectativa e Motivação tenta explicar por que os indivíduos escolhem seguir determinados cursos de ação nas organizações, particularmente nos processos de decisão e liderança. Para Victor Vroom, motivação é o processo que governa a escolha de comportamentos voluntários alternativos.

20 Vroom salienta que motivação em uma empresa depende de 03 (três) fatores determinantes, a saber: Expectativas, Recompensas e Relação entre Expectativas e Recompensas. Motivação Expectativas Relação Recompensas

21 Expectativa – Isto é, objetivos individuais e a força do desejo de atingir tais objetivos. Os objetivos individuais podem incluir dinheiro, segurança no cargo, aceitação social, reconhecimento, trabalho interessante e uma infinidade de combinações de objetivos que uma pessoa pode procurar satisfazer simultaneamente dentro da empresa. Expectativa Probabilidade

22 Recompensas – isto é, a relação percebida entre a sua produtividade e o alcance dos objetivos individuais. Se uma pessoa tem por objetivo mais importante obter salário maior e se trabalha na base de remuneração por produção, poderá ter uma forte motivação para produzir mais devido à recompensa percebida. Porém, se sua aceitação social pelos outros colegas de grupo é mais importante, ela poderá produzir abaixo do nível consagrado pelo grupo como padrão informal de produção, uma vez que produzir mais nesta situação poderá significar a rejeição do grupo.

23 Relações entre Expectativas e Recompensas – Isto é, a capacidade percebida de influenciar a sua produtividade para satisfazer suas expectativas com as recompensas. Se uma pessoa acredita que um grande esforço aplicado tem pouco efeito sobre o resultado, tenderá a não se esforçar muito, pois não percebe relação entre nível de produtividade e recompensa, isto é, entre custo e benefício, ente investimento pessoal e retorno.

24 Motivação de produzir é função de: Força do desejo de alcançar os objetivos individuais Relação percebida entre produtividade e o alcance dos objetivos individuais Capacidade percebida de influenciar o seu próprio nível de produtividade Expectativas Recompensas Relação entre expectativas e recompensas Assim o nível de produtividade individual depende da inter-relação entre esses três fatores determinantes, como mostra a figura abaixo.

25 Supõem também que há sempre uma melhor maneira de motivar as pessoas e que o gerente deve utilizá-la padronizadamente. Na verdade, as pesquisas têm demonstrado que diferentes pessoas reagem de diferentes maneiras de acordo com a situação em que se encontram. Alguns autores salientam que tanto as diferenças individuais, como as diferentes situações devem ser consideradas em toda abordagem motivacional. As teorias baseadas na necessidade humana supõem uma estrutura uniforme e hierárquica de necessidades comuns a todas as pessoas.

26 Atingiu os objetivos? Alcançou o sucesso? E agora, o que fazer?

27 Só vida mansa!! Oiée!


Carregar ppt "MOTIVAÇÃO. Conjunto de forças que sustentam, regulam e orientam as ações de um organismo para determinados fins. MOTIVAÇÃO Desejos, necessidades e interesses."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google