A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

TEORIA COMPORTAMENTAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Luís Fernando Custódio.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "TEORIA COMPORTAMENTAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Luís Fernando Custódio."— Transcrição da apresentação:

1 TEORIA COMPORTAMENTAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Luís Fernando Custódio

2 Teoria Comportamental Presença de estudos sobre o comportamento humano. Abordagem mais humana e flexível para os problemas organizacionais. Ênfase nos indivíduos dentro de um contexto organizacional. Final de 1940.

3 A motivação humana Hierarquia das necessidades de Maslow Teoria dos dois fatores de Herzberg

4 Hierarquia das necessidades de Maslow

5 Primárias 1. Fisiológicas: alimentação, abrigo, repouso, alívio da dor, ar, bebida. 2. Segurança: proteção contra perigos, privações e ameaças, ou seja, contra a guerra, violência, doença, pobreza. Hierarquia das necessidades de Maslow

6

7 Secundárias 3. Sociais: amor, amizade, aceitação pelos grupos e pelos outros. 4. Estima: reputação, reconhecimento, auto respeito, admiração. 5. Auto realização: Realização do potencial de cada indivíduo, maximizando o uso das suas capacidades e potencialidades. Hierarquia das necessidades de Maslow

8

9 Sem confirmação cientifica. Mas aceita e serve de base para orientação do administrador nas organizações. Hierarquia das necessidades de Maslow

10 Críticas, exemplo É possível uma pessoa estar auto realizada, contudo não conseguir uma total satisfação de suas necessidade fisiológicas. Hierarquia das necessidades de Maslow

11 1. Fisiológicas: Pagar um salário compatível com a qualidade de vida em Florianópolis. 2. Segurança: Emprega segura, bem localizada, planos de saúde. Hierarquia das necessidades de Maslow

12 3. Sociais: Empresa altamente envolvida com o bem estar dos funcionários, utiliza técnicas ágeis de desenvolvimento o que favorece constante conversa e... Hierarquia das necessidades de Maslow

13

14 4. Estima: Comemorações por inicio e fim de projeto com todos envolvidos. 5. Auto realização: Visão de crescimento de cargos e funções a medida que a empresa está em constante evolução. Hierarquia das necessidades de Maslow

15 Teoria dos dois Fatores de Herzberg Fatores higiênicos – ou extrínsecos, Fatores motivacionais – ou intrínsecos. Estes dois fatores são independentes

16 Higiênicos ou extrínsecos. São fatores localizados no ambiente que rodeia os indivíduos na organização. São administrados e decididos pela empresa. Salários Benefícios Tipos de supervisão, Condições físicas e ambientais de trabalho, Políticas da empresa, Clima de relacionamento entre funcionários e empresa. Teoria dos dois Fatores de Herzberg

17 Higiênicos ou extrínsecos. Num caso ótimo eles apenas evitam a insatisfação dos empregados, não aumentando sua satisfação. Teoria dos dois Fatores de Herzberg

18 Motivacionais ou intrínsecos. São fatores que estão sob o controle do indivíduo. Referem-se ao conteúdo do cargo e às tarefas executadas pelos empregados. Conquistas Reconhecimento Trabalho sendo realizado Responsabilidades Avançar na carreira Crescimento pessoal Teoria dos dois Fatores de Herzberg

19 Motivacionais ou intrínsecos. Para Herzberg, motivação no trabalho deve ser contínua. Propõe o que se chama de enriquecimento dos cargos. Este enriquecimento pode ser vertical ou horizontal. Teoria dos dois Fatores de Herzberg

20 Enriquecimento dos cargos Busca Aumento da motivação Aumento da produtividade Redução na rotatividade Pode gerar Insegurança frente à novas tarefas, Sentimento de subvalorização quando mantida remuneração. Conflitos entre expectativas e resultados. Teoria dos dois Fatores de Herzberg

21 Fatores higiênicos Normas da empresa: Dinâmica em função das normas, sendo aberta a sugestões e melhores rotinas por parte dos funcionários. Teoria dos dois Fatores de Herzberg

22 Fatores higiênicos Supervisão: Existe uma supervisão sobre o tempo trabalhado em determinadas atividades, mas é um controle proativo e não repreensivo. Teoria dos dois Fatores de Herzberg

23 Fatores higiênicos Relacionamento com o chefe: Por ser uma empresa formada por uma sociedade de 6 pessoas, sendo que 5 delas trabalham na empresa compondo 25% de todos que lá trabalham as interações são constantes e existe um ambiente descontraído e amigável. O pessoal se conhece há anos. Teoria dos dois Fatores de Herzberg

24 Fatores higiênicos Salário: Empresa de Florianópolis, não se enquadra com salários de São Paulo ou outras capitais, mas mantém salários alinhados ao mercado. Teoria dos dois Fatores de Herzberg

25 Fatores higiênicos Relacionamento com os colegas: Bem como o relacionamento com os chefes existe um ambiente bem amistoso, mesmo entre setores diferentes. Teoria dos dois Fatores de Herzberg

26 Fatores motivacionais Crescimento individual: A empresa apoia e existe um arquiteto que faz alguns projetos open source, mas de maneira geral a empresa não impede, mas também não favorece esse crescimento. Teoria dos dois Fatores de Herzberg

27 Fatores motivacionais Progresso profissional: Como a empresa é pequena, os cargos gerenciais ficam a cargo dos sócios, o que não favorece um plano de cargas Teoria dos dois Fatores de Herzberg

28 Fatores motivacionais Responsabilidade: Com o passar dos anos alguns funcionários acabam tendo maior contato ou até mesmo coordenando alguns projetos, isso acabando sendo um processo natural mas não previamente definido. Teoria dos dois Fatores de Herzberg

29 Fatores motivacionais Reconhecimento: Existem bônus e gratificações quando a empresa alcança pontos chaves e quando tem um bom desempenho geral no ano. Reconhecimento individual não é tão comum. Teoria dos dois Fatores de Herzberg

30 A administração das organizações em geral é condicionada pelos estilos com que os administradores dirigem, dentro delas, o comportamento das pessoas. - Chiavenato Teoria Comportamental está ligada aTeoria X e Teoria Y. Estilos de Administração

31 Teoria X Teoria tradicional, mecanicista e pragmática As pessoas são preguiçosas, As pessoas não têm ambição, As pessoas resistem à mudanças

32 Teoria X Teoria tradicional, mecanicista e pragmática Trabalho dentro de padrões planejados e pessoas vistas como recursos. Administração por controles impostos às pessoas. Representa o estilo de administração da Administração Científica de Taylor e da Teoria Clássica de Fayol.

33 Teoria Y Estilo baseado nas concepções modernas a respeito do comportamento humano. Trabalho pode ser uma fonte de satisfação, Pessoas não são passivas. Elas podem se tornar, por experiências negativas, As pessoas têm motivação e potencial de desenvolvimento, Fuga à responsabilidade e falta de ambição são consequências de experiências negativas.

34 Teoria Y Propõe um estilo de administração: Aberto e democrático (vale, festa final de ano), Participativo, Baseado nos valores humanos.

35 Comportamento Organizacional Estudo da dinâmica das organizações e como os grupos e indivíduos se comportam dentro dela. Como os indivíduos se comportam dentro da organização.

36 Comportamento Organizacional A organização somente alcança seus objetivosse os funcionários se coordenarem para realizar algo que individualmente não fariam.

37 Comportamento Organizacional As pessoas ingressam e fazem parte da organização para obter satisfação de suas necessidades pessoais por meio de sua participação nela. Interação = pessoas e organização.

38 Comportamento Organizacional Teoria do Equilíbrio Organizacional Incentivos e contribuições Tipos de participantes Empregados, investidores, fornecedores, clientes Teoria da aceitação da autoridade

39 Teoria das Decisões Nasceu de Herbert Simon, Explicar o comportamento humano nas organizações.

40 Teoria das Decisões Decisão é o processo de análise e escolha entre várias alternativas disponíveis, do curso de ação que a pessoa deverá seguir. Decisão não é exclusiva da gerência.

41 Teoria das Decisões Seis elementos: 1. Tomador de decisão; 2. Objetivos 3. Preferências; 4. Estratégias; 5. Situação; 6. Resultado.

42 Etapas do processo decisorial Etapas do processo: 1. Percepção da situação que envolve algum problema 2. Análise e definição do problema 3. Definição dos objetivos 4. Procura de alternativas de solução 5. Escolha da alternativa mais adequada 6. Avaliação e comparação dessas alternativas 7. Implementação da alternativa escolhida

43 Etapas do processo decisorial Decorrências da Teoria das Decisões: Racionalidade limitada: o tomador de decisões conhece apenas parte das informações acerca da situação. Faz pressuposições. Toma decisões com base nos fatos que conhece.

44 Etapas do processo decisorial Decorrências da Teoria das Decisões: Imperfeição nas decisões: não existem decisões perfeita: apenas umas são melhores que as outras quanto ao resultado que acarretam

45 Etapas do processo decisorial Decorrências da Teoria das Decisões: Relatividade nas decisões: toda a decisão é até certo ponto uma acomodação; jamais permite a realização completa ou perfeita dos objetivos, representa a melhor solução encontrada naquela circunstância. A decisão nunca é ótima, apenas satisfatória.

46 Etapas do processo decisorial Decorrências da Teoria das Decisões: Hierarquização das decisões: Os objetivos visados pelas ações das pessoas obedecem a uma hierarquia, na qual um nível qualquer é um fim em relação ao nível mais baixo e um meio em relação aos de ordem maior.

47 Etapas do processo decisorial Decorrências da Teoria das Decisões: Racionalidade administrativa: o comportamento dos indivíduos nas organizações é planejado e orientado no sentido de atingir objetivos previamente definidos. Este processo administrativo é um processo decisório pois requer o estabelecimento de rotinas e cursos de ação.

48 Etapas do processo decisorial Decorrências da Teoria das Decisões: Influência organizacional: a organização retira dos participantes a capacidade de decidir independentemente. A organização decide pelo indivíduo acerca de: divisão de tarefas; padrões de desempenho; sistema de autoridade; canais de comunicação e treinamento e doutrinação.

49 Referência Bibliográfica CHIAVENATO, I. Introdução à Teoria Geral da Administração. Rio de Janeiro. Campus:2000 RIBEIRO, A. de Lima – Teorias de Administração. São Paulo: Saraiva, PRESTES MOTTA, Fernando et Vasconcelos, Izabella F. Gouvêia. Teoria Geral de Administração, 3ª. Ed. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, DANIEL SERRANO. Teoria de Maslow. Disponível em:. Acesso em 01/12/2010 PAULO MARTINS. Hierarquia das Necessidades de Maslow. Disponível em:. Acesso em 01/12/2010 NUTEP. Teoria dos Dois Fatores de Herzberg. Disponível em:. Acesso em 01/12/2010 NUTEP, Teoria Comportamental Da Administração. Disponível em:. Acesso em 01/12/2010


Carregar ppt "TEORIA COMPORTAMENTAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Luís Fernando Custódio."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google