A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

IX ENCONTRO NACIONAL CRIMINAL 1-3/09/2009 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "IX ENCONTRO NACIONAL CRIMINAL 1-3/09/2009 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO."— Transcrição da apresentação:

1 IX ENCONTRO NACIONAL CRIMINAL 1-3/09/2009 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

2 ESTRATÉGIA Plano de gerenciamento de alto nível criado para orientar uma organização ou instituição no futuro, Ações específicas e detalhadas que são adotadas a fim de atingir o resultado almejado, Melhores práticas.

3 A formulação da estratégia é um processo altamente complexo que envolve elementos sofisticados, sutis e, por vezes, inconscientes do pensamento humano. Para iniciar e efetivamente implantar um projeto de planejamento em busca de eficácia e eficiência é necessário diagnosticar as resistências e compreender que serão enfrentados hábitos arraigados: a inovação requer uma mudança na cultura da instituição.

4 Planejar Processo que envolve um modo de pensar; e um salutar modo de pensar que envolve indagações; e indagações envolvem questionamentos sobre o que fazer, como, quando, quanto, para quem, por que, por quem e onde.

5 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Processo administrativo que utiliza um método para estabelecer a melhor direção a ser seguida por uma empresa ou grupo, visando ao otimizado grau de interação com os fatores externos - não controláveis – e atuando de forma inovadora e diferenciada.

6 O que se espera com o planejamento? Conhecer e utilizar melhor os pontos fortes; Conhecer e eliminar ou adequar os pontos fracos; Conhecer e usufruir das oportunidades externas; Conhecer e evitar as ameaças externas; Ter um efetivo plano de trabalho que aponte os caminhos, inclusive os alternativos, para alcançar os objetivos propostos.

7 SWOT Strengths, Weaknesses, Opportunities and Threats Forças: competências fundamentais, aquilo que nos traz vantagens em relação a outras pessoas ou situações Fraquezas: aspectos que tornam mais difícil a implementação da estratégia, que devem ser melhorados ou compensados de alguma forma, para minimizar seu impacto negativo

8 Oportunidades: circunstâncias existentes ou previsíveis que podem ser benéficas para nossos objetivos, e que devem ser aproveitadas Ameaças: existentes ou previsíveis, vêm em detrimento de nossos objetivos. Se puderem ser previstas ou pelo menos reconhecidas, pode-se tomar providências com relação a essas ameaças

9 Métodos possíveis: Estabelecer, primeiro, aonde se quer chegar, para definir, depois, como fazer para chegar lá, ou Definir, primeiro, como se está, para estabelecer, depois, aonde se quer chegar

10 FASES DE UM PLANEJAMENTO I. Diagnóstico estratégico - Definição da Missão, identificação dos Valores II. Estabelecimento da Visão III. Instrumentos Prescritivos e Quantitativos - Estabelecimento de Objetivos, - Programas, e Planos de Ação IV. Controle e Avaliação

11 Diagnóstico estratégico - Como estamos? 1) identificação da missão da instituição (razão de ser) 2) identificação da visão (o que se quer ser) 3) identificação dos valores 4) identificação das forças, das fraquezas, das oportunidades e das ameaças 5) estabelecimento de objetivos, desafios e metas 6) controle e avaliação

12 MISSÃO DO MPF, na atribuição criminal Razão de ser do MPF Por que/para quê ele existe Em que tipos de atividades deverá se concentrar no futuro A missão exerce função orientadora da ação.

13 VISÃO O que o MPF quer ser, no aspecto de sua atribuição criminal. Toda e qualquer estratégia deve ser precedida de uma visão. A visão deve ser resultante do consenso dos membros do MPF.

14 A visão torna claro o rumo a seguir deve ser compartilhada por todos dá o foco básico do que se pretende alcançar.

15 Uma afirmação de visão... …define o propósito central da organização. Exemplos de afirmações de visão: 3M: Resolver problemas com criatividade Walt Disney: Fazer as pessoas felizes Nike:Experimentar a emoção da competição, da vitória e de vencer os adversários Wal-Mart: Dar às pessoas simples a oportunidade de comprar as mesmas coisas que as pessoas ricas PRR4: Ser referência no cumprimento de sua missão institucional e paradigma de gestão pública

16 A afirmação de visão deve ser concisa deve ser coerente com a missão (finalidade) e os valores deve ser realizável deve ser motivadora

17 Procura-se responder às seguintes perguntas: Aonde se quer chegar com o MPF? Quais as necessidades e expectativas que pretende atender? Como deve agir uma instituição a serviço da sociedade?

18 Qual a imagem que fazemos do MPF e por qual imagem queremos ser reconhecidos? O MPF trabalha centrado na legalidade e nas etapas de seus processos ou tem como foco o destinatário e os resultados? Que imagem a sociedade, a imprensa, o Judiciário, os advogados, os MPs dos Estados fazem de nós?

19 Resultados das respostas a essas perguntas: Definição de áreas prioritárias nas quais devem ser aplicados os recursos disponíveis, e Consenso de uma opinião de que os esforços e os recursos dirigidos aos alvos estabelecidos serão bem- sucedidos.

20 VALORES Princípios eternos que orientam uma organização. Representam as convicções mais profundas de uma organização e que são demonstradas através dos comportamentos diários de seus integrantes. Quais são os valores fundamentais que inspiram a atuação do MPF, em sua atuação no âmbito criminal?

21 OBJETIVOS Estado, situação ou resultado futuro que se pretende alcançar. Podem ser gerais ou específicos O planejamento estratégico é um instrumento administrativo para a empresa ou grupo alcançar seus objetivos. Mas como um planejamento pode ser eficaz se os objetivos não forem conhecidos, adequados, aceitos e consistentes?

22 Desenvolvendo objetivos… Exemplos de perguntas: Quem é nosso público-alvo e qual é a nossa proposta de valor em servi-lo? Que esferas de atuação vislumbramos (perspectivas) e como queremos nelas atuar? (ex: internamente ao MPF, externamente – outros órgãos, público em geral)

23 Objetivos Devem ser claros e perfeitamente divulgados, entendidos e aceitos. São mensuráveis. Podem estar ligados às diferentes áreas de atuação (por exemplo, um objetivo para cada área)

24 Fixando metas e priorizando iniciativas Se um homem não sabe que porto procura, qualquer vento lhe servirá. (Sêneca) Se você não sabe para onde está indo, pode terminar em qualquer lugar. (Yogi Berra)

25 META Quantificação do objetivo. Etapa ou passo intermediário para se alcançar determinado objetivo. Futuro é chave para a noção de meta. As metas podem ser de longo, médio e curto prazo.

26 AVALIA ç ÃO E ACOMPANHAMENTO Ferramenta fundamental para garantir a implementação da estratégia e medir os resultados do trabalho

27 Fases do processo de controle e avaliação - Estabelecimento de padrões de medida e de avaliação; - Medida dos desempenhos apresentados; - Comparação do realizado com o esperado; - Ação corretiva;

28 REVISÃO DO PLANEJAMENTO Depois de implementado, pode sofrer revisões periódicas e/ou ocasionais, sempre que se constatarem alterações no ambiente ou na instituição que invalidem as premissas do planejamento anteriormente realizado.

29 Finalmente, um planejamento não deve ser feito de cima para baixo, nem apenas por agentes externos à instituição: a definição dos objetivos, indicadores e metas deve envolver todos os operadores.

30 A discussão proposta pela 2ª. Câmara de Coordenação e Revisão neste Encontro Nacional é o primeiro passo para a construção do planejamento estratégico na área criminal. Ao trabalho!


Carregar ppt "IX ENCONTRO NACIONAL CRIMINAL 1-3/09/2009 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google