A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Adelson Luiz Araújo Tinôco 1 ; Andréa dos Santos Fernandes 2 ; Wilson César Abreu 3 ; Fátima Magalhães Almeida 4 ; Rita de Cássia Lanes Ribeiro 5 ; Joelma.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Adelson Luiz Araújo Tinôco 1 ; Andréa dos Santos Fernandes 2 ; Wilson César Abreu 3 ; Fátima Magalhães Almeida 4 ; Rita de Cássia Lanes Ribeiro 5 ; Joelma."— Transcrição da apresentação:

1 Adelson Luiz Araújo Tinôco 1 ; Andréa dos Santos Fernandes 2 ; Wilson César Abreu 3 ; Fátima Magalhães Almeida 4 ; Rita de Cássia Lanes Ribeiro 5 ; Joelma Maria Cardoso Gomide 6. Professor Adjunto do Departamento de Nutrição e Saúde da Universidade Federal de Viçosa 1. Nutricionista 2. Mestrando em Ciência da Nutrição na UFV 3. Professor Assistente do Departamento de Nutrição e Saúde da U F V 4. Professor Adjunto do Departamento de Nutrição e Saúde da U F V 5. Graduanda em Nutrição e Bolsista do PET Nutrição da SESU/ UFV 6. Universidade Federal de Viçosa Viçosa – MG. Viçosa – MG. Adelson Luiz Araújo Tinôco 1 ; Andréa dos Santos Fernandes 2 ; Wilson César Abreu 3 ; Fátima Magalhães Almeida 4 ; Rita de Cássia Lanes Ribeiro 5 ; Joelma Maria Cardoso Gomide 6. Professor Adjunto do Departamento de Nutrição e Saúde da Universidade Federal de Viçosa 1. Nutricionista 2. Mestrando em Ciência da Nutrição na UFV 3. Professor Assistente do Departamento de Nutrição e Saúde da U F V 4. Professor Adjunto do Departamento de Nutrição e Saúde da U F V 5. Graduanda em Nutrição e Bolsista do PET Nutrição da SESU/ UFV 6. Universidade Federal de Viçosa Viçosa – MG. Viçosa – MG.

2 AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE NUTRIENTES POR IDOSOS É PREOCUPAÇÃO DA EPIDEMIOLOGIA NUTRICIONAL. Adelson Luiz Araújo Tinôco 1 ; Andréa dos Santos Fernandes 2 ; Wilson César Abreu 3 ; Fátima Magalhães Almeida 4 ; Rita de Cássia Lanes Ribeiro 5 ; Joelma Maria Cardoso Gomide 6. Professor Adjunto do Departamento de Nutrição e Saúde da Universidade Federal Viçosa 1. Nutricionista 2. Mestrando em Ciência da Nutrição na UFV 3. Professor Assistente do Departamento de Nutrição e Saúde da U F V 4. Professor Adjunto do Departamento de Nutrição e Saúde da U F V 5. Graduanda em Nutrição e Bolsista do PET Nutrição da SESU/ UFV 6. Universidade Federal de Viçosa - Viçosa – MG. AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE NUTRIENTES POR IDOSOS É PREOCUPAÇÃO DA EPIDEMIOLOGIA NUTRICIONAL. Adelson Luiz Araújo Tinôco 1 ; Andréa dos Santos Fernandes 2 ; Wilson César Abreu 3 ; Fátima Magalhães Almeida 4 ; Rita de Cássia Lanes Ribeiro 5 ; Joelma Maria Cardoso Gomide 6. Professor Adjunto do Departamento de Nutrição e Saúde da Universidade Federal Viçosa 1. Nutricionista 2. Mestrando em Ciência da Nutrição na UFV 3. Professor Assistente do Departamento de Nutrição e Saúde da U F V 4. Professor Adjunto do Departamento de Nutrição e Saúde da U F V 5. Graduanda em Nutrição e Bolsista do PET Nutrição da SESU/ UFV 6. Universidade Federal de Viçosa - Viçosa – MG. AVALIAÇÃO DO CONS CUPAÇÃO DA EPIDEM

3 AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE NUTRIENTES POR IDOSOS É PREOCUPAÇÃO DA EPIDEMIOLOGIA NUTRICIONAL. Adelson Luiz Araújo Tinôco 1 ; Andréa dos Santos Fernandes 2 ; Wilson César Abreu 3 ; Fátima Magalhães Almeida 4 ; Rita de Cássia Lanes Ribeiro 5 ; Joelma Maria Cardoso Gomide 6. Professor Adjunto do Departamento de Nutrição e Saúde da Universidade Federal Viçosa 1. Nutricionista 2. Mestrando em Ciência da Nutrição na UFV 3. Professor Assistente do Departamento de Nutrição e Saúde da U F V 4. Professor Adjunto do Departamento de Nutrição e Saúde da U F V 5. Graduanda em Nutrição e Bolsista do PET Nutrição da SESU/ UFV 6. Universidade Federal de Viçosa - Viçosa – MG. AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE NUTRIENTES POR IDOSOS É PREOCUPAÇÃO DA EPIDEMIOLOGIA NUTRICIONAL. Adelson Luiz Araújo Tinôco 1 ; Andréa dos Santos Fernandes 2 ; Wilson César Abreu 3 ; Fátima Magalhães Almeida 4 ; Rita de Cássia Lanes Ribeiro 5 ; Joelma Maria Cardoso Gomide 6. Professor Adjunto do Departamento de Nutrição e Saúde da Universidade Federal Viçosa 1. Nutricionista 2. Mestrando em Ciência da Nutrição na UFV 3. Professor Assistente do Departamento de Nutrição e Saúde da U F V 4. Professor Adjunto do Departamento de Nutrição e Saúde da U F V 5. Graduanda em Nutrição e Bolsista do PET Nutrição da SESU/ UFV 6. Universidade Federal de Viçosa - Viçosa – MG. UMO DE NUTRIENTES IOLOGIA NUTRICIO

4 AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE NUTRIENTES POR IDOSOS É PREOCUPAÇÃO DA EPIDEMIOLOGIA NUTRICIONAL. Adelson Luiz Araújo Tinôco 1 ; Andréa dos Santos Fernandes 2 ; Wilson César Abreu 3 ; Fátima Magalhães Almeida 4 ; Rita de Cássia Lanes Ribeiro 5 ; Joelma Maria Cardoso Gomide 6. Professor Adjunto do Departamento de Nutrição e Saúde da Universidade Federal Viçosa 1. Nutricionista 2. Mestrando em Ciência da Nutrição na UFV 3. Professor Assistente do Departamento de Nutrição e Saúde da U F V 4. Professor Adjunto do Departamento de Nutrição e Saúde da U F V 5. Graduanda em Nutrição e Bolsista do PET Nutrição da SESU/ UFV 6. Universidade Federal de Viçosa - Viçosa – MG. AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE NUTRIENTES POR IDOSOS É PREOCUPAÇÃO DA EPIDEMIOLOGIA NUTRICIONAL. Adelson Luiz Araújo Tinôco 1 ; Andréa dos Santos Fernandes 2 ; Wilson César Abreu 3 ; Fátima Magalhães Almeida 4 ; Rita de Cássia Lanes Ribeiro 5 ; Joelma Maria Cardoso Gomide 6. Professor Adjunto do Departamento de Nutrição e Saúde da Universidade Federal Viçosa 1. Nutricionista 2. Mestrando em Ciência da Nutrição na UFV 3. Professor Assistente do Departamento de Nutrição e Saúde da U F V 4. Professor Adjunto do Departamento de Nutrição e Saúde da U F V 5. Graduanda em Nutrição e Bolsista do PET Nutrição da SESU/ UFV 6. Universidade Federal de Viçosa - Viçosa – MG. POR IDOSOS É PREO- NAL

5 INTRODUÇÃO § O dramático aumento nas prevalências de sobrepeso e obesidade observados em todo o mundo, a identificação do sobrepeso e obesidade como fatores de risco evitáveis para morbidade e mortalidade, e a complexidade da prevenção e administração destas condições crônicas, unem-se para fazer do sobrepeso e obesidade o problema de saúde pública mais profundo e constrangedor do futuro próximo. Isto posto cabe à Epidemiologia Nutricional, como ramo da ciência Epidemiológica, tratar do estudo desta relação Dieta/Doença. § Numa época em que a humanidade se preocupa com a falta de alimentos e a subnutrição, quem poderia imaginar que a obesidade atingiria índices tão alarmantes? Como os primeiros a responder os epidemiologistas estão envolvidos em descrever padrões de doenças na população, desenvolver hipóteses sobre fatores causais e introduzir métodos para prevenção. § Objetivou-se avaliar o consumo de nutrientes por indivíduos obesos, visando correlacionar excesso de peso e consumo de micronutrientes e de alimentos ricos em lipídios.

6 INTRODUÇÃO § O mais significante fator causal do aumento da prevalência de obesidade nos países desenvolvidos e, mais recentemente no Brasil, é a combinação de um estilo de vida sedentário e alterações na dieta, as quais acredita-se proteger e promover estoques de gordura a nível individual. Mais especificamente, um aumento na ingestão de gordura é considerado como o principal fator na sociedade ocidental, que predispõe os indivíduos a um ganho de peso. De fato, comunicados governamentais nos Estados Unidos, atualmente sugerem que para limitar o ganho de peso, as pessoas devem, especificamente, reduzir a ingestão de gordura dietética. § São múltiplas as evidências que associam a alta prevalência de doenças crônico- degenerativas à diminuição do tempo de vida livre de doenças, à expansão da dieta ocidental e ao aumento da obesidade. Denomina-se dieta ocidental uma dieta rica em gorduras ( particularmente as de origem animal ), açúcar e alimentos refinados e reduzida em carboidratos complexos e fibras, resultante de modificações na estrutura da dieta dos indivíduos, as quais se correlacionam, de forma complexa, com mudanças econômicas, sociais, demográficas e relacionadas à saúde 19. Essas mudanças seculares em padrões nutricionais é conceituado de transição nutricional.

7 METODOLOGIAMETODOLOGIA § O universo amostral constituiu-se de 262 indivíduos. Foram coletados dados de avaliação antropométrica (peso, altura e relação cintura-quadril) dos idosos. A população foi caracterizada quanto ao IMC (recomendação de Keys et al, 1972), pontos de corte definidos para classificação da obesidade, por Garrow (1981) e para limite da normalidade pela OMS (1990) e quanto às circunferências da cintura e do quadril por Seidell et al (1985). § A população estudada foi composta por todos os indivíduos do sexo feminino, acima de 60 anos, atendidos no Projeto Obesidade - Subprograma Doenças Endócrinas e Transtornos Metabólicos do Projeto de Atenção à Terceira Idade (PRATI) foi analisada quanto à ingestão de nutrientes, perfazendo um total de 46 indivíduos (18%). Destes 52% constituiam-se de pré-obesos, 22% apresentavam obesidade classe I ao IMC, 100% deles apresentavam adiposidade abdominal.

8 METODOLOGIAMETODOLOGIA § Os dados de consumo alimentar foram obtidos através de dois recordatórios 24 horas, aplicados logo após recebimento de salários – entre dias 1 e 5 - e entre os dias 20 e 30 do mesmo mês. Tanto os dados antropométricos quanto os dietéticos foram obtidos do Banco de Dados do NUSP/DNS (Núcleo de Saúde Pública do Departamento de Nutrição e Saúde) e processados através do software Dietpro. O presente trabalho baseou-se na hipótese de que indivíduos obesos, apesar de uma possível maior ingestão calórica, apresentariam carências nutricionais por vitaminas e micronutrientes.

9 RESULTADOS E DISCUSSÕES Figura 01 – Estado Nutricional de Idosos do Sexo Feminino - Projeto de Atenção à Terceira Idade – Viçosa/MG. Apesar de 22% da amostra estar classificada como eutrófica, através do IMC - Figura 1- todos esses indivíduos apresentaram adiposidade abdominal. A pré-obesidade foi observada em mais da metade (52%) dos inddivíduos pesquisados, enquanto que os quadros mais graves, obesidade classes I e II estão em menores proporções, respectivamente, 22% e 4%.

10 RESULTADOS E DISCUSSÕES §Figura 02 – Média da ingestão calórica dos idosos do sexo feminino, por faixa etária - Projeto de Atenção à Terceira Idade – Viçosa/MG Figura 02 – Média da Ingestão Calórica dos Idosos do Sexo Feminino, por faixa etária - Projeto de Atenção à Terceira Idade – Viçosa/MG

11 RESULTADOS E DISCUSSÕES Figura 03 – Média da Ingestão Calórica dos Idosos do Sexo Feminino, por estado nutricional - Projeto de Atenção à Terceira Idade, Viçosa-MG

12 RESULTADOS E DISCUSSÕES Figura 04 – Média da Ingestão de Lipídios dos Idosos do Sexo Feminino, por faixa etária - Projeto de Atenção à Terceira Idade – Viçosa/MG.

13 RESULTADOS E DISCUSSÕES Figura 05 – Média da Ingestão de Lipídios dos Idosos do Sexo Feminino, por estado nutricional - Projeto de Atenção à Terceira Idade – Viçosa/MG.

14 RESULTADOS E DISCUSSÕES Figura 06 – Média da Ingestão de Nutrientes por Idosos do Sexo Feminino- Projeto de Atenção à Terceira Idade – Viçosa/MG.

15 RESULTADOS E DISCUSSÕES Um fato preocupante foi a grande variabilidade da ingestão, sendo que alguns idosos consumiam apenas 11% da quantidade recomendada desse nutriente, o que pode ser consequência de uma baixa ingestão de frutas e vegetais, comprometendo não só o consumo desse nutriente como o de outras vitaminas, especialmente as do complexo B, minerais, e também de fibras, as quais, além de outras funções têm importante papel na redução do peso por aumentarem a saciedade Figura 07 – Média da Ingestão de Ácido Ascórbico por Estado Nutricional – Projeto de Atenção à Terceira Idade – Viçosa/MG

16 CONCLUSÕES A prevalência de pré-obesidade é alta, em média, 52%, exigindo monitoramento constante desse grupo com o intuito de prevenir a piora do estado nutricional e consequentemente evitar o aumento da incidência de formas mais graves de obesidade nessa população, como por exemplo a obesidade classe II, que já atingiu um percentual de 22% deste grupo estuddado. Apesar de 22% dos indivíduos terem sido classificados como eutróficos pelo IMC, 100% deles apresentam adiposidade abdominal. O consumo de lipídios pela população estudada foi proporcional ao aumento do IMC, o que significa que quanto mais obeso é o indivíduo, maior é o consumo de lipídios, sendo que os eutróficos ingeriram, em média, 24 %, os pré-obesos, em torno de 25 %, enquanto que os obesos classe I e II, em média, consumiram, 27 e 37%, respectivamente, ressaltando-se que o grupo que apresentou obesidade classe II superou o consumo máximo considerado como saudável. Diante das conclusões acima sugere-se intensificação de atividades de educação nutricional, que possam promover a melhoria dos padrões e hábitos alimentares, específicos a este grupo estudado.

17 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS CAMPBELL, L. V. A change of paradigm: obesity is not due to either excess energy intake or inadequate energy expenditure – letter. Int. J. Obes., (1998) 22: 1137; FRENCH, S. A. et al. Predictors of weight change over two years among a population of working adults: The Healthy Worker Project. Int. J. Obes., (1994) 18: ; GOLAN, M.; FAINARU, M. & WEIZMAN, A.. Role of behaviour modification in the treatment of childhood obesity with the parents as the exclusive agents of change. Int. J. Obes., (1998) 22: ; MONTEIRO, C. A. Da desnutrição para a obesidade: a transição nutricional no Brasil. In Velhos e Novos Males da Saúde no Brasil. A evolução do país e de suas doenças. Ed. Hucitec NUPENS/USP, Najas, M. S.; Sachs, A. Avaliação nutricional do idoso. In: NETTO, M. P. Gerontologia - a velhice e o envelhecimento em visão globalizada. São Paulo: Editora Atheneu, p ;

18 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Netto, M. P. ; Ponte, J. R. Envelhecimento: desafio na transição do século. In: NETTO, M. P. Gerontologia - a velhice e o envelhecimento em visão globalizada. São Paulo: Editora Atheneu, p ; Pereira, F. A. I.; Cervato, A. M. Recomendações nutricionais. In: NETTO, M. P. Gerontologia - a velhice e o envelhecimento em visão globalizada. São Paulo: Editora Atheneu, p ; SICHIERI, R. Epidemiologia da obesidade. Rio de Janeiro, EdUERJ, p (Coleção Saúde & Sociedade); STUBBS, R. L.; JOHNSTONE, A. M.; REILLY, L. M. et al. The effect of covertly manipulating the energy density of mixed diets on ad libitum food intake in pseudo free-living humans. Int. J. Obes. (1998) 22, ; WELLS, J. C. K. Is obesity really due to high energy intake of low energy expenditure? Int. J. Obes. (1998) 22,


Carregar ppt "Adelson Luiz Araújo Tinôco 1 ; Andréa dos Santos Fernandes 2 ; Wilson César Abreu 3 ; Fátima Magalhães Almeida 4 ; Rita de Cássia Lanes Ribeiro 5 ; Joelma."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google