A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

“Recursos Humanos em contexto de mudanças” Apresentação: Diva Aoki Ass. Técn. Planej. de Ações de Saúde Rita Kietis Diretor Técnico de RH.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "“Recursos Humanos em contexto de mudanças” Apresentação: Diva Aoki Ass. Técn. Planej. de Ações de Saúde Rita Kietis Diretor Técnico de RH."— Transcrição da apresentação:

1 “Recursos Humanos em contexto de mudanças” Apresentação: Diva Aoki Ass. Técn. Planej. de Ações de Saúde Rita Kietis Diretor Técnico de RH

2

3 • Lei Eloy Chaves: a criação de Caixas de Aposentadorias e Pensões (CAPs) nas empresas ferroviárias • Entre 1934 e 1945 surgiram os Institutos de Aposentadorias e Pensões de diversas categorias (marítimos, bancários, da estiva, comerciários, industriários e dos transportadores de carga), os IAPs garantiam também a prestação de assistência médica p/ seus filiados e dependentes. • 1953 – Criação do Ministério da Saúde • Lei Orgânica da Previdência Social – criada para diminuir a disparidade existente entre as categorias profissionais e a unificação da previdência, uniformizou as contribuições e os planos de benefícios dos diversos institutos. • 1966 – Criação do INPS que reuniu em uma mesma estrutura seis Institutos de Aposentadorias e Pensões até então existentes. • Sistema Nacional de Previdência e Assist. Social – SINPAS. Criaram-se duas autarquias: INAMPS e IAPAS. O INAMPS passou a prestar assistência médica aos servidores civis da União, aos trabalhadores urbanos e aos trabalhadores rurais. • 1979 – Realização do I Simpósio sobre Política Nacional de Saúde. • 1986 – Realização da 8ª Conferência Nacional de Saúde (aberta ao público)

4 • Criado o Programa de Desenvolvimento de Sistemas Unificados e Descentralizados de Saúde dos Estados – SUDS que visava a consolidação e o desenvolvimento qualitativo das ações integradas de saúde, descentralizando as atividades do INAMPS. • Promulgada a nova Constituição, dá-se origem ao conceito de Seguridade Social. • 1990 – Criação do Instituto Nacional de Seguro Social – INSS, autarquia federal, mediante a fusão do INPS e do IAPAS, e o deslocamento do INAMPS para o Ministério da Saúde. A Lei Orgânica da Saúde (Lei 8080/90) que criou o Sistema único de Saúde – SUS. • Lei Complementar nº 674 que Institui Plano de Cargos, Vencimentos e Salários para a Secretaria da Saúde de SP e Autarquias a ela vinculadas e institui o Sistema de Gratificações da Saúde. • Lei Complementar nº 712 que Institui Plano Geral de Cargos, Vencimentos e Salários para os servidores de SP das classes administrativas. • 2007 – Lei Complementar nº 1010 que cria a São Paulo Previdência - SPPREV, entidade gestora do Regime Próprio de Previdência dos Servidores Públicos - RPPS e do Regime Próprio de Previdência dos Militares do Estado de São Paulo – RPPM. • Lei Complementar nº 1080 que institui Plano Geral de Cargos, Vencimentos e Salários para os servidores das classes administrativas de SP. • 2009 – temos cadastrados no banco de dados 662 mil servidores estaduais em São Paulo com 860 regras diferentes para calcular salários e descontos. São na Secretaria de Estado da Saúde. São na Secretaria de Estado da Saúde.

5 À medida em que a sociedade vai evoluindo com novas descobertas científicas e adoção de novas filosofias, as verdades absolutas vão deixando de se tornarem irrefutáveis no nosso intelecto. A esta mudança chama-se “Mudança de Paradigma”, a qual nos permite conceber novas hipóteses de vida.

6 O trabalho é, desse modo, o esforço realizado, e também a capacidade de reflexão, criação e coordenação. Nas sociedades européias, depois da Idade Média, a idéia do trabalho regular se impõe aos poucos. É o início do Capitalismo. Essa nova concepção vai além da atividade agrícola marcada pelos ciclos da natureza. À medida que se aprofundam as relações típicas da sociedade capitalista, ocorre a valorização do capital, com a transformação de insumos em produtos, em mercadorias e em lucros. A palavra trabalho deriva do latim tripalium, objeto de três paus aguçados utilizado como instrumento de tortura e na agricultura. Da idéia de “sofrer” passou-se à de “esforçar-se”, “lutar” e, enfim, a transformação da natureza em produtos ou serviços, portanto em elementos de cultura.

7 Os donos do capital se apropriam dos meios de produção, o que significa que eles compram, com salários, a força de trabalho. As longas jornadas são definidas pelo capital e perdem a relação natural com o movimento da Terra, com as estações do ano ou clima. As pequenas oficinas onde se produziam os artefatos vão perdendo espaço para o surgimento das fábricas. As guildas ou as corporações de ofício, que reuniam mestres e artesãos, começam a tomar a forma dos primeiros sindicatos. Fábrica é o lugar onde os trabalhadores eram reunidos para executar diferentes tarefas para produzir uma mercadoria. Das oficinas às fábricas chega-se à manufatura, e logo aos sistemas de máquinas, à automação, às grandes fábricas capazes de produzir algo complexo do seu início até a operação final sob o comando do capitalista, representado pelo capataz ou feitor. Revolução Industrial (século XVII)

8

9 Quebra de barreiras culturais: globalização  Quebra de barreiras culturais: globalização  Reestruturação produtiva: sofisticação do mercado  (Re) significação do sentido do trabalho na sociedade  Incorporação de novos modelos de organização, novas formas de gestão e novas tecnologias  Ampliam-se os conhecimentos, são introduzidas outras habilidades e é estabelecida uma maior exigência de interação social e enriquecimento técnico.

10 10 Gestão de pessoas Administração de RH Administrativa – de 1965 a 1985 Tecnicista – de 1950 a 1965 Legal – de 1930 a 1950 Contábil – Antes de 1930 Estratégica – de 1985 até 1998 Mão de obra comprada, enfoque contábil Leis trabalhistas Recrutamento, Seleção, Treinamento, Cargos e Salários, Higiene e Segurança do Trabalho Foco nos indivíduos e nas suas relações (Sindicatos e sociedade) Aumenta o envolvimento dos colaboradores e integra sistemas de suporte Competência – de 1998 até hoje Foco no desenvolvimento de competências como estratégia

11 Efeito no RH • Foco nos Sindicatos • Negociadores agressivos na linha de frente • Aumento das leis de emprego • Motivação para incorporar políticas e procedimentos • Aumento da globalização do negócio • Boom do comércio eletrônico • Foco na eficiência do RH e profissionalização • Linguagem de RH “privada” • Agenda de negócios dinâmica – “Negócios como não usual” • Pessoas como discriminadores competitivos Relações Industriais Pessoal Parceiro de Negócios Estratégicos Anos Força e popularidade Burocratas “Consultores” de RH para os negócios “Estratégicos”, “Competência” De fato, ao longo das últimas décadas, o RH tem aumentado as suas contribuições para os “negócios”....

12 Companhias estão crescendo em escala e buscam alcançar novas fontes de valor além dos seus mercados domésticos Mudanças nos centros de atividade econômica Companhias crescendo em escala e alcance Nova classe de consumidores emergentes Mais de 1 bilhão de novos consumidores entrarão no mercado global Oferta e demanda de talentos volátil Oferta e demanda de talentos globais está cada vez mais volátil, novas fontes de talento emergentes Geração Y Demografia do mundo ocidental levando ao surgimento da “Geração Y” Mudanças demográficas (queda na natalidade, aumento da expectativa de vida) estreitando a pirâmide de jovens talentos O valor do capital humano e social está aumentando com o crescimento do conhecimento dos trabalhadores e sua renda O trabalhador do conhecimento Empregados de alta habilidade são o recurso mais escasso Tecnologia como um modo de vida Tecnologia transformando como vivemos e trabalhamos – trazendo novos tipos de empregados com novos tipos de demandas As três principais tendências do ambiente de trabalho “Perspectivas sobre o papel de RH face às tendências do ambiente de trabalho - Apresentação McKinsey - São Paulo em 05/03/2008.”

13 da sociedade industrial para a sociedade do conhecimento Fortalecimento da democracia Globalização Revolução Tecnológica A reinvenção do Estado O mundo está mudando....

14 A principal função do Estado é PROPORCIONAR AOS SEUS CIDADÃOS AS MELHORES CONDIÇÕES DE VIDA POSSÍVEIS SEM QUALQUER DISTINÇÃO. Para compelir o Estado a CUMPRIR SUA FUNÇÃO é preciso, no caso brasileiro, REESTRUTURAR e MODERNIZAR o próprio ESTADO, a começar pela restrição, ao estritamente essencial, de sua interferência nas áreas da produção, do trabalho e do mercado, e pela expansão, ao limite da competência, de seu apoio à livre iniciativa, sempre buscando eliminar da administração pública a burocracia desnecessária, que é encarecedora de custos, protelatória de resultados e estimuladora de corrupção. O Estado precisa se modernizar...

15

16 É prioritária a necessidade da profissionalização do serviço público visando combater a “administração patrimonial” e o nepotismo. Dessa forma, mérito e flexibilidade seriam chaves do desenho institucional dos sistemas de recursos humanos das instituições públicas. É necessário a análise dos processos de trabalho e a adoção de procedimentos flexíveis para que haja facilitação do funcionamento das organizações públicas. A flexibilidade exigiria a incorporação de um conjunto das maneiras de agir diferentemente do paradigma burocrático. Como exemplos, na área de recursos humanos: o banco de talentos, a avaliação de desempenho e a premiação, além do uso de cargos polivalentes. [Francisco Longo (consultor do BID e diretor do Instituto de Direccion y Gestión Pública – Barcelona – Espanha)]. Mérito e flexibilidade

17 Resgate da auto-estima do servidor

18 “Assim meu erro de amanhã será menor. Não existe prever o futuro sem conhecer o passado. Mudar o passado não dá. Tento mudar o presente, que amanhã já é passado. Porém, há um novo dado na previsão do meu futuro, que aponta na direção do que eu acho certo hoje.” [André Ramos] Mensagem final

19

20 Desesperar Jamais Ivan Lins Composição: Ivan Lins / Vitor Martins Desesperar jamais Aprendemos muito nesses anos Afinal de contas não tem cabimento Entregar o jogo no primeiro tempo Nada de correr da raia Nada de morrer na praia Nada! Nada! Nada de esquecer No balanço de perdas e danos Já tivemos muitos desenganos Já tivemos muito que chorar Mas agora, acho que chegou a hora De fazer Valer o dito popular Desesperar jamais Cutucou por baixo, o de cima cai Desesperar jamais Cutucou com jeito, não levanta mais


Carregar ppt "“Recursos Humanos em contexto de mudanças” Apresentação: Diva Aoki Ass. Técn. Planej. de Ações de Saúde Rita Kietis Diretor Técnico de RH."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google