A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

O TRABALHO EM EQUIPE: a multiplicação do talento humano UNIVERSIDADE PAULISTA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM Prof. Cassimiro Nogueira Jr.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "O TRABALHO EM EQUIPE: a multiplicação do talento humano UNIVERSIDADE PAULISTA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM Prof. Cassimiro Nogueira Jr."— Transcrição da apresentação:

1 O TRABALHO EM EQUIPE: a multiplicação do talento humano UNIVERSIDADE PAULISTA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM Prof. Cassimiro Nogueira Jr

2 Hoje, as lideranças que querem obter sucesso, formam equipes de trabalho Bernardinho

3 Mas... o que é uma equipe??

4 Para um atendimento qualificado é necessário a participação ativa de todos os funcionários de uma organização QUALIDADE NO ATENDIMENTO Trabalho em Equipe Equipe é um conjunto de pessoas com objetivos comuns ? QUALIDADE É PARTICIPAÇÃO

5 Curva de Desempenho de Equipes PseudoequipePseudoequipe Grupo de TrabalhoGrupo de Trabalho Equipe PotencialEquipe Potencial Equipe RealEquipe Real Equipe de Elevado DesempenhoEquipe de Elevado Desempenho Katzenbach e Smith, 2001

6 PSEUDOEQUIPE Junção de pessoas que define o trabalho a ser realizado;Junção de pessoas que define o trabalho a ser realizado; Sem preocupação com desenvolvimento coletivo (não tenta buscá-lo);Sem preocupação com desenvolvimento coletivo (não tenta buscá-lo); Interações entre os membros inibem o desenvolvimento individualInterações entre os membros inibem o desenvolvimento individual Não há ganho coletivoNão há ganho coletivo

7 GRUPO DE TRABALHO Junção de pessoas;Junção de pessoas; Objetivos comuns, com compartilhamento de informações entre si;Objetivos comuns, com compartilhamento de informações entre si; Centralização nos próprios objetivos;Centralização nos próprios objetivos; Pode ser eficiente e coletivo, porém não produz desempenho coletivo.Pode ser eficiente e coletivo, porém não produz desempenho coletivo.

8 EQUIPE POTENCIAL Junção de pessoas em busca de um trabalho em equipe;Junção de pessoas em busca de um trabalho em equipe; Necessitam de orientação sobre seu funcionamento;Necessitam de orientação sobre seu funcionamento; Buscam assumir compromisso efetivo com o resultado grupal.Buscam assumir compromisso efetivo com o resultado grupal.

9 EQUIPE REAL Junção de pessoas com habilidades complementares;Junção de pessoas com habilidades complementares; Alto nível de comprometimento umas com as outras;Alto nível de comprometimento umas com as outras; Os membros confiam entre si;Os membros confiam entre si; Assumem plena responsabilidade pelos resultados.Assumem plena responsabilidade pelos resultados.

10 EQUIPE DE ELEVADO DESEMPENHO Pessoas com habilidades complementares;Pessoas com habilidades complementares; Alto nível de comprometimento umas com as outras;Alto nível de comprometimento umas com as outras; Os membros confiam entre si e assumem plena responsabilidade pelos resultados;Os membros confiam entre si e assumem plena responsabilidade pelos resultados; E SE COMPROMETEM COM O CRESCIMENTO PESSOAL E SUCESSO DE TODOSE SE COMPROMETEM COM O CRESCIMENTO PESSOAL E SUCESSO DE TODOS

11 Quando um grupo se transforma numa equipe, há entre os membros: Confiança;Confiança; Empatia;Empatia; Respeito a individualidade;Respeito a individualidade; Comunicação aliada a interação;Comunicação aliada a interação; Afetividade;Afetividade; Afinidade.Afinidade.

12 PRINCIPAL CARACTERÍSTICA DE UMA EQUIPE COOPERAÇÃO Sinergia – derivada do grego Synergia – syn – cooperação, érgon – trabalho Diz-se que o todo supera a soma das partes

13 Cinco Desafios das Equipes Os membros confiam uns nos outros.Os membros confiam uns nos outros. Eles se envolvem em conflitos de idéias sem qualquer censura, porém, sem radicalismo.Eles se envolvem em conflitos de idéias sem qualquer censura, porém, sem radicalismo. Eles se comprometem com as decisões e planos de ação.Eles se comprometem com as decisões e planos de ação. Eles chamam uns aos outros à responsabilidade quando alguma coisa não sai de acordo com seus planos.Eles chamam uns aos outros à responsabilidade quando alguma coisa não sai de acordo com seus planos. Eles se concentram na realização dos resultados coletivos. ( E não somente os individuais)Eles se concentram na realização dos resultados coletivos. ( E não somente os individuais)

14 Diferença entre Grupo e Equipe GrupoEquipe Trabalhar sozinhoTrabalhar Juntos Ênfase nas habilidades técnicasÊnfase nas habilidades interdisciplinares (interpessoal) Atividades e tarefas estritamente definidas Tarefas (habilidade e conhecimento amplo) Coordenadores determinam o trabalhoCoordenadores e equipe determinam e planejam juntos Informações restritas ao coordenadorInformações compartilhadas entre todos Recompensa no desempenho individualRecompensas individuais e de equipe Assumir riscos é desencorajado e punido Assumir riscos é encorajado

15 LIDERANÇA

16 É a habilidade de influenciar pessoas para trabalharem entusiasticamente visando a atingir aos objetivos identificados como sendo para bem comum. Fonte: O monge e o Executivo, J. C. Hunter

17 ERA INDUSTRIAL ERA CONHECIMENTO Controla as coisas e as pessoas Controla as coisas e motiva as pessoas MODELOS DE GESTÃO E LIDERANÇA Autoridade formal Cargo Autoridade Moral Natural

18 Estilos de Liderança – Autocrata / Diretivo Orientado para resultados. Decidido, eficiente, rápido, objetivo, assume riscos. Valoriza resultados, cumprimento de metas. Sob a influência deste estilo o grupo age como ser dependente de uma orientação constante.

19 Estilos de Liderança – Democrata / Apoiador Orientado para idéias; criativo, entusiasmado, estimulante e persuasivo. Valoriza o reconhecimento e promove o Espírito de Equipe / time.

20 Orientado para o relacionamento. Amável, compreensivo, prestativo. Valoriza a atenção que recebe, criando assim constante dependência de seus colaboradores. Estilos de Liderança – Paternalista / Apoiador

21 Significa literalmente deixar fazer, deixar ir, deixar passar. Neste tipo de liderança a equipe atingiu a maturidade e não mais precisa de supervisão extrema de seu líder. Os liderados ficam mais livres para por seus projetos em prática. Estilos de Liderança – Liberal ou Laissez-faire

22 Apoio Competência Confiança Delegação Competência Confiança Participação Competência / experiência Grau de motivação e empenho Direção Competência /experiência Grau de motivação e empenho ESTILOS BÁSICOS DE LIDERANÇA Alto Baixo Comportamento de Tarefa Comportamento de Relacionamento EDUCADORDEMOCRÁTICO LIBERALAUTOCRÁTICO

23 Liderança Situacional O Líder completo O verdadeiro líder assume as quatro posições, de acordo com a situação em que esta envolvido. Liderar é uma questão de bom senso, de saber posicionar-se na medida certa em relação as pessoas e circunstâncias.

24 LIDERANÇA SITUACIONAL

25 Competências – Desafio do Líder Latim – CompetereLatim – Competere Com – ConjuntoCom – Conjunto Petere – EsforçoPetere – Esforço Identificar qual é o conjunto de esforços (competências) que será capaz de levar a equipe a conquistar suas metas é o desafio do líder.

26 DESAFIOS DO LÍDER Visão Estratégica, Empreendedorismo, Representatividade Institucional, Disposição para mudança, Comunicação Gerenciamento de recursos, Gestão e Mobilização de Pessoas, Outros desafios do mundo moderno, Ameaças

27 Seja você mesmo, mas nunca o mesmo. Gabriel Pensador

28 REFERÊNCIAS Chiavenato I. Gestão de Pessoas. 3 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2008.Chiavenato I. Gestão de Pessoas. 3 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, Chiavenato I. Recursos Humanos: O capital humano das Organizações. 9 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009.Chiavenato I. Recursos Humanos: O capital humano das Organizações. 9 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, Chiavenato I. Administração nos novos tempos. 2ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2005.Chiavenato I. Administração nos novos tempos. 2ed. Rio de Janeiro: Elsevier, Kurcgant P. Administração em Enfermagem. São Paulo: EPU, 2003.Kurcgant P. Administração em Enfermagem. São Paulo: EPU, LACOMBE, F.J.M.; Heilborn, G.L.J. Administração: princípios e tendências. São Paulo: Saraiva, ISBN LACOMBE, F.J.M.; Heilborn, G.L.J. Administração: princípios e tendências. São Paulo: Saraiva, ISBN ISBN ISBN BOWDITCH, James L. & BUONO, Anthony F. Elementos de comportamento organizacional. Título Original "A Primer on Organization Behavior". São Paulo: Editora Pioneira, 1992.BOWDITCH, James L. & BUONO, Anthony F. Elementos de comportamento organizacional. Título Original "A Primer on Organization Behavior". São Paulo: Editora Pioneira, ROBBINS, Stephen P. Comportamento organizacional. São Paulo: Pearson, 2011.ROBBINS, Stephen P. Comportamento organizacional. São Paulo: Pearson, 2011.


Carregar ppt "O TRABALHO EM EQUIPE: a multiplicação do talento humano UNIVERSIDADE PAULISTA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM Prof. Cassimiro Nogueira Jr."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google