A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Aula 1 – António Albano Baptista Moreira PLANEJAMENTO PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DA PRODUÇÃO.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Aula 1 – António Albano Baptista Moreira PLANEJAMENTO PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DA PRODUÇÃO."— Transcrição da apresentação:

1 Aula 1 – António Albano Baptista Moreira PLANEJAMENTO PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

2 Aula 6 – 09/08/2013 Planejamento, conceitos Pert Cpm Controle OBJETIVOS

3 Material de apoio Cópias de apostilas, indicação de capítulos de livros, sites, etc. Uso do site, Login e senha Como usar

4 Ao final o que levaremos ? PPCP PLANEJAMENTO CONTROLE

5 Competências NºDescriçãoNível 1 Entender a natureza do planejamentoF 2 Compreender a integração do sistema informação a programação de produção F 3 Saber os conceitos de programação e controle da produção F

6 De que se trata... Conceitos de planejamento, programação e controle; Tarefas do planejamento e do controle; Programação empurrada e puxada.

7 Conteúdo Programático Competência 1: Conceitos de planejamento, programação e controle; Tarefas do planejamento e do controle; Programação empurrada e puxada. Competência 2 : Diagrama de PERT / CPM; Estudo do tempo; Complexidade da atividade de programação; Balanceamento – empurrada / puxada. Competência 3: Planejamento e controle da capacidade produtiva; Medição da demanda e da capacidade; Modelos analíticos de filas. Competência 4: Sistema Just in Time Sistema Kambam Competência 5: Planejamento e controle do estoque; Parâmetros de re suprimento; Sistema de informação do estoque; Similaridades e diferenças entre JIT e MRP. Competência 6 Sistemas de controle de produção; Controle estatístico de processo - CEP Uma abordagem baseada no produto; Uma abordagem baseada na manufatura.

8 Material adicional JOGO CAPÍTULOS 2 E 3

9 Na internet... Links de páginas, blogs, etc

10 O que responder Planejamento e controle do estoque; Parâmetros de re suprimento; Sistema de informação do estoque; Similaridades e diferenças entre JIT e MRP.

11 Vamos ao conteúdo Planejamento Programação

12 Cálculos das Datas

13 Pert/Com - usos Os termos PERT e CPM são acrônimos de Program Evaluation and Review Technique (PERT) e Critical Path Method (CPM). Exemplos de Projetos que podem utilizar PERT/CPM: 1. Construção de uma planta 2. Pesquisa e desenvolvimento de um produto 3. Produção de filmes 4. Construção de navios 5. Instalação de um sistema de informações 6. Condução de campanhas publicitárias, entre outras.

14 Exercício Suponha que uma empreiteira ganhou uma concorrência de $5,4 milhões para construir uma planta industrial. O contrato inclui: - Uma penalidade de $ ,00 se a empreiteira não completar a construção em 47 semanas. - Um bônus de $ ,00 se a empreiteira completar a construção em 40 semanas. De acordo com a experiência da empreiteira, a seguinte lista foi elaborada para este projeto:

15 Atividade Descrição Atividades Precedentes Duração Estimada (semanas) A Escavação - 2 B Fundação A 4 C Paredes B 10 D Telhado C 6 E Encanamento Exterior C 4 F Encanamento Interior E 5 G Muros D 7 H Pintura Exterior E,G 9 I Instalação Elétrica C 7 J Divisórias F,I 8 K Piso J 4 L Pintura Interior J 5 M Acabamento Exterior H 2 N Acabamento Interior K,L 6

16 Exercício

17 GANTT

18

19 A Gestão dos Estoques

20 Estratégia Dependência das informações estratégicas. Importância estratégica (vantagem competitiva): Rentabilidade Produtividade Capital de giro Atendimento Relacionamento com Marketing e Vendas. Previsão da demanda. Quando e porque devemos ou não manter os estoques?

21

22 Processo de gestão estoques PDCA Prever Planejar Organizar Controlar Avaliar De todos os materiais da empresa, dependendo das estruturas só os produtivos.

23 Prever Planejamento estratégico. Previsão da demanda. Tipos de materiais(Periculosidade, desgaste, etc). Produtos. Estratégias para entregas, volumes. Estratégias de Marketing.

24 Planejar O estoque em si Recebimentos Guarda Movimentação interna Separação Distribuição Recursos Humanos Físicos Monetários

25 Planejar Algumas empresas o processo de reposição de estoques é feito pela gestão de estoques.

26 Organizar Estrutura (variadas maneiras dependendo do enfoque) Tradicionalista (compras, produção) Sistêmica (vida própria e até incluir compras) Exemplo GM : US$ 100,00 receita 28,75% folha, 50% fornecedores, 5,25% acionistas, etc. Espaço Recursos Humanos Físicos (prateleiras, equipamentos movimentação, leitores, etc.)

27 Organizar O estoque Fluxo de informações, sistemas Informações vinda(Compras, Comercial, PPCP) Informações ida (Compras, Comercial, PPCP, Contabilidade) Armazenagem (onde, como, embalagem)

28 Gestão de Estoque Integração das atividades de controle de materiais envolvendo matéria-prima, produtos em fabricação, semi acabados e acabados; Planejamento, controle e retroalimentação do estoque; Maximizar o uso e minimizar os investimentos em estoques (equilíbrio econômico); Minimizar o investimento em inventário e manter a disponibilidade dos produtos.

29 Definição de Estoque Sortimento de materiais que a empresa possui e utiliza no processo de produção de seus produtos/serviços. conjunto de mercadorias, materiais ou artigos existentes fisicamente no almoxarifado à espera de utilização futura e que permite suprir regularmente os usuários, sem causar interrupções às unidades funcionais da organização. (Lins, 2005)

30 todos os bens e materiais mantidos por uma organização para suprir demandas futuras, podendo ser encontrados na forma de (tipos de estoques): matéria-prima, produto em processo (em elaboração/produção), produto acabado, materiais e embalagens e produtos necessários para manutenção, reparo e suprimentos de operações.(Ortolani, 2002)...quaisquer quantidades de bens físicos que sejam conservados, de forma improdutiva, por algum intervalo de tempo. (Moreira, 2004)

31 Funções do Estoque Garantir o abastecimento de materiais ao processo de fabricação; Controlar a quantidade, a sazonalidade, a obsolescência; Prevenir perdas, danos, extravios e mau uso dos materiais; Manter registros e indicadores para auxiliar no planejamento das necessidades; Controlar os custos, mantendo-os baixos.

32 Tipos de Estoque Matérias-primas: Sofrem processo de transformação ou se agregam ao produto.

33 Materiais auxiliares: –Não se agregam ao produto porém são materiais imprescindíveis no processo de fabricação. São agregados ao processo de transformação.

34 Manutenção: –P–Peças que servem de apoio à manutenção dos equipamentos. Materiais de escritório.

35 Intermediário : –Produtos em processo de fabricação ou subconjunto

36 Produtos Acabados –Produtos prontos e embalados que serão enviados aos clientes

37 Controle de estoque Evitar a falta de material; Evitar o acúmulo de material; Manter o equilíbrio entre produção e vendas.

38 Funções do Controle de Estoques O que permanecer em estoque Quando reabastecer o estoque Quanto de estoque é necessário no período Providenciar as compras Receber, armazenar e atender pedidos Manter banco de dados atualizado Realizar o inventário periodicamente

39 Objetivos do Controle Objetivo de Custo: Custo de armazenagem (manutenção) Custo do pedido Custo da falta O objetivo é minimizar o custo total que é a somatória dos três custos que incidem sobre a manutenção do estoque.

40 Controlar Sistemas de Informações Indicadores de desempenho Nível de serviço Acuracidade Movimentação Desperdício, estragos Falta de uso Perda de validade

41 Avaliar Comparar as metas do planejamento com os indicadores de desempenho

42

43

44 Desenhar ficha de estoque

45

46 Quais decisões? Quando manter? Porque devemos manter? Porque não manter os estoques? Baseado em alternativas de demanda, reposição e custo.

47

48 Reposição instantânea sem estoque de segurança t Quantidade tempo Q

49 Formulação Considerando que o pedido é colocado quando o estoque atinge um valor mínimo, tem-se: Portanto, todas as vezes que o estoque chega ao seu valor mínimo (deve ser suficiente para cobrir o consumo do lead time de encomendar e receber o material), encomenda-se uma quantidade Q do material. Neste caso específico o estoque mínimo é zero e faz-se um novo pedido todas as vezes o material é recebido e entra no estoque.

50 Reposição instantânea com estoque de segurança t tempo Q ES E máx Tempo máximo de atraso permitido

51 Formulação Nestas condições, tem-se:

52 Definições Estoque Máximo – EM = Es + Qr Estoque Mínimo – Em Estoque de segurança - Es Ponto de reposição – Pr = (Dt x tr) + Es Quantidade de reposição – Qr = Ir X Dt Demanda média (nas unidades de tempo) - Dt Intervalo de reposição – Ir (unidades de tempo) Tempo de reposição – tr (unidades de tempo)

53 Reposição de Estoques Demanda independente Qualitativa Quantitativa Demanda dependente MRP Estrutura do produto

54 PREVISÃO DE ESTOQUES Informações quantitativas : Influência da propaganda. Evolução das vendas no tempo. Variações decorrentes de modismos. Variações decorrentes de situações econômicas. Crescimento populacional. Informações Qualitativas Opinião de gerentes. Opinião de vendedores. Opinião de compradores. Pesquisa de mercado.

55 Reposição de Estoques Revisão Permanente (Perpetual Inventory System) Continuamente faz-se a verificação e reposição de estoque, se necessário. Máximos e mínimos Método das duas gavetas O estoque é dividido em duas gavetas. Findando a primeira, faz-se o pedido. A segunda deve ser suficiente para atender a demanda até o pedido ser atendido. (Ponto de pedido visual)

56 Reposição de estoques Reposição Periódica (Periodic Inventory System) É feito o pedido de uma quantidade determinada em períodos. Período de tempo iguais, demanda do próximo período. Qr = Dt X tr – (S +P) tr > Ir Reposição por ponto de pedido (Order Point Policies) Define-se um nível de estoque que, se atingido, define o momento de ser fazer um novo pedido.

57 Reposição de estoques Lote Econômico de Compra (Economic Order Point) No sistema do lote econômico de compra o objetivo é determinar as quantidades mais que geram mais economia no processo de aquisição de material. Jit – Just In Time Tr próximo do zero, Redução do tempo de preparação, qualidade assegurada. Kanbam – Cartão com quantidade a ser executada. MRP – Explosão das necessidades.

58 Lote Econômico de Compra EOQ (Economic Order Quantity) => suposições do modelo: Demanda conhecida e constante. Não há restrições para tamanho de lote (capacidade de produção, tamanho dos modais de transporte, fornecimento infinito...) Somente os custos de set up ou de pedido e de guarda de estoque são relevantes. Decisões tomadas para um item não afetam os demais. Não há incerteza no lead time.

59 Reposição de Estoques Revisão Permanente (Perpetual Inventory System) Continuamente faz-se a verificação e reposição de estoque, se necessário. Método das duas gavetas O estoque é dividido em duas gavetas. Findando a primeira, faz-se o pedido. A segunda deve ser suficiente para atender a demanda até o pedido ser atendido.

60 Reposição de estoques Reposição Periódica (Periodic Inventory System) É feito o pedido de uma quantidade determinada em períodos regulares. Reposição por ponto de pedido (Order Point Policies) Define-se um nível de estoque que, se atingido, define o momento de ser fazer um novo pedido.

61 Reposição de estoques Lote Econômico de Compra (Economic Order Point) No sistema do lote econômico de compra o objetivo é determinar as quantidades mais que geram mais economia no processo de aquisição de material.

62 Lote Econômico de Compra EOQ (Economic Order Quantity) => suposições do modelo: Demanda conhecida e constante. Não há restrições para tamanho de lote (capacidade de produção, tamanho dos modais de transporte, fornecimento infinito...) Somente os custos de set up ou de pedido e de guarda de estoque são relevantes. Decisões tomadas para um item não afetam os demais. Não há incerteza no lead time.

63

64 Objetivos Operacionais dos Estoques Cobrir mudanças previstas no suprimento e na demanda Proteger contra incertezas Permitir produção e compra econômica

65 Custos envolvidos no armazenamento de material Juros Depreciação Aluguel Equipamentos de movimentação Deterioração Obsolência Seguros Salários Conservação

66 Variáveis que modificam os Custos de Estocagem Quantidade de material em estoque Tempo de permanência do material em estoque

67 Custos a serem Analisados em relação a Estocagem Custo do Item Custo de Manutenção do Estoque Custo de pedido Custo de falta de estoque

68 Custo do item Influência no Capital de Giro Influência sobre a Taxa de Retorno de Capital

69 Custo de Manutenção de Estoque Cm= Custo de Capital + Custo de Armazenagem

70 Custo de Capital · Juros anuais sobre o valor do item estocado Custo de Armazenamento ·Área física ·Taxa de seguro ·Perdas ·Obsolescência ·Transporte ·Taxas

71 Custo do Pedido Custo de Material Custo de Mão de Obra Custos Indiretos

72 Custo Total de Estocagem

73 Gráfico do Custo Total de Armazenagem

74 Custo de falta de Estoque Perda de lucro por incapacidade de suprir a demanda Custos adicionais,por substituição de materiais Multas e encargos por não cumprimento do prazo de entrega Perda de lucro por quebra de imagem

75 Custo Total Custos Diretamente proporcionais Custos Inversamente proporcionais Custos Independentes Custos do Estoque

76 Custos diretamente proporcionais Custo de capital de giro: os custos associados ao capital de giro são os juros, que pagamos ao banco por empréstimo, ou os custos de oportunidades, de não reinvestirmos em outros locais; Custo de armazenagem: estes são os custos associados à armazenagem física dos bens. Locação, climatização e iluminação dos armazéns podem ser caros; Custos de obsolescência ou deterioração: riscos associados ao tempo que um material fica estocado; Custos de ineficiência de produção: altos níveis de estoque nos impedem de ver os problemas da produção. $ crescem com o tamanho do pedido

77 Custos inversamente proporcionais: –Custo de desconto de preços: na compra de grandes quantidades fornecedores costumam oferecer descontos; $ decrescem com o tamanho do pedido

78 Como calcular os custos Totais Considerando que: CT = Custo Total Cdp= Custo diretamente Proporcionais Cip= Custos inversamente proporcionais Cdi= Custo do pedido x nº de pedidos CI= Custos Independentes CC= Custo de carregamento (ca + i x p) Ca= custo de armazenagem i= custo do capital p= Preço de aquisição Cp= Custo do pedido N= nº de pedidos (D/Q) Q= Tamanho do lote de compras ou fabricação D= Demanda

79 Objetivo de Níveis de Serviço Controlar os custos do estoque sem comprometer o serviço prestado aos clientes. Equilíbrio entre produção e custo de um lado e nível de serviço oferecido aos clientes de outro. Quanto maior o grau de atendimento maior será o custo de manutenção do estoque

80 Está relacionado com as vendas Tempo necessário para entregar um pedido ao cliente Disponibilidade de estoque É importante para estabelecer um relacionamento bem definido entre vendas- serviços

81 Para a próxima aula...

82

83 Obrigado

84 BOA DIA OBRIGADO !!!!


Carregar ppt "Aula 1 – António Albano Baptista Moreira PLANEJAMENTO PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DA PRODUÇÃO."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google