A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Gestão Estratégica nos mercados-como-redes Luis Mota de Castro, Março 2013.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Gestão Estratégica nos mercados-como-redes Luis Mota de Castro, Março 2013."— Transcrição da apresentação:

1 Gestão Estratégica nos mercados-como-redes Luis Mota de Castro, Março 2013

2 Sumário O que são mercados-como-redes

3 Pressupostos usuais quanto à Gestão Estratégica As perspectivas usuais quanto à Gestão Estratégica pressupõem que: – A empresa existe e funciona num mercado, onde adquire recursos ao melhor custo e onde vende os bens e serviços que produz ao melhor preço; – Nesse mercado, os agentes decidem com base na relação qualidade/preço;

4 A empresa no mercado clássico Empresa Cliente concorren te Concorrente Fornecedor Mercado de RecursosMercado de Produtos/serviços

5 Uma definição operativa de estratégia vantagens competitivas sustentáveis num ambiente em mudança objectivo de satisfazer as expectativas dos stakeholders Estratégia é a direcção de desenvolvimento e o âmbito horizontal e vertical da organização no longo-prazo, estabelecidos de modo a ela obter vantagens competitivas sustentáveis num ambiente em mudança, através da configuração dos seus recursos e competências, com o objectivo de satisfazer as expectativas dos stakeholders Johnson, Scholes & Whittington, Exploring Corporate Strategy, 8th ed, FT-Prentice hall

6 A Gestão Estratégica trata: da direcção da empresa no longo-prazo do âmbito (das actividades) da organizaçãore da obtenção e a sustentabilidade de vantagens sobre os concorrentes da forma de lidar com as mudanças no ambiente da empresa de desenvolver e construir recursos e competências (competências) de satisfazer os valores e expectativas dos stakeholders que afectam de forma sustentada o resultado das decisões/acções operacionais

7 As Decisões Estratégicas São complexas por natureza Envolvem incerteza e/ou Afectam as decisões operacionais Requerem uma abordagem integrada por parte da organização – obrigam a considerar outros interesses (stakeholders) Envolvem mudanças consideráveis

8 Objectivo estratégico (Pressuposto Usual) – O objetivo a longo prazo prosseguido pela empresas é maximizar a sua vantagem competitiva sustentada (lucro anormal); – São decisões estratégicas, que visam maximizar o lucro: Decidir qual gama de produtos / serviços (bem caracterizados) produzir e vender para que mercados (conhecidos e estatisticamente homogéneos); Decidir que recursos e competências (nucleares) manter próprios e quais externalizar (uns e outros bem definidos); Decidir o âmbito da organização : quais atividades fazer fora e quais dentro das suas fronteiras; Decidir desenvolver as competências estratégicas que vai necessitar internamente ou obtê-las de fora. – Fora e dentro são assumidamente fáceis de distinguir; – A organização toma suas decisões estratégicas de forma autónoma e racional, com base em análises sistemáticas.

9 Outros pressupostos implícitos nas perspectivas usuais Os mercados são anônimos – os compradores (tal como os fornecedores) só se distinguem, em cada momento, pelos preços que estão dispostos as pagar e pelas quantidades que se dispõem a comprar a esses preços – é igual vender a um ou a outro; Os mercados não têm memória – não há aprendizagem nem dependência de percurso – não há fidelização de clientes; Os recursos/competências são objetiva e facilmente identificáveis e inventariáveis e não é problematico identificar a contribuição de cada um para o valor produzido pela empresa; Não é problemático saber quem é o dono de quais recursos ou competências (quem vai ser remunerado – obter rendas devido à contribuição de cada recurso para o facturamento) Não é problematico saber quais os recursos/competências de que vamos precisar no futuro nem quanto vão custar, obtidos no mercado de factores.

10 Uma visão alternativa: Mercados-como-redes (pressupostos) Os mercados B2B para muitas actividades NÃO são anónimos e muitas vezes um fornecedor ou cliente NÃO pode ser substituido facilmente por outro; cada empresa INTERAGE e APRENDE com os seus clientes e fornecedores e essa aprendizagem bilateral é única em cada relacionamento; As empresas co-especializam-se e ficam muito interdependentes; nestes casos o mercado deixa de ser externo á empresa (ele não é dado – as empresas, em interação, constroem as redes de que fazem parte;

11 Interacção Clientes individuais

12 Interacção Fornecedores individuais

13 Formação de Redes

14 As interacções entre cada par de empresas – As interacções entre cada par de empresas desenvolvem-se em relacionamentos que envolvem: Ligações entre actividades executadas por uma e outra empresa Laços entre recursos detidos por cada empresa ou pelo conjunto delas Compromissos entre actores (individuos ou grupos nas empresas) – Connectividade: a eficiência e mesmo a eficácia de algumas destas conexões depende de outras conexões específicas, algumas delas só indirectamente connectadas.

15 Formação de Redes

16 Consequências 1/3 A rede de empresas é um contexto, mais do que um ambiente e, nestes contextos (Baraldi et al, 2007): – A estratégia de uma empresa baseia-se no seu desempenho nas suas interacções com as suas contrapartes principais. – A estratégia é definida por Snehota como sendo o padrão das actividades determinantes dos ganhos num contexto de trocas de mercado (Snehota, 1990:164, sublinhado nosso). – Se a estratégia é o padrão emergente mas duradouro de actividades (da empresa e das suas contrapartes) que determinam os seus ganhos, então a gestão estratégica será o conjunto das iniciativas que visem dirigir e influenciar a estrutura dessas actividades, tanto as exercidas pela empresa como as exercidas pelas suas contrapartes.

17 Consequências (continuação) – Essas interacções envolvem pessoas chave (engenheiros, designers, gestores intermédios) das empresas envolvidas. – Estas pessoas são tão essenciais como os gestores de topo para a formação de estratégias. – Todos os esforços dirigidos a alterar a estrutura das actividades produtoras de valor, são conduzidos pelas leituras que os vários actores fazem das situações (existentes e desejadas) e pelos seus esforços em persuadirem outros actores.

18 Consequências (conclusão) – Como essas leituras envolvem um alto grau de subjectividade, então cada acto de caracterização de uma estratégia ou de persuação será um acto de reconstrução da estratégia (Snehota, 1990:164). – A formação das estratégias, neste contexto, dá-se por um processo cumulativo de: construção de entendimentos - -> geração de acção - - > comprometimento na acção, processo esse que pode envolver doses substanciais de tentativa e erro. – Também predominante nestes processos é a noção de posição (ou papel percebido) de cada actor na rede e as iniciativas visando a sustentação ou mudança de posições.

19 Referências Abrahamsen, M. H., Henneberg, S. C., Naudé, P. (2012) Using actors' perceptions of network roles and positions to understand network dynamics, Industrial Marketing Management, 41 : Araujo, L., Dubois, A., Gadde, L.-E (1999) Managing Interfaces with Suppliers, Industrial Marketing Management, 28 : Araujo, L., Dubois, A., Gadde, L.-E (2003) The Multiple Boundaries of the Firm, Journal of Management Studies, 40 : Baraldi, E., Brennan, R., Harrison, D., Tunisini, A., Zolkiewski, J. (2007) Strategic thinking and the IMP approach: a comparative analysis, Industrial Marketing Management, 36 :


Carregar ppt "Gestão Estratégica nos mercados-como-redes Luis Mota de Castro, Março 2013."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google